Precisamos de Um Teste de Turing Para Professores

 

Tempo de leitura: 1 minuto

Professores precisam ser professores e não cabos eleitorais de um Partido, o que aliás é um crime eleitoral.

Melhor que uma legislação que controle o professor, como quer a Escola Sem Partido, ou essa libertinagem como quer o Escola Sem Mordaça, basta a sociedade fazer um teste de Turing para cada professor.

O teste seria realizado pelos alunos, pelos pais dos alunos, ou pelo conselho de contribuintes.

Cada professor atual seria sabatinado sobre vários assuntos.

O objetivo é determinar se cada professor é honesto intelectualmente, capaz de discursar isentamente sobre vários assuntos.

No final, todos os alunos, pais e contribuintes teriam que adivinhar a ideologia política do professor.

Se a maioria não conseguir adivinhar, o professor continua no posto por mais um ano.

Mas se der um resultado como, por exemplo, 80% de esquerda (ou 80% de direita), 10% liberal, 5% Comunitário, dentro dos limites de significância de um t de Student, o professor seria despedido.

Todo professor não imparcial seria sumariamente despedido, qualquer que fosse a ideologia dominante, esquerda ou direita, que isto fique bem claro.

Como no verdadeiro teste de Turing, descobriríamos se o “professor” é de fato um ser humano ou simplesmente um robô.

Um teleguiado de um Partido ou uma ideologia a serviço de si próprio, endoutrinando futuros eleitores.

 

(Lido por 425 pessoas até agora)

4 Comments on Precisamos de Um Teste de Turing Para Professores

  1. Professor, os princípios do Escola Sem Partido ainda são muito mais simples do que essa sua sugestão! Temos que pensar em termos práticos e não em sonhos!!

  2. Lá pela década de 80 os alunos de um dos colégios mais qualificados de Porto Alegre, o Anchieta, chegavam em casa e tentavam esquerdizar seus pais que representavam uma percentagem sensível do PIB gaúcho. Pais, cujas empresas sustentavam as finanças do estado e da cidade de Porto Alegre tinham seus filhos nas mãos de professores socialistas e comunistas.

  3. Ou deixa os pais livres para escolher a escola que preferem para os filhos, se é que não preferem homeschooling, ou que ele aprenda pelo youtube, sei lá. Tira essa obrigação do Estado, que assim como qualquer coisa, não sabe fazer isso direito também, e aumenta a diversidade de escolas. Mas…. tá fácil ter liberdade por aqui => podcast de alguém que tentou fazer homeschooling: http://www.mises.org.br/FileUp.aspx?id=240.

  4. E como garantir que os avaliadores, em se tratando de alunos ou pais de alunos, sejam também isentos? Se um aluno ou pai mais politizado, ao perceber que o professor não tem a mesma linha de pensamento que ele (o avaliador), não pode erroneamente interpretar que o professor pende para o lado oposto?

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14