Precisamos Acabar Com o FGTS

 

Todo mês o Estado retiram 8% de nosso salário para depositar no FGTS e nos devolver com juros menores do que de “mercado” no dia em que perdermos o emprego.

Só que os juros sobre os depósitos são abaixo do “mercado”, nem alcançavam de perto a inflação.

Não seria mais fácil e mais barato simplesmente recebermos todo mês a contribuição do FGTS diretamente acrescida no nosso salário, e fim de papo?

As empresas anexariam um singelo bilhete dizendo: “Guarde este acréscimo para os dias negros de uma recessão, nunca se sabe quando ela virá. Invista, não gaste“.

Economizaríamos milhões em custos administrativos para manter milhões de contas especiais do FGTS, com guias especiais, contabilização especial, filas adicionais e processos judiciais contra o governo.

Recentemente, o Supremo Tribunal confirmou a manipulação dos índices de correção monetária pelos governos passados, mas, em vez de colocar os responsáveis na cadeia, se estuda o aumento de impostos para cobrir o rombo.

O FGTS foi criado para financiar saneamento básico e habitação, atividades nobres e sociais, mas pagar somente 30% dos juros de mercado e manipular índices de correção é imoral e está longe de ser a “conquista social” que prometeram.

O FGTS faz parte das medidas econômicas da Ditadura Militar, uma compensação para aqueles que perderam seu emprego vitalício, que vigorava na época. Mas isto já foi há muito tempo, e não precisamos continuar com a Ditadura das leis que fizeram.

O FGTS trouxe também efeitos negativos, que o governo Militar não previram na época: a maioria dos trabalhadores quando atravessa uma dificuldade financeira não tem outra saída além de lutar para ser demitido, a fim de levantar o fundo.

Como consequência, nossas empresas, diferentemente das do resto do mundo, não treinam pessoal, pois todos querem ser demitidos assim que o FGTS atinge certo valor.

Diretores de treinamento se desesperam porque todo o dinheiro eventualmente investido em treinamento acaba indo direto para a concorrência.

São raríssimas as empresas no Brasil que mantêm grandes centros de treinamento, e as que os tinham reduziram-nos depois da introdução do FGTS, como por exemplo a IBM.

IBM tinha um dos melhores centros de treinamento do Brasil na Gávea, Rio de Janeiro. Não mais.

Mais uma consequência não pensada dos nossos intelectuais bem intencionados.

Por isso, o Brasil tem um dos maiores índices de rotatividade de mão-de-obra, e, consequentemente, um dos menores índices de produtividade pessoal.

Numa pesquisa que realizei no meu blog, 88% dos pesquisados prefeririam administrar seus FGTS pessoalmente a ver esse dinheiro minguar nas mãos do Estado.

Boa notícia para os candidatos à presidência à procura do que pode resultar em até 30 milhões de votos, de trabalhadores cansados desse falso paternalismo de Estado, cansados de ter de processar o governo de tempos em tempos para reaver o que lhes é de direito.
Publicado originalmente na Veja em Março de 2001, e o FGTS continua firme sendo retirado 8% todo mês do trabalhador brasileiro, e nenhum partido político questiona.

(Lido por 120530 pessoas até agora)

7 Comments on Precisamos Acabar Com o FGTS

  1. Quero lembrar que os 8% do FGTS não sai do salário do trabalhador, é o empregador que paga.
    O que é descontado do salário é a porcentagem referente ao INSS.

  2. Não é permitido ao trabalhador ter os seus ganhos aumentados em 8% sem custo adicional para as empresas porque, tutelados pelos governos que minam os seus recursos, o trabalhador e a empresa, acabam financiando aquilo que eles não podem gerir, os devaneios governamentais. Um tem o seu capital remunerado a míseros 3% a.a. e o outro faz malabarismos para atender os custos de contratação e da multa ao dispensar um funcionário da qual o governo, sem nenhum mérito, lambe 10%. E ainda que os 8% do FGTS sejam revertidos mensalmente aos trabalhadores privados , os seus ganhos não seriam igualados aos daqueles que servem o governo. Viramos um país de concurseiros que precisa arrecadar cada vez mais. Por fim, é preciso entender que governo não produz riqueza, recolhe-a da iniciativa privada.

  3. Prefiro a sua opinião à do Kanitz. O FGTS é um “mal necessário”. O brasileiro, sob uma perspectiva generalista, não tem cultura poupadora. Aposto cem reais contra apenas um real que se tal medida for adotada pelo governo, haverá menos de 10% dos empregados formais separando mensalmente aquela quantia referente aos 8% para “dias difíceis” ou para a aquisição da casa própria.

  4. Concordo contigo,Marcio Sarge, porque nosos empresários são incompetentes para promover qualificação de seus empregados, alegam que trabalham com uma márgem de lucro muito apertada, isso pode ter ocorrido em determinado período, o que já passou, só não passou a choradeira, não investem em qualificação e nem em atendidmento ao cliente, basta olharmos os lucros dos bancos e a qualidade de serviços prestados, mas, estão nascendo os “vãndalos, os mascarados”. É o povo cansado!

  5. Foi mostrado que o FGTS gera um ônus muitas vezes invisível, como os custos administrativos e não-o treinamento de funcionários. E tem ainda o ponto de vista imutável do nosso governo, que deseja manter a população em uma situação de infância moral, através do FGTS, da Funai, das cotas…

    No entanto, a questão do trabalhador brasileiro por muitas vezes “querer” ser demitido não é necessariamente ruim. Não é incomum o trabalhador utilizar o dinheiro acumulado para abrir seu próprio negócio ou sair do aluguel, decisões que este blog costuma incentivar, com toda a razão, mas que só acontece porque o dinheiro estava “congelado”. É um lado positivo do FGTS, pois o povo dificilmente se deixaria levar pelo inocente bilhete proposto, investindo o valor correspondente ao FGTS, pensando em uma crise. Não há educação financeira por aqui.

    Aliás, neste país, não existe educação financeira, nem para o povo e nem para a elite. Há pouco estava lendo um artigo aqui mesmo, no blog, sobre o foco dos nossos empresários em manter o controle acionário, ao invés de optar por uma parcela menor de uma empresa maior. E o que dizer do Eike Batista e suas peripécias?

    Pessoalmente, não gosto do FGTS, mas o vejo como um mal necessário. Enquanto essa forma de consciência não for alcançada no Brasil, acho melhor que a minoria esclarecida continue arcando com a FGTS. Antes ele do que o imediatismo consumista suprimindo, de vez, a chance de um trabalhador comum acumular algum dinheiro.

  6. Penso que não é a extinção do fgts como ele é que vai sanar os problemas de investimento em funcionários nas empresas.
    Ficaremos reféns de empresas que além de não aprimorarem sua mão de obra, vão exigir mais umas vez que sabidamente o empregado só terá elas como recurso financeiro.

  7. Eu creio que será difícil alterar o FGTS pois os sindicatos e representantes de classes não concordam em mexer em nada das leis trabalhistas da era Vargas! Nunca imaginaram que hoje, nossa realidade é outra, diferente da década de 40 do século passado. Nossas empresas são penalizadas por não existirem no executivo e legislativo, administradores comprometidos com os empresários (os grandes heróis que elevam o PIB) mas permitindo que leis retrógadas ainda continuem existindo.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14