Precisamos de Um Teste de Turing Para Professores

 

Tempo de leitura: 1 minuto

Professores precisam ser professores e não cabos eleitorais de um Partido, o que aliás é um crime eleitoral.

Melhor que uma legislação que controle o professor, como quer a Escola Sem Partido, ou essa libertinagem como quer o Escola Sem Mordaça, basta a sociedade fazer um teste de Turing para cada professor.

O teste seria realizado pelos alunos, pelos pais dos alunos, ou pelo conselho de contribuintes.

Cada professor atual seria sabatinado sobre vários assuntos.

O objetivo é determinar se cada professor é honesto intelectualmente, capaz de discursar isentamente sobre vários assuntos.

No final, todos os alunos, pais e contribuintes teriam que adivinhar a ideologia política do professor.

Se a maioria não conseguir adivinhar, o professor continua no posto por mais um ano.

Mas se der um resultado como, por exemplo, 80% de esquerda (ou 80% de direita), 10% liberal, 5% Comunitário, dentro dos limites de significância de um t de Student, o professor seria despedido.

Todo professor não imparcial seria sumariamente despedido, qualquer que fosse a ideologia dominante, esquerda ou direita, que isto fique bem claro.

Como no verdadeiro teste de Turing, descobriríamos se o “professor” é de fato um ser humano ou simplesmente um robô.

Um teleguiado de um Partido ou uma ideologia a serviço de si próprio, endoutrinando futuros eleitores.

 

Compartilhe:
WhatsApp
Email
Facebook
Twitter
LinkedIn

Comentários

4 Responses

  1. E como garantir que os avaliadores, em se tratando de alunos ou pais de alunos, sejam também isentos? Se um aluno ou pai mais politizado, ao perceber que o professor não tem a mesma linha de pensamento que ele (o avaliador), não pode erroneamente interpretar que o professor pende para o lado oposto?

  2. Ou deixa os pais livres para escolher a escola que preferem para os filhos, se é que não preferem homeschooling, ou que ele aprenda pelo youtube, sei lá. Tira essa obrigação do Estado, que assim como qualquer coisa, não sabe fazer isso direito também, e aumenta a diversidade de escolas. Mas…. tá fácil ter liberdade por aqui => podcast de alguém que tentou fazer homeschooling: http://www.mises.org.br/FileUp.aspx?id=240.

  3. Lá pela década de 80 os alunos de um dos colégios mais qualificados de Porto Alegre, o Anchieta, chegavam em casa e tentavam esquerdizar seus pais que representavam uma percentagem sensível do PIB gaúcho. Pais, cujas empresas sustentavam as finanças do estado e da cidade de Porto Alegre tinham seus filhos nas mãos de professores socialistas e comunistas.

  4. Professor, os princípios do Escola Sem Partido ainda são muito mais simples do que essa sua sugestão! Temos que pensar em termos práticos e não em sonhos!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados

O País do Desperdício

  Por 70 anos insistimos que o crescimento do PIB é função do Estado. Economistas simplificam o problema como uma função de investimentos em capital

Artigo Completo »