O Discurso Completo de Javier Milei em Davos


Esta é uma transcrição do discurso especial de Javier Milei, Presidente da Argentina, que ocorreu durante a Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial em Davos.


Boa tarde. Muito obrigado.


Hoje estou aqui para dizer que o mundo ocidental está em perigo.

E está em perigo porque aqueles que deveriam defender os valores do Ocidente foram cooptados por uma visão de mundo que inexoravelmente leva ao socialismo e, por consequência, à pobreza.

Infelizmente, nas últimas décadas, os principais líderes do mundo ocidental abandonaram o modelo de liberdade por diferentes versões do que chamamos de coletivismo.

Alguns foram motivados por indivíduos bem-intencionados dispostos a ajudar os outros, e outros foram motivados pelo desejo de pertencer a uma casta privilegiada.

Estamos aqui para dizer que experimentos coletivistas nunca são a solução para os problemas que afligem os cidadãos do mundo.

Pelo contrário, são a causa raiz. Acreditem em mim: ninguém está em melhor posição do que nós, argentinos, para testemunhar estes dois pontos.

Trinta e cinco anos após adotarmos o modelo de liberdade, em 1860, nos tornamos uma potência mundial líder. E quando abraçamos o coletivismo ao longo dos últimos 100 anos, vimos como nossos cidadãos começaram a empobrecer sistematicamente, e caímos para a posição número 140 globalmente.

Mas antes de ter a discussão, seria primeiro importante olharmos para os dados que demonstram por que o capitalismo de livre mercado não é apenas o único sistema possível para acabar com a pobreza mundial, mas também é o único sistema moralmente desejável para alcançar isso.

Se olharmos para a história do progresso econômico, podemos ver como entre o ano zero e o ano 1800 aproximadamente, o PIB per capita mundial praticamente permaneceu constante durante todo o período de referência.

Se você olhar para um gráfico da evolução do crescimento econômico ao longo da história da humanidade, verá um gráfico em forma de bastão de hóquei, uma função exponencial que permaneceu constante por 90% do tempo e que foi disparada exponencialmente a partir do século XIX.

A única exceção a esta história de estagnação foi no final do século XV, com a descoberta do continente americano, mas para esta exceção, ao longo de todo o período entre o ano zero e o ano 1800, o PIB per capita global estagnou.

Agora, não é apenas que o capitalismo trouxe uma explosão de riqueza desde o momento em que foi adotado como um sistema econômico, mas também, se você olhar para os dados, o que verá é que o crescimento continua a acelerar durante todo o período.

E ao longo de todo o período entre o ano zero e o ano 1800, a taxa de crescimento do PIB per capita permanece estável em cerca de 0,02% ao ano.

Então, quase nenhum crescimento.

A partir do século XIX, com a Revolução Industrial, a taxa anual de crescimento composto foi de 0,66%.

E nessa taxa, seriam necessários cerca de 107 anos para dobrar o PIB per capita.

Agora, se você olhar para o período entre o ano 1900 e o ano 1950, a taxa de crescimento acelerou para 1,66% ao ano.

Então, você não precisaria mais de 107 anos para dobrar o PIB per capita – mas sim 66.

E se você considerar o período entre 1950 e o ano 2000, verá que a taxa de crescimento foi de 2,1%, o que significaria que em apenas 33 anos poderíamos dobrar o PIB per capita mundial.

Essa tendência, longe de parar, continua bem viva hoje.

Se considerarmos o período entre os anos 2000 e 2023, a taxa de crescimento acelerou novamente para 3% ao ano, o que significa que poderíamos dobrar o PIB per capita mundial em apenas 23 anos.

Dito isto, quando você olha para o PIB per capita desde o ano 1800 até hoje, o que você verá é que após a Revolução Industrial, o PIB per capita global multiplicou-se mais de 15 vezes, o que representou um boom no crescimento que tirou 90% da população mundial da pobreza extrema.

Devemos lembrar que, até o ano de 1800, cerca de 95% da população mundial vivia em extrema pobreza. E essa porcentagem caiu para 5% até o ano de 2020, antes da pandemia. A conclusão é óbvia.

Longe de ser a causa dos nossos problemas, o capitalismo de livre mercado como sistema econômico é o único instrumento que temos para acabar com a fome, a pobreza e a extrema pobreza em nosso planeta. A evidência empírica é inquestionável.

Portanto, uma vez que não há dúvidas de que o capitalismo de livre empresa é superior em termos produtivos, a doutrina de esquerda atacou o capitalismo, alegando questões morais, dizendo – isso é o que os detratores afirmam – que ele é injusto.

Dizem que o capitalismo é maligno porque é individualista e que o coletivismo é bom porque é altruísta. Claro, com o dinheiro dos outros.

Então, eles defendem a justiça social. Mas esse conceito, que no mundo desenvolvido se tornou popular recentemente, em meu país tem sido constante no discurso político há mais de 80 anos.

O problema é que a justiça social não é justa, e não contribui para o bem-estar geral. Muito pelo contrário, é uma ideia intrinsecamente injusta porque é violenta.

É injusta porque o estado é financiado por meio de impostos e os impostos são coletados de forma coercitiva.

Ou será que algum de nós pode dizer que paga impostos voluntariamente?

Isso significa que o estado é financiado por meio da coerção e que quanto maior a carga tributária, maior a coerção e menor a liberdade.

Aqueles que promovem a justiça social partem da ideia de que a economia é um bolo que pode ser compartilhado de forma diferente. Mas esse bolo não é um dado. É riqueza que é gerada no que Israel Kirzner, por exemplo, chama de processo de descoberta de mercado.

Se os bens ou serviços oferecidos por um negócio não são desejados, o negócio falhará a menos que se adapte ao que o mercado está exigindo.

Eles terão sucesso e produzirão mais se fizerem um produto de boa qualidade a um preço atrativo. Então, o mercado é um processo de descoberta no qual os capitalistas encontrarão o caminho certo à medida que avançam.

Mas se o estado pune os capitalistas quando eles têm sucesso e interfere no processo de descoberta, eles destruirão seus incentivos, e a consequência é que eles produzirão menos.

O bolo será menor, e isso prejudicará a sociedade como um todo.

O coletivismo, ao inibir esses processos de descoberta e dificultar a apropriação das descobertas, acaba amarrando as mãos dos empreendedores e os impede de oferecer melhores bens e serviços a um preço melhor.

Então, como pode a academia, organizações internacionais, teóricos econômicos e políticos demonizarem um sistema econômico que não apenas tirou 90% da população mundial da extrema pobreza, mas continuou a fazer isso cada vez mais rápido?

Graças ao capitalismo de livre comércio, o mundo está vivendo seu melhor momento. Nunca na história da humanidade houve um período de mais prosperidade do que hoje. Isso é verdade para todos.

O mundo de hoje tem mais liberdade, é rico, mais pacífico e próspero. Isso é particularmente verdadeiro para os países que têm mais liberdade econômica e respeitam os direitos de propriedade dos indivíduos.

Os países que têm mais liberdade são 12 vezes mais ricos do que aqueles que são reprimidos. O percentil mais baixo em países livres está em melhor situação do que 90% da população em países reprimidos.

A pobreza é 25 vezes menor e a extrema pobreza é 50 vezes menor. E os cidadãos em países livres vivem 25% mais tempo do que os cidadãos em países reprimidos.

Agora, o que queremos dizer quando falamos sobre libertarianismo?

E deixem-me citar as palavras da maior autoridade em liberdade na Argentina, o Professor Alberto Benegas Lynch Jr, que diz que o libertarianismo é o respeito irrestrito pelo projeto de vida dos outros baseado no princípio da não-agressão, em defesa do direito à vida, liberdade e propriedade.

Suas instituições fundamentais são a propriedade privada, mercados livres de intervenção estatal, livre concorrência e a divisão do trabalho e cooperação social, em que o sucesso é alcançado apenas servindo aos outros com bens de melhor qualidade ou a um preço melhor.

Em outras palavras, empresários capitalistas bem-sucedidos são benfeitores sociais que, longe de se apropriarem da riqueza dos outros, contribuem para o bem-estar geral.

Em última análise, um empresário de sucesso é um herói.

E este é o modelo que estamos defendendo para o futuro da Argentina. Um modelo baseado no princípio fundamental do libertarianismo.

A defesa da vida, da liberdade e da propriedade.

Agora, se o capitalismo de livre empresa e a liberdade econômica se mostraram instrumentos extraordinários para acabar com a pobreza no mundo, e estamos agora no melhor momento da história da humanidade, vale a pena perguntar por que digo que o Ocidente está em perigo.

E digo isso precisamente porque em países que deveriam defender os valores do livre mercado, propriedade privada e outras instituições do libertarianismo, setores do estabelecimento político e econômico estão minando as bases do libertarianismo, abrindo as portas para o socialismo e potencialmente nos condenando à pobreza, miséria e estagnação.

Nunca se deve esquecer que o socialismo é sempre e em todo lugar um fenômeno empobrecedor que falhou em todos os países onde foi experimentado.

Foi um fracasso econômico, social, cultural e também matou mais de 100 milhões de seres humanos.

O problema essencial do Ocidente hoje não é apenas que precisamos enfrentar aqueles que, mesmo após a queda do Muro de Berlim e a esmagadora evidência empírica, continuam a advogar pelo socialismo empobrecedor.

Mas também estão nossos próprios líderes, pensadores e acadêmicos que, confiando em um arcabouço teórico equivocado, estão minando os fundamentos do sistema que nos deu a maior expansão de riqueza e prosperidade em nossa história.

O arcabouço teórico a que me refiro é o da teoria econômica Neoclássica, que projeta um conjunto de instrumentos que, sem querer ou sem intenção, acabam servindo à intervenção do estado, ao socialismo e à degradação social.

O problema com os Neoclássicos é que o modelo de que se apaixonaram não mapeia a realidade, então eles atribuem seus erros a supostas falhas de mercado em vez de revisar as premissas do modelo.

Sob o pretexto de uma suposta falha de mercado, introduzem-se regulamentações. Estas regulamentações criam distorções no sistema de preços, impedem o cálculo econômico e, portanto, também impedem a poupança, o investimento e o crescimento.

O problema reside principalmente no fato de que nem mesmo supostos economistas libertários entendem o que é o mercado porque, se entendessem, rapidamente veriam que é impossível haver falhas de mercado.

O mercado não é um mero gráfico descrevendo uma curva de oferta e demanda. O mercado é um mecanismo de cooperação social, onde você troca voluntariamente direitos de propriedade. Portanto, com base nessa definição, falar de falha de mercado é um oximoro. Não existem falhas de mercado.

Se as transações são voluntárias, o único contexto em que pode haver falha de mercado é se houver coerção e o único capaz de coagir geralmente é o estado, que detém o monopólio da violência.

Consequentemente, se alguém considera que há uma falha de mercado, sugiro que verifique se há intervenção do estado envolvida em países livres vivem 25% mais tempo do que os cidadãos em países reprimidos.

Consequentemente, se alguém considera que há uma falha de mercado, sugiro que verifique se há intervenção do estado envolvida.

E se constatar que não é o caso, sugiro que verifique novamente, porque obviamente há um erro. Falhas de mercado não existem.

Um exemplo das chamadas falhas de mercado descritas pelos Neoclássicos é a estrutura concentrada da economia. A partir do ano 1800, com a população se multiplicando por 8 ou 9 vezes, o PIB per capita cresceu mais de 15 vezes, então houve retornos crescentes que reduziram a pobreza extrema de 95% para 5%.

No entanto, a presença de retornos crescentes envolve estruturas concentradas, o que chamaríamos de monopólio. Então, como algo que gerou tanto bem-estar para a teoria Neoclássica é uma falha de mercado?

Economistas Neoclássicos pensam fora da caixa.

Quando o modelo falha, não devemos nos irritar com a realidade, mas sim com o modelo e mudá-lo. O dilema enfrentado pelo modelo Neoclássico é que eles dizem desejar aperfeiçoar a função do mercado atacando o que consideram ser falhas.

Mas ao fazer isso, não só abrem as portas para o socialismo, mas também vão contra o crescimento econômico.

Por exemplo, regular monopólios, destruir seus lucros e destruir retornos crescentes destruiriam automaticamente o crescimento econômico.

No entanto, diante da demonstração teórica de que a intervenção estatal é prejudicial – e a evidência empírica de que não poderia ter sido diferente – a solução proposta pelos coletivistas não é maior liberdade, mas sim maior regulamentação, o que cria um espiral descendente de regulamentações até que todos sejamos mais pobres e nossas vidas dependam de um burocrata sentado em um escritório de luxo.

Diante do fracasso retumbante dos modelos coletivistas e dos avanços inegáveis no mundo livre, os socialistas foram forçados a mudar sua agenda: deixaram para trás a luta de classes baseada no sistema econômico e a substituíram por outros supostos conflitos sociais, igualmente prejudiciais à vida e ao crescimento econômico.

A primeira dessas novas batalhas foi a luta ridícula e antinatural entre homens e mulheres. O libertarianismo já prevê a igualdade entre os sexos. A pedra angular de nossa crença é que todos os seres humanos são criados iguais e que todos têm os mesmos direitos inalienáveis concedidos pelo Criador, incluindo vida, liberdade e propriedade.

Tudo o que a agenda do feminismo radical levou foi a uma maior intervenção estatal para dificultar o processo econômico, dando empregos a burocratas que não contribuíram em nada para a sociedade. Exemplos são ministérios da mulher ou organizações internacionais dedicadas a promover esta agenda.

Outro conflito apresentado pelos socialistas é o dos seres humanos contra a natureza, alegando que nós, seres humanos, danificamos um planeta que deve ser protegido a todo custo, chegando ao ponto de defender mecanismos de controle populacional ou a agenda do aborto. Infelizmente, essas ideias prejudiciais ganharam força em nossa sociedade.

Neo-marxistas conseguiram cooptar o senso comum do mundo ocidental, e isso eles alcançaram ao se apropriar dos meios de comunicação, cultura, universidades e também organizações internacionais.

O último caso é provavelmente o mais sério, pois são instituições que têm uma enorme influência nas decisões políticas e econômicas de seus estados membros.

Felizmente, há cada vez mais de nós que ousamos fazer ouvir nossas vozes, pois vemos que, se não lutarmos verdadeira e decisivamente contra essas ideias, o único destino possível é termos níveis crescentes de regulamentação estatal, socialismo, pobreza e menos liberdade, e, portanto, piores padrões de vida.

O Ocidente, infelizmente, já começou a seguir esse caminho. Eu sei, para muitos pode parecer ridículo sugerir que o Ocidente se voltou para o socialismo, mas isso só é ridículo se você se limitar à definição econômica tradicional de socialismo, que diz que é um sistema econômico onde o estado possui os meios de produção.

Essa definição, a meu ver, deve ser atualizada à luz das circunstâncias atuais.

Hoje, os estados não precisam controlar diretamente os meios de produção para controlar todos os aspectos da vida dos indivíduos.

Com ferramentas como impressão de dinheiro, dívida, subsídios, controle da taxa de juros, controles de preços e regulamentações para corrigir supostas falhas de mercado, eles podem controlar a vida e os destinos de milhões de indivíduos.

É assim que chegamos ao ponto em que, usando diferentes nomes ou disfarces, uma boa parte das ideologias geralmente aceitas na maioria dos países ocidentais são variantes coletivistas, sejam elas abertamente comunistas, fascistas, socialistas, social-democratas, nacional-socialistas, democratas-cristãos, neokeynesianos, progressistas, populistas, nacionalistas ou globalistas.

No final, não há grandes diferenças. Todos eles dizem que o estado deve dirigir todos os aspectos da vida dos indivíduos. Todos defendem um modelo contrário ao que levou a humanidade ao progresso mais espetacular de sua história.

Viemos aqui hoje para convidar o mundo ocidental a voltar ao caminho da prosperidade. Liberdade econômica, governo limitado e respeito ilimitado pela propriedade privada são elementos essenciais para o crescimento econômico.

O empobrecimento produzido pelo coletivismo não é uma fantasia, nem é um destino inescapável. É uma realidade que nós, argentinos, conhecemos muito bem.

Vivemos isso. Passamos por isso porque, como disse anteriormente, desde que decidimos abandonar o modelo de liberdade que nos tornou ricos, fomos apanhados em uma espiral descendente – uma espiral pela qual estamos cada vez mais pobres, dia após dia.

Isso é algo que vivenciamos e estamos aqui para alertar sobre o que pode acontecer se os países do mundo ocidental, que se tornaram ricos através do modelo de liberdade, permanecerem neste caminho de servidão.

O caso da Argentina é uma demonstração empírica de que, não importa quão ricos vocês possam ser, quanta riqueza natural possam ter, quão qualificada seja sua população, quão educada, ou quantas barras de ouro vocês possam ter no banco central – se forem adotadas medidas que dificultam o livre funcionamento dos mercados, a concorrência, os sistemas de preços, o comércio e a propriedade privada, o único destino possível é a pobreza.

Portanto, em conclusão, gostaria de deixar uma mensagem para todos os empresários aqui presentes e aqueles que não estão aqui pessoalmente, mas que estão acompanhando de todo o mundo.

Não se intimidem pela casta política ou pelos parasitas que vivem às custas do estado. Não se rendam a uma classe política que só quer permanecer no poder e manter seus privilégios. Vocês são benfeitores sociais. Vocês são heróis. Vocês são os criadores do período mais extraordinário de prosperidade que já vimos.

Não deixem que ninguém lhes diga que sua ambição é imoral. Se vocês ganham dinheiro, é porque oferecem um produto melhor a um preço melhor, contribuindo assim para o bem-estar geral.

Não se rendam ao avanço do estado. O estado não é a solução. O estado é o problema em si. Vocês são os verdadeiros protagonistas desta história e tenham certeza de que a partir de hoje, a Argentina é sua aliada firme e incondicional.

Muito obrigado e viva a liberdade!

Compartilhe:
WhatsApp
Email
Facebook
Twitter
LinkedIn

Comentários

11 Responses

  1. Declaro apoio total a este discurso do Milei. Só faltou falar de Deus, pois ninguém aqui se autocriou, porra! E a moral nos negoócios provém da moral cristã, no mundo ocidental. Sem ela, meros homens não terão de onde tirar o certo e o errado de fato, no mundo empresarial!
    Abç ao Prof Kanitz !

    1. Não faltou: A primeira dessas novas batalhas foi a luta ridícula e antinatural entre homens e mulheres. O libertarianismo já prevê a igualdade entre os sexos. A pedra angular de nossa crença é que todos os seres humanos são criados iguais e que todos têm os mesmos direitos inalienáveis concedidos pelo Criador, incluindo vida, liberdade e propriedade.

      No entanto Milei não defende uma “moral cristã”, nem nenhum liberal.:

      É assim que chegamos ao ponto em que, usando diferentes nomes ou disfarces, uma boa parte das ideologias geralmente aceitas na maioria dos países ocidentais são variantes coletivistas, sejam elas abertamente comunistas, fascistas, socialistas, social-democratas, nacional-socialistas, democratas-cristãos, neokeynesianos, progressistas, populistas, nacionalistas ou globalistas.

      No final, não há grandes diferenças. Todos eles dizem que o estado deve dirigir todos os aspectos da vida dos indivíduos. Todos defendem um modelo contrário ao que levou a humanidade ao progresso mais espetacular de sua história

      Pelo contrário, o liberalismo é o único sistema que permite liberdade de crenças!

  2. Os teóricos do Comunismo, ignoram que a natureza criou pessoas desiguais. Como diria o grande Rui Barbosa: “Não há, no Universo, duas coisas iguais. Muitas se parecem umas às outras. Mas todas entre si diversificam. Tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real”. Portanto, esta teoria dos socialistas, continua Rui – “é uma blasfêmia contra a razão e a fé, contra a civilização e a humanidade, é a filosofia da miséria. […] A organização da miséria.”

  3. Embora eu torça para que a Argentina resolva sua economia e que novo presidente tenha êxito nisso, pois a Argentina tem uma grande vantagem sobre o Brasil considerando que o problema lá é basicamente econômico, ao passo que o nosso, nem tanto a economia, mas por uma cultura baseada numa moral deformada, e cultura é algo complexo demais para ser modificado, especialmente por falta de empenho e pensamento nesse sentido, penso que o “Collornaro” deles é extremamente duvidoso e, assim, tal como previsão do tempo, promessas de campanhas políticas só se pode confirmar passado o tempo.

  4. Congratulações a Stephen Kanitz por iniciativa de traduzir o discurso de Milei, cuja mensagem é tão importante e oportuna.
    Segundo Paulo Guedes, o livro “O Caminho da Servidão”, de Friedrich Hayek, tem a explicação simples de como o estatismo destrói a capacidade produtiva e a capacidade de iniciativa de um povo. Escraviza a classe política e degenera o regime.
    Enquanto Hayek explica como os povos degeneram seus sistemas políticos e econômicos por meio do estatismo, em “Prosperidade Através da Competição” Ludwig Wilhelm Erhard (responsável pela reconstrução da Alemanha após a Segunda Guerra Mundial) conta e mostra como que por meio do desenvolvimento dos mercados e do estímulo à competição os povos conseguem produtividade e enriquecimento.

    1. Através da “competição”, uma prosperidade que se não fosse o DINHEIRO PÚBLICO, Plano Marshall, talvez a Alemanha ainda estivesse patinando…

  5. Caro Professor

    Desejo sucesso ao Milei na tentativa de “Resgate” da Argentina do Peronismo Populista e Demagogo. Esperemos que com o Brasil consigamos o mesmo, apesar do “Mecanismo Expurio”, montado.

  6. O Milei se mantém firme nos seus valores, ele está fazendo a coisa mais correta até o momento, mantendo-se a pessoa que realmente é, sem se desprender do seu caráter para agradar a terceiros.

  7. Tudo que falou é verdade mas quando sai da boca de uma pessoa que consulta seus cachorros mortos para tomar uma decisão tudo fica duvidoso.
    Nossos capitalistas também não inspiram confiança nenhuma: Paulo Guedes, Delfim Neto todos com contas em offshore nos deixam desconfiados.
    Veremos se os argentinos aguentam a fome e a miséria que está descontrolada.Torço pra Argentina se dar bem mas só liberalismo não mata a fome de ninguém.Veremos se haverá população viva até sua política der certo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados

Um Pedido às Jovens Mulheres

Antigamente, nós homens costumávamos elogiar jovens mulheres bem-vestidas e elegantes que cruzavam nossos caminhos. A maioria dos homens apreciava com prazer genuíno as mulheres bonitas

Artigo Completo »