O Brasil Está se Isolando do Mundo

 

Se você estava pensando em prestar o vestibular em Relações Internacionais, leia este artigo.

Se você está pensando em trabalhar com Comércio Exterior, importar ou exportar produtos, leia também.

O centro geopolítico do mundo mudou.

O centro do mundo não será mais Londres e Inglaterra, o novo mapa mundi é este que ilustra o artigo.

O novo centro geopolítico serão a China e Ásia. China, inclusive, significa centro.

Agora notem a proximidade da China com a Índia, Japão, Coreia, Austrália, Rússia e Europa.

No círculo amarelo reside 50% da população do mundo. Isto mesmo.

A densidade populacional desta área é de 200 hab. por km quadrado. A do Brasil é de 17 hab.

Agora veja a distância entre o Brasil e 50% da população do mundo.

Hoje estamos longe, muito longe do mundo.

Estamos onde está a Nova Zelândia nos mapas de hoje. Você já foi para a Nova Zelândia? Estava nos seus planos ir para lá algum dia?

Alguém do Brasil faz comércio internacional com a Nova Zelândia?

Estes 50% do mundo está crescendo 7% ao ano per capita, e o Brasil está crescendo 1% ao ano per capita, ou menos.

Estaremos geograficamente muito longe de onde ocorrerá 80% do crescimento do mundo nos próximos 30 anos.

Nesta nova configuração geoeconômica, nossa indústria teria que ter a melhor qualidade total do mundo, porque trocar produtos defeituosos a 15.000 km de distância seria caríssimo e inviável.

Pense também no problema causado pela nossa política pública cultural que é contra falar inglês e mandarim.

Nossa política pública é ensinar francês e espanhol.

Enquanto o Brasil continuar a buscar intercâmbio tecnológico e científico com Uruguai, Paraguai, Venezuela e Argentina, ficaremos ainda mais isolados tecnologicamente, dependendo das pesquisas científicas internas feitas pela USP, Kroton, Uniban, Anhanguera e das Universidades do Mercosul.

Nos próximos anos:

  1. Não teremos crescimento nas exportações compatível com o crescimento da Ásia.
  2. Nosso avanço tecnológico e científico dependerá dos nossos cientistas e da Academia Brasileira de Ciência, que é muito menos atuante no Brasil do que a Academia Brasileira de Letras.
  3. Nosso avanço em técnicas administrativas, gerenciais, controle e auditoria, cibernética, dependerá das pesquisas e financiamento da FAPESP, IPEA e Ministérios da Ciência e Tecnologia na área de Administração e gestão, que hoje é praticamente zero.
  4. Nosso comércio com a China dependerá de avanços em Refrigeração, Logística, Rapidez de Transporte, Telecomunicação com a Ásia, e intercâmbio de estudantes, hoje quase que inexistentes.

Algo para se pensar.

 

(Lido por 110 pessoas até agora)

UA-1184690-14