2020 – o Ano Em Que o Brasil Não se Uniu

Na Segunda Guerra Mundial, a primeira coisa que a Casa dos Comuns da Inglaterra fez foi se unir, criando um governo de coalisão, todos preocupados com a guerra.

2020 será lembrado como o ano em que o Brasil não se uniu.

Precisamos pensar mais nisso em 2021.

Por que tantos se aproveitaram dessa crise para dividir ainda mais e ganhar espaço?

Administração de Crises é uma ciência, e precisa ser ensinada em todas as faculdades, não exclusivamente em algumas (medicina, psicologia, relações internacionais, engenharia, por exemplo).

(Lido por 780 pessoas até agora)

6 Comments on 2020 – o Ano Em Que o Brasil Não se Uniu

  1. Eu estou lendo “Memórias da 2a. Guerra Mundial”, escritas por Winston Churchill.
    Ele conta como a oposição que sofria antes de iniciar a guerra se transformou num apoio quase irrestrito, assim que ele foi nomeado Primeiro Ministro e Chefe do Gabinete de Guerra.
    Somente a união de todo o povo + políticos foi capaz de garantir a sobrevivência do Reino Unido até a vitória final.

  2. Tá difícil!
    Nem a pandemia provocou coalizão neste país.
    Guerra de superegos.
    Todo mundo quer dizer: quem manda aqui sou eu!

  3. É o resultado do “presidencialismo imperial brasileiro”.

    Ou mudamos a forma de escolhas do sistema de governo e dos gestores ou vamos continuar contabilizando o aumento da miséria econômica, política e social.

  4. Infelizmente a união está longe. De um lado um presidente errático e ciclotimico do outro uma imprenssa corrupta e amilhada pelo governo de São Paulo. Quando a grande notícia aguardada e festejada pelo Jornal Funeral são os 200 mil mortos, que em sua grande maioria foram assassinados pelo governador galã, a união fica cada vez mais distante.

  5. Quando um presidente só quer saber de brigar com a imprensa, governadores e STF, dá nisso daí mesmo. Assim o país nunca vai se unir.

  6. Acabo saindo com uma resposta simplória quanto à pergunta. O Brasil
    (população) caminhava para uma caçada aos exageros dos gastos públicos. A pandemia empurrou para longe essa força, dando fôlego aos (maus) políticos que parasitam o Estado.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14