Precisamos Realmente do Senado?

Basta Um Senador, Não três.

Se somos todos iguais, precisamos de um Senado para fazer exatamente a mesma coisa pelos Deputados eleitos pelo povo?

A Inglaterra possui a Câmara dos Lords, mais como forma figurativa e que, como a Rainha da Inglaterra, não tem poderes.

Quem os têm é a Câmara dos Comuns.

Muitos países somente possuem a Câmara de Deputados – o que faz sentido, afinal “o poder emana do povo”.

É o caso dos países comunistas, como a extinta URSS e China, e de outros países como Israel e Portugal (para nós o mais importante).

Nos Estados e Municípios, não existem “senados” locais.

Infelizmente, nossos legisladores constitucionais se inspiraram na França e nos Estados Unidos, e criaram a “República Federativa do Estados Unidos do Brasil”, para atenderem às oligarquias regionais.

Tanto é que os escândalos do Senado são, na verdade, escândalos de oligarquias.

Nos Estados Unidos, que começaram com seis Estados, o Senado era necessário para acalmar os novos ingressantes com a figura de veto estadual.

O Senado, portanto, é uma construção histórica, e não o fruto de aspirações democráticas.

Como as chances de se extinguir nosso Senado é quase nula, vou propor uma outra solução para se reduzir pelo menos os custos monumentais desta instituição, na casa dos R$ 6 bilhões ao ano.

Como o Senado representa os interesses dos Estados da União, não precisamos de três senadores. Basta um.

E também não faz sentido o Governador eleito ser de um partido e o Senador, que representa o mesmo Estado, ser de outro.

Ambos teriam de ser do mesmo partido.

Assim, sugiro que o Senador do Estado seja o Vice-Governador, que, a rigor, ficaria quatro anos sem fazer nada. Agora não.

Manteríamos um sistema bicameral, com 6 bilhões de economia para a nação.

Fortaleceríamos os Governadores, que hoje precisam implorar recursos ao Governo Federal, viajando para Brasília com o pires na mão.

Governadores e Senado estariam trabalhando em conjunto.

Os três Senadores hoje defendem os interesses políticos de seu partido, e não os de seu Estado.

No entanto o ideal, como disse acima, seria simplesmente eliminar totalmente o Senado, por ser anacrônico, fruto da política da época, e totalmente antidemocrático.

Mas enquanto esperamos, pelo menos reduzamos de três Senadores para um, e que esse um seja, de preferência, o Vice-Governador, que finalmente terá que trabalhar para receber o seu salário atual.

(Lido por 1256 pessoas até agora)

UA-1184690-14