Educação Por Exemplos

[pullquote]Jovens aprendem dos mais eficientes e não dos mais intelectualizados[/pullquote]

Por muitos anos convivi com um professor que era muito estudioso.

Ele era um socialista convicto, acreditava num mundo melhor se sua visão política fosse compartilhada por todos.

Pregava a luta armada para chegar ao poder.

Era sério e sisudo. Nunca o vi soltar uma gargalhada, trabalhava aos sábados e domingos e ia a todas as reuniões de protestos.

Fumava mas não bebia, não tomava sol por causa do raios ultravioletas, e era vegetariano por convicção.

Bastante tímido, vestia-se mal, não era necessariamente uma pessoa encantadora.

Fazia-me lembrar da famosa cena contada por Kierkegaard.

Um homem distraído de si mesmo, tão preocupado com problemas mais importantes que si, que lentamente esquece que ele existe, que tem valor por si só, somente pelo coletivo e o social, que um dia ele acorda e descobre que está morto.

Muitos professores universitários acabam assim.

Frustrados por não terem mudado o mundo, amargurados com os fatos que frustraram a sua tentativa de fazer um mundo melhor, e agora velhos e pobres sem poupança suficiente para parar de trabalhar.

A maioria acredita piamente que o ensino fará o país melhor.

A maioria acredita no poder do conhecimento, e que a transmissão do conhecimento é a sua missão.

Eu cada vez mais acredito menos na educação.

Eu cada vez acredito mais no poder do exemplo.

Um aluno aprende mais pelos exemplos de seus pais, amigos e professores do que nas pérolas de sabedoria contidas nos livros textos e transmitidas em aula.

Nossos filhos sonham que na faculdade encontrarão belos exemplos de adultos líderes de sua sociedade, para fazer contraponto com as falhas e fraquezas de seus pais.

Lee Iacocca, ex presidente da Chrysler, quis ser Presidente da República e fez publicar o seguinte anúncio.

Se nossa sociedade fosse inteligente, colocaria seus membros mais qualificados como professores de nossos filhos, e nós, o restante, ficaríamos com os empregos menos importantes da economia“.

O erro desta afirmação está na visão de que jovens aprendem dos ensinamentos dos mais intelectualizados, quando na realidade aprendemos via exemplo dos mais eficientes.

Copiamos a criação dos outros e observamos os nossos chefes inspirados em exemplos da comunidade, não nos professores em sala de aula.

Lamentavelmente, não encontramos mais grandes exemplos nas universidades brasileiras e nas do mundo inteiro.

A própria Universidade tem contribuído para desvalorizar o conceito de Exemplo, e valorizar sobremaneira o conceito de Educação.

Nossas Universidades são pródigas em desdenhar os exemplos que surgem da sociedade civil, as lideranças que emergem do seio da sociedade.

Sejam eles empresários, executivos, políticos eleitos, os líderes comunitários sem partido, e especialmente os líderes religiosos que são olhados com desprezo e desdém.

Nossa civilização está cada vez mais em frangalhos em termos éticos e morais justamente porque desdenhamos cada vez mais o exemplo da nobreza humana.

Todo ano eu organizava a Premiação O Voluntário do Ano, onde escolhia os melhores voluntários de 150 melhores entidades que eram premiados numa bela cerimônia, mas com pouquíssima partipação da imprensa brasileira.

Talvez por isto vemos crescer o Budismo, o Taoísmo, o Hinduísmo e todos os valores orientais que sempre deram mais valor ao exemplo dos velhos, o exemplo dos gurus, o exemplo dos seus antepassados espirituais.

Quem você conhece que lhe serve de exemplo?

Quem você leu na imprensa ultimamente cujo exemplo, não ideias, lhe impressionou positivamente?

Bertholt Brecht, famoso dramaturgo dizia que “pobre era o país que precisava de heróis.

Eu diria justamente o contrário.

Pobre é o país que possui poucos exemplos a seguir.

Pior é que estes exemplos existem.

Nossa cultura, nossas universidades, nossa imprensa não têm o hábito de divulgá-los.

O grande exemplo para seus filhos será sempre você e seu cônjuge.

É assustador, não é?

Mas eles irão aprender muito mais de você do que você imagina.

Por isto ter filhos com idade mais avançada hoje em dia é um avanço, não um problema.

Supõe-se que com idade mais avançada você já tem valores e uma ética definida e sedimentada.

Espera-se que aos 34 anos você já tenha uma visão de mundo correta para ensinar a seus filhos.

Que será um exemplo forte, forte o suficiente para resistir às mentiras que serão ditas nas universidades.

Seu filho aprenderá com você como lidar com erros, incertezas e as flutuações da vida.

Ele aprenderá com você como lidar com revezes, se você se desespera ou continua em frente.

Em vez de se preocupar com a escola e universidade de seu filho, preocupe-se um pouco mais com o que é ensinado em casa.

Por você.

(Lido por 38 pessoas até agora)

13 Comments on Educação Por Exemplos

  1. Professor,

    não o conheço e portanto não responderia que o sr. me serve de exemplo. Mas sim, me serve de inspiração. Suas reflexões são muito inspiradoras, mesmo quando não concordo, inspiram a refletir também sobre o tema.

    Algumas poucas pessoas me servem de bom exemplo sim, procuro conhecer suas ideias por livros e palestras. Fábio Barbosa é um desses.

  2. Muito bom, todos precisam de refletir sobre este tema. Vale a pena lembrar que o mestre dos mestres não cursou nenhuma faculdade, porém através do exemplo trasnformou a vida de doze, que hoje são bilhões, porém muitos precismam reaprender que uma atitude, vale mais que mil palavras, é disto que todos precisamos.

  3. Caro kanitz …. Vc faz uma assertiva q gostaria q aprofundasse: os males da economia nacional vem do deficit da previdencia social . ?!

  4. Eu e meu marido (in memorian) tivemos nossos filhos cedo, 17 e 18 anos respectivamente. Continuei meus estudos, cursei Letras e Direito. Durante 34 anos trabalhei como professora e não pude me aposentar antes por causa da idade, tinha que ter 50 anos. Estou aguardando fazer 55 anos para ter minha segunda aposentadoria. Meus tres filhos são pessoas maravilhosas, muito bem criados, sou avó de 5 netos. Acredito que nossos exemplos serviram de norte para a vida deles. Os tres tem formação superior, são bem empregados. Mas confesso que o exemplo, qualquer que seja ele, serve para direcionar a vida, mesmo que seja para não seguir o exemplo. É assim que devemos pensar.

  5. Espero que minhas filhas realmente mirem sua mãe e eu e não os professores ou os líderes da sociedade para composição de seu caráter.

  6. Interessante artigo. Reforça a importância da família como unidade primária da sociedade, onde deve-se preservar a moral e bons costumes, com vistas progressistas e evolucionistas da humanidade, sempre com liberdade e sem libertinagem.
    “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que num dado momento a tua fala seja a tua prática.” Paulo Freire.
    Obrigado Professor Kanitz

  7. Discordo somente em um ponto tive meus três filhos dos 23 aos 29 anos, eu e meu cônjuge temos a mesma idade, nossos filhos hoje formados com 38,34 e 32 anos tem orgulhos de nós e tiveram uma ótima formação intelectual e espiritual. Quero dizer que idade para ter filhos não influi nos exemplos que você pode dar a eles durante a vida.

  8. Quando ensinava sobre amar, Jesus foi questionado sobre quem seria “o próximo”. Discorreu então a conhecida parábola do bom samaritano, onde três pessoas que tinham condições de ajudar alguém que havia sido atacado por ladrões, porém apenas uma delas – o samaritano – parou e a socorreu, enquanto os religiosos e doutores do conhecimento passaram direto e não fizeram nada de fato. O Mestre pergunta “quem foi o próximo” daquele assaltado, e unânimes respondem: o que teve misericórdia dele, o que fez algo concreto e não apenas o que ensinava sobre isso.
    Essa passagem bíblica é hoje interpretada erradamente, como se devêssemos amar aos pobres coitados, os fracos e incapacitados. Não! É o contrário! O samaritano é que foi o próximo do flagelado, foi quem teve misericórdia dele, e portanto deveria ser amado por aquele a quem ajudou. Em outras palavas, devemos amar e honrar aqueles que nos ensinam, que nos dão exemplo, que fazem em atitudes práticas, e não os que se perdem nas teorias, como os fariseus que deixaram o assaltado na sarjeta.
    Seu maravilhoso artigo é, na prática, um renovo nesse importante ensino!
    Obrigado!

  9. Acho que a visão de Brecht e a sua podem se complementar, pois os verdadeiros bons exemplos pouco têm a ver com os heróis que estão por aí.

    O povo que precisa de heróis é pobre porque precisa se apoiar numa ilusão, num ídolo que, mais cedo ou mais tarde, deixará de responder a suas preces. Heróis verdadeiros não existem. Chico Buarque que o diga (inclusive saiu um ótimo texto hoje, 18/10/13, na Carta Capital, chamando Chico de humano, veja só!)

    Ao mesmo tempo, “pobre é o país que possui poucos exemplos a seguir.” Quando se tem poucos exemplos verdadeiros de lutas, de vitórias cotidianas, de ideias e ideias transformados em realidade, o povo perde o dinamismo, perde o desejo de ir em frente.

    Quanto aos nossos exemplos locais, “Nossa cultura, nossas universidades, nossa imprensa não têm o hábito de divulgá-los” e é verdade. Na contra-mão, o que costumamos fazer é importar heróis (falsos exemplos) e maquiar os poucos bons exemplos que surgem para se parecerem com os demais. Ao invés de anunciarmos nossos bons exemplos, nós os padronizamos e formatamos: merecedores ou não, recebem os mesmos títulos e elogios, nos mesmo canais. Se colocarmos no mesmo palco Anitta, Chico Buarque e MV Bill, o que o Faustão diria de diferente sobre cada um deles? Não seriam todos “feras” e “exemplos de seres humanos” até o próximo “reclame do plim-plim”?

  10. Muito bom. Navalha na carne. Estou com 35 e tive meu primeiro filho agora, olhando pra trás, de fato hoje as coisas são completamente diferentes.

  11. “(…) devem ver nos pais exemplos de vida e principalmente devem ter um grande respeito e admiração pelos Pais.”
    O que significa dizer que os pais-leia-se pessoas de modo geral- precisam mudar muito moralmente, para que se tornem dignos de serem vistos desse jeito (já pensou se você fosse obrigado pelo acaso a ver no seu vizinho de poltrona de avião ou em qualquer transeunte-praticamente qualquer casal de adultos no intervalo de idade adequado é biologicamente capaz de gerar um filho- exemplos de vida e nutrir por eles grande respeito e admiração?). É menos sobre como os pais tratam os filhos (exceto casos de tratamento criminosamente violento ou educação muito frouxa) e mais sobre como eles tratam as outras pessoas, vivem em sociedade. Se consertarmos os pais (leia-se o cidadão comum), os filhos não serão problema. Precisamos de leis rígidas que sejam aplicadas e regulem de forma adequada o funcionamento da Sociedade.

  12. Artigo complexo com muitas variantes. Em uma análise sucinta aceito que é melhor procurar um exemplo na coletividade do que se mirar em professores que somente dão aula, o que poderíamos aprender na fonte como Stephen disse. Infelizmente estamos no atraso cultural de assistir aula e tirar 5 para graduar. Professores que fazem muitos trabalhos científicos que não acrescentam nada para a sociedade, porém, acrescenta alguns no seus salários. Fico imaginando quanto ao exemplo dos pais,deverás imprescindível na formação dos futuros cidadãos honrados que serão escravos dos políticos corruptos, ou sofrerão violências nas ruas pelos filhos de lullas, que aprenderão com ele que estudar e trabalhar é coisa de otário. Que Deus tenha piedade de nós.O professor que você conheceu deveria adorar fazer trabalhos com dinheiro dos outros,coisas de socialistas,não entra com nada,só com gogó e leva o dele.

  13. Ótimo artigo, concordo completamente com o Sr, nossos filhos devem ser tratados como filhos e não como amigos, devem ver nos pais exemplos de vida e principalmente devem ter um grande respeito e admiração pelos Pais.
    A base de tudo esta ai.

Comments are closed.

UA-1184690-14