A Quem Interessa Este Tripé Econômico

 

Escrevi na semana passada “Entenda o Que é Este Tripé Econômico”, que todos os nossos jornalistas da imprensa tucana dão enorme importância.

Ofereci 1000 satochis para o primeiro que adivinhasse a agenda oculta daqueles que defendem o tripé econômico.

Continuo com os meus satochis, ninguém ainda adivinhou.

Vou ajudar nesta letargia pensante que se apoderou do Brasil, depois que este capitalismo de estado passou a tomar todas as decisões por nós.

1. A quem interessa um Tripé Econômico onde o Banco Central é independente, os juros e o câmbio são flutuantes, e o governo se compromete a manter a inflação dentro das metas de inflação?

2. A quem interessaria um tripé diferente, por exemplo, um Tripé Industrial onde o Ministério da Indústria seria independente, haveriam Metas de Juros onde o governo manteria os juros dentro de certos parâmetros? Acertou, seria o Setor Industrial.

3. A quem interessaria um Tripé Agrícola, onde o Ministério da Agricultura seria totalmente independente do governo eleito pelo povo e poderia fazer o que bem entendesse?  No Tripé Agrícola haveriam Metas de Fertilizantes, onde o preço de fertilizar teria um máximo e um mínimo, como nas metas de inflação. Se você pensou no Setor Agrícola, adivinhou.

4. A quem interessaria um Tripé Exportador onde se teria um Ministério da Exportação Independente, que daria automaticamente linhas de redesconto, e haveriam metas de câmbio, onde o câmbio seria relativamente previsível? Se você achou que seria o Setor Exportador, acertou.

Já devem ter percebido como todos vocês foram enganados por jornalistas econômicos, economistas em geral, em acreditar que era o Brasil que precisava de um Tripé Econômico, e não o setor que eles defendem com unhas e dentes.

Como os brasileiros que fizeram Faculdade de Engenharia, Medicina, Arquitetura foram enganados, ou nunca suspeitaram da agenda oculta de quem domina a nossa imprensa.

Vou adiantar que não são os bancos que querem um Tripé Econômico.

Não é o setor bancário, vocês estão mais uma vez tomando decisões sem pensar, usando ideologia ou preconceitos.

No máximo concordaria que os departamentos de tesouraria dos bancos defendem este tripé, (mais uma dica), mas o departamento de crédito, de recebimento, de câmbio, de renda fixa e variável, preferem juros, câmbio e inflação mais ou menos constante.

Darei 100.000 satochis para os primeiros cinco que acertarem.

Sou contra qualquer tripé. O capitalismo de estado que é capitalismo, e que pelo jeito todos nós queremos, não pode favorecer um agente econômico em particular em detrimento dos demais.

A resposta é tão fácil, minha gente, basta pensar e pesquisar.

 

(Lido por 314 pessoas até agora)

51 Comments on A Quem Interessa Este Tripé Econômico

  1. Não seria justo agrupar todos os economistas num saco só. Existem economistas que trabalham para industrias, e que devotam as suas vidas para fazerem analises setoriais, determinar preços de venda, analise competitiva, etc. Infelizmente temos poucos.
    Os economistas que querem juros e cambio flutuantes são aqueles que trabalham para hedge funds, ou especuladores como George Soros, que fazem arbitragens diante das “imperfeiçoes de mercado”.
    Com esta ressalva declaro Rogerio Carvalho, Murillo Pena e Matheus Jacobina vencedores, com direito a 1000 satochis cada.
    Me enviem seus endereços bitcoins para receber o premio.

  2. Seriam os economistas? Pois com um BC independente, que pode subir e descer a Taxa SELIC quando bem entende, garante que haja demanda da sociedade pelas supostas “previsões macroeconômicas”, considerando os seus cenários alternativos que essa incerteza gera na atividade econômica. Ou seja, garante seus empregos!

  3. São os especuladores/investidores? Eles almejam uma inflação que possa ser previsível e permita um planejamento em seus investimentos.

  4. Em minha humilde opinião: os grandes especuladores (nacionais e internacionais) do mercado financeiro

  5. Tecnocratas a serviço de políticos populistas (que só pensam em popularidade e em alguns décimos de PIB) estimulando os Bancos a expandirem o crédito e a patrocinar o consumismo e o endividamento !!!

    Só pra citar um exemplo do controle de juros: O Banco Central Europeu, o Banco Central suíço, o Banco Central da Inglaterra, o Banco Central japonês, o Banco Central canadense, o Banco Central australiano e o Banco Central neozelandês estipulam os juros por meio da janela de redesconto, um mecanismo muito mais punitivo para os bancos.

    Hoje no mercado aberto (Brasil e EUA) é dar dinheiro para os bancos em troca de títulos públicos, ao passo que janela de redesconto é empréstimo.

    Brasil copiou EUA…só o Banco Central Brasileiro imita o FED !!!

  6. Olá Professor,

    Fiz uma pesquisa na nossa atual fonte de conhecimento, a internet, e li um artigo interessante onde diz que, a independencia ou automonia do banco central não interessa aos políticos, pois conforme a teoria economica neoclássica, os políticos são intrisecamente gastadores e não utilizariam o banco central para financiar aumentos de gasto públicos.

    No mesmo artigo informa que não há relação entre idependência do banco central e menor taxa de inflação, pois quando o banco central teve independência em sua atuação, a taxa de inflação aumento. De acordo com a história, a população de baixa renda é a maior interessada com a não-autonomia do banco central, pois é quem mais sofre com o aumento da inflação.

    O banco central idenpendente é defendido pelos presidenciáveis, pelo fato de diminuir a carga tão pesada que é carregada pelos presidêntes eleitos ao longo da história, a economia brasilieira. A economia brasilieira será de maior responsábilidade do banco central e não do governo. O governo estará mais disponível para “cumprir” as promessas de campanha realizadas por ele.

    Para quem interessar o texto que li está disponível em: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/05/independencia-banco-central.html

  7. Não interessa a ninguém, é somente o resultado de uma soma de fatores, cujo de maior relevância sempre é a eleição.

  8. Panis vinus e circensis… Demos direitos e liberdades aos irresponsáveis. Instituições vêm sendo sabotadas e seguem à caminho do intencional descrédito… Dê a alguém poder e dinheiro e o que não foi revelado revelar-se-á. Estamos descobrindo da maneira mais penosa quem tais pessoas realmente são!
    Infelizmente entre nossos agentes de gestão pública, justiça e legiferança há muita gente falsa, gananciosa e inescrupulosa… Não resta outra sábia alternativa a não ser privatizar toda parte capitalista do Estado brasileiro, trancar o sistema para que eles não produzam mais leis onerosas ou embaraçosas para o contribuinte/cidadão e nem aumentem as alíquotas dos tributos que já existem, sem esquecer de tirar deles a autonomia para exercer o poder sem a devida ‘accoutability’ (~prestação de contas com ‘cara à tapa’).
    É preciso reavaliar sensata e objetivamente cada processo das prestações de serviços públicos e recriar os respectivos controles. A partir desses controles promover o aprimoramento de gestão e reativar a meritocracia. Não aos extremos! Precisamos preservar e reconquistar nossas responsáveis e conscientes liberdades!

  9. Com toda certeza, interessa, única e exclusivamente, aos oportunistas que através de um exército de lobistas conseguem corromper legisladores a desenharem leis sustentadas por metas delirantes, porém, impraticáveis. E que apesar de encantarem, não solucionam coisa alguma. Ao tirar o poder de decisão dos setores produtivos, o funcionamento dos mesmos seria definido pelos gananciosos parasitas dos recursos públicos. Detalhe da realidade: Banco Central, os juros e câmbio flutuantes e controle de inflação são administrados, eficientemente, pelo mercado. Dispensa, portanto, qualquer outra forma de controle. Já o Tripé Econômico, nos moldes como é praticado, são receitas extras para fiscais, parentes de dirigentes, traficantes, bicheiros que precisam aplicar as enormes fortunas, improvisadamente, concentradas em cuecas ou em seus cofres particulares.

  10. Quem se interessa no meu ponto de vista é o próprio governo e porque assim consegue conter a alavancagem obscena que o setor Bancario opera,..

  11. Quem tem interesse no tripé são os mais pobres. Inflação alta é bom pra os ricos. Basta ver a quantidade de bancos que quebraram após a estabilização da economia, da ciranda financeira. Por isso é importante estudar um pouco o assunto e não acreditar na quantidade de mentiras que a campanha do PT divulga.

  12. Interessante ponto de vista. Quem mais tem interesse nesse tripé são os banqueiros

  13. José, falei sobre rentistas e especuladores estrangeiros apenas para tentar ganhar o prêmio kkk Eu concordo com o tripé ou qualquer outra coisa sensata. Só estou tentando entender qual a lógica dele.

  14. O que vc está falando? Controle da inflação para repatriar lucros? Que lógica torta é esta? Inflação é o pior imposto para os mais pobres, que justamente não sabem/conseguem se proteger. Inflação não é problema para os ricos…

  15. Especuladores extrangeiros, rentistas… Por favor, vão estudar um pouco o assunto e deixem de virarem papagaios que repete besteiras.

    Juros altos são consequências de políticas mal planejadas. O tripe não prega juros altos, mas inflação dentro da meta. Juros é uma das armas de combate a inflação, pois atua na ponta da demanda de moeda. Falta um básico de macroeconomia aqui (e em Brasília).

    Nossa velha guarda parou de estudar há 40 anos atrás e ficou amarrada a velhos conceitos…

  16. Resposta: Especuladores estrangeiros. Com o câmbio livre eles podem fazer operações rentáveis levando a grande prejuízo ao Banco Central. Eles querem o controle da inflação para que possam “repatriar” seus lucros.

  17. Resposta: Os rentistas, os ricos que possuem dinheiro na conta e renderia mais juros. //

    Primeiro, é importante lembrar que se todos fossem honestos, não seriam necessárias tantas leis, tantas regras. As regras existem para que ninguém ABUSE do direito de outro.

    As regras da inflação, câmbio flutuante… fazem com que um político não venda o FUTURO do País.

    Entretanto, acho que quem quer um tripé é QUALQUER pessoa que queira o desenvolvimento do País. O tripé é uma forma de colocar regras CLARAS, num ambiente de muitos interesses. O que vocês destruiriam? Vocês acham que o controle inflação não é importante? Ou o câmbio flutuante? O Superávit Primário?

    Enfim, acho que a independência do Banco Central tira o fator “político” do jogo. E coloca um “técnico”. Com um mandato fixo.

  18. Kanitz escrevendo besteira. Estabilidade econômica é pré-requisito. Temos juros altos justamente pq o tripé é manco. Temos inflação alta justamente pois o tripé econômico é manco. O Real é super-valorizado justamente pq o tripé é manco.

    Banco Central independente não faz parte do tripé…

    O Tripé é o respeito as metas de inflação (expectativas), câmbio flutuante e superávit primário (diminui os juros).

  19. Este tripé interessa a toda sociedade em especial aos empreendedores, uma vez que confere credibilidade na moeda (baixa inflação) e previsibilidade para os investimentos.

  20. .. Professor, nesse cenario vejo este tripe como uma carta de intençao do país aos investidores estrangeiros – que so aplicam seu dinheiro em paises estaveis, e respeitadores de regras/contratos. e´o chamado acalma leao para o capital nomade.
    e a paga logicamente eh que de tempos em tempos levam sua grana de volta a matriz. melhor exemplo hoje sao certas montadoras de carros: com a estorinha de que dao empregos (mas demitem a torto e a direito), recolhem tributos (mas choram isençao de IPI) e trazem tecnologia ao país (so instalam ABS e arbag com aumento de preço sem considerar a escala).
    alias, me pergunto qual a logica de rezar piamente por uma inflaçao baixa quando na pratica so serve para reindexar preços e salarios. Marina, sugiro q ousasse quebrando essa corrente e limitando o acompanhamento da inflaçao a produçao para o arquivo. temos de aprender a negociar o que valemos.
    toda grande empresa faz seu calculo proprio de inflaçao e o usa para ajustar seu preço e/ou reequilibrar sua rentabilidade. o mercado (clientes) eh a outra variavel da analise pois, podem rechaçar o aumento e correr para a concorrencia.

  21. Neoliberais, especialmente os especuladores?
    Penso que, nesta situação, as metas de inflação seriam tradicionalmente atingidas através de dois mecanismos: aumento da produção (ou da eficiência de produção) ou elevação da taxa de juros.
    Incremento produtivo exige investimentos em ativos fixos, recursos humanos, além de tempo. Isso poderia beneficiar as instituições financeiras emprestadoras de recursos, embora os financiamentos, neste caso, trouxessem retorno para as mesmas a longo prazo com um spread limitado. Mais importante, os juros elevados intimidariam o consumo da população, haveria aversão ao crédito e isso reduziria o faturamento das instituições financeiras. Embora o governo, como importante fonte de financiamento, também pudesse se beneficiar da demanda por investimentos em produção, tem um superávit a cumprir. Como sua dívida é indexada à SELIC, não há vantagem na elevação da taxa de juros. A população e as empresas não terão vantagens com os aumentos de impostos, reduçao dos programas assistencias ou dos subsídios, necessários por causa da elevação do endividamento público trazido pelo aumento da SELIC. Com a poupança interna limitada, típica do país, nossa dependência do capital de especuladores se mantém e estes acabam se beneficiando desta situação.

  22. O tripé econômico interessa aos economistas. Estes são os agentes econômicos que morreriam de fome sem um sistema que torna todo o entendimento da economia num exercício de futurologia. Assim, como pessoas que querem saber o seu futuro pagam pelo serviço de videntes. Num sistema feito para ser instável como o tripé econômico precisamos de economistas. Imaginem como todos estes economistas poderiam está atuando em atividade mais produtivas e que geram mais valor para o país do que prever a inflação ou os juros oficiais de 2015? Ou de quanto estará o dólar daqui há um ano?

  23. O tripé econômico interessa aos economistas. Estes são os agentes econômicos que morreriam de fome sem um sistema que torna todo o entendimento da economia num exercício de futurologia. Assim, como pessoas que querem saber o seu futuro pagam pelo serviço de videntes. Num sistema feito para ser instável como o tripé econômico precisamos de economistas. Imaginem como todos estes economistas poderiam está atuando em atividade mais produtivas e que geram mais valor para o país do que prever a inflação ou os juros oficiais de 2015? Ou de quanto estará o dólar daqui há um ano?

  24. De acordo. O estado interfere demais na atividade economica e como os detentores do poder são egoístas, o bem comum só aparece quando o empreendedor ou investidor vê lucros altos e de baixo risco.
    Veja-se o sistema americano ou mesmo o da Colômbia onde o investidor tem incentivo e não obstáculos ao contrário do que acontece com os bolivarianos.

  25. Não me agrada esta importância dada ao tripé pois há muitas outras variáveis. O que é importante para o país é a diminuição das regulamentações, o governo gastar menos do que arrecada ou melhor o que falta mesmo é um administrador na condução do país.

  26. Interessante que num sistema de juros flutuantes SE há o interesse de diminuir os juros e mantê-los baixo a DESPESA PÚBLICA tem que ser o mais enxuta e eficiente possível para se atingir superávits nominais e reduzir a dívida, no caso brasileiro. Sendo assim, se não está havendo uma contenção da despesa pública de custeio (1) significa que não se quer reduzir a taxa básica de juros da economia de forma sustentável. Por que? Dá pra se notar um total desprezo à diminuição de custos governamentais.

    (1) A contenção de despesas do governo é pela diminuição de gastos com investimentos pelo governo o que deixa a infraestrutura cada vez mais deficiente aumentando o custo de produção. De qualquer forma esses investimentos sendo feitos pelo governo já seriam malfeitos, mas pior ainda sem eles.

  27. Mauro
    O MInisterio da Agricultura defende interesses dos agricultores, da Industria defende setor industrial, da Exportação o interesse dos exportadores, portanto o Banco central defende os interesses dos portadores de títulos do Brasil , os credores nacionais e internacionais, divida que já esta em um trilhão .
    Mas minha intuição diz que tem gato nessa Tuba e o Kanitz devera por um raciocionio simples e inesperado demonstrar claramente que interessa mesmo AO PROPRIO TESOURO , próprio governo !
    Pois o único que nunca e afetado pela conjuntura econômica em que vivemos e A ETERNA FONTE DE DINHEIRO que permite uma gastança totalmente sem limites que ocorre em todos os governos. O governo vive em outro pais diferente do nosso ! Impressionante !! São duas realidades distintas.
    Eles estão sempre no paraiso , dinheiro nunca falta, ao contrario sobra para todos os lados e PARA TODOS QUE LA ESTAO.
    A única briga e para ver quem se APODERA MAIS RAPIDAMENTE E DE MAIOR QUANTIDADE que os outros. Mas a festança e geral.
    Pense por um minuto: imagine a situação no Senado . So alegria , o que ganha menos , ganha muito .
    Medico la ganha muito mais que em qualquer lugar e trabalha muito menos , e isto não e privilegio
    desta profissão , la todos são abençoados pela generosidade brasileira. E quem paga = Tesouro
    O tripé interessa ao Tesouro , pois permite que eles continuem governando no Paraiso.
    obs= O supremo tribunal acabou de aprovar 22% de aumento PARA SI MESMO . Ñão e viver num paraiso ter
    o direito de segurar uma caneta destas e legislar em causa própria ?
    Ou ter um cartão VISA OURO ( BBrasil) privilegio do executivo = SEM LIMITE DE GASTOS !
    OH OH OH DOCE PARAISO !
    O tripé firme serve para manter o paraiso em PE
    Sera que acertei?

  28. Minha resposta: rentistas (nacionais e internacionais) interessados em renda financeira de “curto” prazo sem preocupar-se com o destino da economia.
    Vou dar um exemplo da pecuária que talvez ilustre melhor a questão.
    Há na pecuária três agentes:

    • proprietário rural que não tem rebanho mas tem pastos
    • proprietário pecuário que não tem pastos mas tem o rebanho
    • proprietário que tem rebanho e pastos

    A última condição não interessa no caso de minha analogia.
    Vamos às duas condições anteriores.
    Ao proprietário que tem pastos mas não tem rebanho o interesse básico são dois: (i) maximizar o importe do arrendamento dos pastos e (ii) preservar a condição dos pastos.
    Ao proprietário que tem rebanho mas não tem pastos o interesse básico são dois: (i) minimizar o importe pago do arrendamento e (ii) alcançar a máxima engorda do rebanho.
    Neste sentido já é compreensível, mesmo ao leigo em pecuária, que há um conflito de interesses.
    Vamos eliminar uma aleatoriedade para facilitar, admitindo que o valor do arrendamento esteja concorde para ambos.
    Então, o dono do gado quer utilizar o pasto ao máximo, mesmo que isso signifique (em termos de manejo fisiológico do pasto) o aniquilamento futuro da pastagem e o dono do pasto quer preservar o pasto mesmo que isso signifique uma engorda menor ao rebanho.
    Ao dono do rebanho pouco importa aniquilar o pasto porquanto “no mundo” há muito pasto e, no ano próximo, se este pasto não existir, ele estará com seu rebanho (que é móvel) em outro pasto.
    Ao inverso, o dono da pastagem, estando “atrelado” à sua propriedade, se deixar que o pasto seja “aniquilado”, amargará prejuízos por anos até que haja a recuperação.
    NESTE SENTIDO, VOLTEMOS À PERGUNTA: penso que o tripé – um conceito pobre e meramente financeiro e não econômico – INTERESSA AO DONO DO REBANHO QUE LITERALMENTE ‘PASTARÁ’ NOSSA ECONOMIA E, QUANDO ELA ANIQUILAR, IRÁ PARA OUTRO ‘PASTO’, até que aqui volte a “vicejar” para outro “corte”.
    Esta é minha idéia.
    Abção
    izner

  29. Olá Professor,

    Após pensar um pouco sobre o caso, entendo que os maiores interessados no Tripé Economico são os investidores e acionistas de bancos e empresas, pensando em que o banco central será independente e que não haverá agentes externos que possam ditar suas regras. Acertei?

  30. Ora! Se é capitalismo de Estado, está claro que é o Estado o interessado. Isto é, interessa ao PT e seu projeto de poder.

  31. Aos credores do governo (detentores de títulos públicos), que, em especial, conseguem se defender da inflação e manter o poder de compra ao longo do tempo.

  32. Por eliminação, seria o próprio governo, não ? Com esse tripé o governo poderia trabalhar “em fogo brando”, talvez.

  33. Acredito que seja o setor financeiro, que assim pode arbitrar entre juros e câmbio.

  34. Aos investidores estrangeiros, que podem usufruir dos altos juros do Brasil com um risco mais baixo

  35. Pegando os setores clássicos da economia (primário, secundário, terciário) você falou de dois em seu artigo (agriculta faz parte do setor primário, industria é o grosso do seto secundário). Citou também bancos que é parte do setor TERCIÁRIO (errata).

    Por eliminação (e sem ponderar muito sobre os motivos que levariam a este interesse) eu chutaria que o setor quartenário é que tem interesse nesse tripé (setor do qual os jornais fazem parte).

  36. Pegando os setores clássicos da economia (primário, secundário, terciário) você falou de dois em seu artigo (agriculta faz parte do setor primário, industria é o grosso do seto secundário). Citou também bancos que é parte do setor quartenário.

    Por eliminação (e sem ponderar muito sobre os motivos que levariam a este interesse) eu chutaria que o setor quartenário é que tem interesse nesse tripé (setor do qual os jornais fazem parte).

  37. Kanitz, excelente relexâo. Um terceiro indicador seria crescimento do PIB ou crescimento do PIB per capita, um quarto poderia ser produtividade. Entendoo tripé como um bâsico “higienico”, pegando emprestado a piramide de Maslow. Inflacao baixa garante manutencao da renda, especialemente pelos mais pobres. Banco Central independente permite a perseguiçao independente da inflacao baixa sem intervençoes populistas (como a Dilma fez) e cambio flutuante é a melhor forma de deixar o mercado funcionar, os custos e riscos de um sistema diferente comprovadamente não funcionam e ainda sao pouco democraticos (prejudicam alguns setores para privilegiar outros).

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14