As Duas Formas de se Sair de Uma Recessão

 

Uma é reduzindo os juros e estimulando o endividamento das famílias, via crédito consignado, empréstimos do BNDES.

É a clássica solução Monetarista e Keynesiana.

Essas políticas econômicas resolvem o problema a curto prazo, garantem a reeleição como foi no caso da Dilma, mas complicam os governos futuros.

Primeiro, deixa a população com uma conta cavalar de juros, e juros sobre juros, reduzindo o consumo efetivo no futuro.

Segundo, cria uma bolha de consumo inflacionária.

Terceiro, cria essa inadimplência bancária, gerando prejuízos e incerteza no fluxo dos Bancos.

Existe outra forma de lidar com recessões, proposta pela corrente de administradores responsáveis das nações.

Planejamento prévio anti-recessão, criando reservas financeiras.

Na Administração Responsável das Nações, os administradores não endividam o povo com juros cavalares, nem submetem bancos a essa futura inadimplência.

Na Administração Responsável das Nações, planejamos anos antes, estimulando a população a ter reservas financeiras adequadas.

Aí, numa recessão, é a população quem decide quanto gastar de suas reservas, sem dívidas, sem crédito consignado, sem inadimplência.

E não o Governo numa Matriz Econômica mal executada.

É a sabedoria milenar de poupar nos sete anos de vacas gordas, para gastar nos sete anos de vacas magras.

E não se endividar com banqueiros como rezam os Monetaristas e os Keynesianos.

 

(Lido por 1260 pessoas até agora)

UA-1184690-14