A Função do Administrador é Servir o Outro

Tenho recebido muitas críticas quanto ao meu suposto endeusamento do Administrador como salvador da pátria.

Deixe-me explicar o que está acontecendo.

Estou lentamente perdendo o meu otimismo com o futuro deste país.

Vejo a China, a Índia e o Vietnam, que estavam anos luz atrasados, rapidamente nos ultrapassarem apesar de termos os recursos naturais e 2 milhões de administradores formados ansiosos para realizarem os sonhos dos outros.

Mas vejo que vocês, pelos constantes comentários, acham que eles não são necessários.

Que não precisamos de bons professores de administração, de boas escolas de administração, de pesquisas em administração.

A maioria da nossa imprensa acha que qualquer um pode tocar um banco, uma Petrobrás, a diretoria financeira da Aracruz, VCP e Sadia.

Mesmo depois de tudo o que aconteceu com estas empresas.

Eu acho que administrar requer muitos conhecimentos, que de fato não estão sendo dados no Brasil, porque nossos professores de Administração não são bem formados, muitos nem Administradores são.

Por isto, estamos deixando centenas de problemas se acumularem, quando deveríamos resolver problemas a medida que eles ocorrem.

Essa é a visão do administrador.

Não estou dizendo que administradores são brilhantes nem que devam tomar o poder.

Já mostrei que a função do Administrador é servir o outro.

Eles querem servir ao Estado, que graças a mão visível deles, não pára de crescer.

Mas administradores são uma classe profissional que o Brasil precisa por serem chatos, determinados, insistentes, organizados e constantemente preocupados com redução de custos.

Talvez por isto nossa elite dominante DELIBERADAMENTE os exclua do seu seio.

Corrupção precisa de desorganização, gestores despreparados, dirigentes lenientes e um Estado máximo.

Administradores, ao contrário de engenheiros, advogados e psicólogos estão com sua autoestima lá embaixo.

É por isto que eu de fato exagero um pouco, na vã tentativa de melhorá-la.

A Índia, a China e os Estados Unidos colocam o administrador no topo, o americano o endeusa.

Na China, Deng Xiaoping colocou 3.000 Administradores e Engenheiros de Produção em postos estratégicos em 1986, e hoje temos o país mais socialista e ao mesmo tempo mais eficiente da Terra.

E, que vão literalmente nos arrasar e nós tínhamos tudo para estar na frente. 

Tudo porque insistimos em ignorar a Administração como um aliado do progresso e do desenvolvimento.

Nunca disse que precisamos ter 100% de administradores no poder, mas acho absurdo que vocês advogados, engenheiros e psicólogos aceitaram termos 40% de economistas no poder e 5% de administradores, e eu pelo jeito sou o único a protestar.

Precisamos de fato melhorar o ensino de Administração, ele é ruim pelos mesmos motivos.

Eu, por 30 anos vesti a camisa do Contador Brasileiro e fui um líder desta profissão.

No wikipedia, em inglês, sou considerado um Economista, pelas inúmeras previsões corretas sobre a economia que já fiz.

Sou muito mais citado como Economista do que Contador ou Administrador.

E vejo que nossos administradores no Brasil infelizmente não tem um décimo da influência que deveriam ter, e que de fato tem nos outros países.

Eu não me sinto confortável defendendo estes 2 milhões sozinho. Nada confortável.

Nem preciso mais lutar por um lugar ao sol.

Posso voltar a qualquer momento à minha zona de conforto como Contador e Economista reconhecido.

Não acredito que teremos uma reforma tributária e redução de impostos.

A única saída é um brutal aumento de produtividade das empresas para tornar este peso menos debilitante.

Não acredito na melhoria do ensino deste país.

A única esperança é o ensino continuado conduzido pelas empresas aos seus funcionários, ensino prático e objetivo que acrescenta valor.

Não acredito que as empresas familiares, hoje na terceira geração, terão o talento dos fundadores e a vontade de crescer que tem uma empresa de capital democrático administrada por profissionais.

Não acredito que o Estado seja tão eficiente assim para resolver nossos problemas, não é o que vimos.

Honestamente, me preocupa que vocês não percebam o óbvio.

Estamos mais uma vez perdendo o barco da nossa história.

Eu, pelo menos, estou afundando atirando.

(Lido por 461 pessoas até agora)

55 Comments on A Função do Administrador é Servir o Outro

  1. João, o problema é pior ainda. Nenhum Administrador é Administrador. Nem temos Faculdades de Administração, são todos departamentos de Fac de Economia. Nao fazemos pesquisas em Administração. Até eu parei de estudar Administração porque estamos parados em 1960, nem Administração por Objetivos de Drucker implantamos. Mas se é isto que nossos advogados, engenheiros, sociologos, economistas , jornalistas querem, não iremos fazer guerrilha ala Dilma para implantar nossa ideologia.

  2. Kanitz, o problema é que, a rigor, no Brasil vc não é considerado administrador, por ser um MBA, e não um graduado. Então vc vestiu a camisa de uma classe corporativa que sequer o aceita. Vc defende quem não o vê como um igual.

  3. Sou Engenheiro Eletricista e tenho MBA em Gestão de Empresas. Concordo com o texto, mas também acho que precisamos de mais engenheiros para fazer o país se desenvolver, criar pesquisa, agregar valor à matéria-prima ao invés de vendê-la a preço de banana.
    Precisamos de administradores sérios, sim. Mas o que dizer de um país onde a maior parte das bolsas de estudo públicas vão para advogados?

  4. Luta de classes? Li Marx e não entendi nada?
    Caro carlos
    Sua leitura do texto está tão equivocada quanto sua expressão usada, este não é um discurso de classe, este é um apelo ao brasileiro, uma tentativa de mudar uma cultura ultrapassada que tem se prolongado por um século. Se o senhor não consegue entender esta apelação, e se prende a aspectos emocionais do texto, por favor, releia-o.

  5. Caro kanitz
    Esse discursozinho de luta de classes nao leva a lugar nenhum. O Sr e tão inteligente para cair nesta esparrela corporativista, generalizando tudo e todos, q nao da para entender. Infelizmente a impressão q passa eh de baixa estima, incompatível com seu legado. Ou extrema frustacao, q acho legitima, diante daquilo q assistimos atualmente na sociedade brasileira. Abraço e avante.

  6. Caro Kanitz
    Recentemente escrevi ao Conselho Federal de Administração e questionei-os sobre o fato de que somente Advogados possam representar as pessoas no Jurídico, somente Engenheiros emitem laudos específicos, Farmacêuticos e tais e o nosso glorioso conselho não toma nenhuma atitude com relação aos Administradores e suas funções.
    Me responderam com um caminhão de desvios do assunto e nenhuma atitude de fato.
    Pelo visto o termômetro de Kanitz está muito abaixo de -3 para a categoria. Somente medidas legais poderiam colocar o administrador dentro de seu papel social, mesmo porque as próprias escolas se esquecem de valorizar o profissional devidamente.

  7. A Ponte e a Fila
    A HISTÓRIA DE UM FILHO DA PUTA HONESTO
    A VENDA NA LIVRARIA SARAIVA
    Resumo
    O grau de honestidade, de certa forma, sempre foi tratado como um tabu. A esperança em encontrá-lo de forma satisfatoria nas outras pessoas é o que fazem alguns não enterra-lo dentro de si próprio de uma vez por todas. Ninguém quer ser vitima dos desonestos, mas, às vezes, fazem vitimas para os iguais.
    Autor
    Sufi, Sergio
    MAIS IMAGENS

    Detalhes
    Em nossa contemporaneidade, mas no passado distante, Laura Santos, uma órfã abandonada no portão de um convento, ainda bebê recém-nascido, foi encontrada pela irmã Sofia, uma freira, que com a ajuda de outras irmãs a criou e a educou dentro dos princípios cristãos. Aos seus dezessete anos, em uma investida de caridade, Laura conheceu Rebeca, uma drogada, interna em um hospício. Laura, em sua ingenuidade, achou ter encontrado uma amiga, porém, Rebeca a desvirtuou dos caminhos e das práticas cristã, levando-a a prostituição. Já pós-Balzaquiana, e conhecendo os dois lados da vida, resolve dar um sentido à sua existência, concebendo um filho e ensinando-o, na sua concepção, o lado mais compensador da vida, pela sua experiência. O certo é que o menino foi aprimorado e se tornou o filho de uma puta honesto! Mas, mesmo na fase adulta, seus empreendimentos eram escassos. Formado em história, vivia conspirando contra a própria história da humanidade; sempre reinventava interpretações, que embora lógicas, não tinha como prová-las. Nos fatos históricos, que podiam ser temperados com profecias, para cada acontecimento, como marco na humanidade, criava hipóteses em forma de teorias, que ele norteava como certa, ainda mais quando essas podiam ser recheadas de algo divino, nestes acontecimentos. Quando perde a mãe por uma doença terrível, desenvolve em si um estado de inércia que nada parecia ter a menor importância. Assim, algo extremamente cotidiano o desperta para vida. Então, resolve ser um político, como forma de ocupar-se e trazer um novo sentido para a sua existência. E daí? Um filho duma puta honesto ele conseguiu ser! E agora como político! Será que ele conseguirá ser um político honesto? Esta é a historia de A Ponte e a Fila!
    Informação Adicional
    A VENDA NA SARAIVA
    Autor Sufi, Sergio
    ISBN 978-85-7923-251-0
    Páginas 243
    Formato

  8. Meu caro Mrs. Kanitz, concordo plenamente com vossa pessoa, no entanto prefiro acreditar e ter esperança que esse país possa acordar sobre o que você prega há muito tempo.Sou estudante de administração na UESC(Universidade Estadual de Santa Cruz),no interior da Bahia,lá temos alguns professores que acreditam muito nesta sua tese, de que o país precisa de administradores à frente do Brasil. Devo acrescentar que decidir pra valer esse curso quando lí um artigo seu na revista Veja, falano seobre Respeipo, um artigo bastant humano e direto para aqueles que acreditam nas pessoas, no seu trabalho e no progresso.
    Um abraço!
    Evaldo.

  9. Ainda é “a profissão do futuro”, as empresas que mais cresceram nos últimos 10 anos foram todas fundadas por gente que de uma forma ou outra já estiveram em uma aula de ciência da computação ou pelo menos entendem disso, dado que não existe um conselho profissional qualquer um pode ir lá e fundar ou dirigir uma empresa, vide Google, Facebook, Apple e outras tantas que hoje contam com bilhões de dólares em caixa ou foram vendidas por um bom dinheirinho, enquanto o Brasil é um país de advogados e economistas no poder… e nenhuma dessas empresas começou exatamente aqui.

  10. Kanitz ,
    Como Engenheiro e Economista mas trabalhando como administrador no momento , tenho que entender e aceitar sua colocação , ainda que algumas reservas. Os cursos de administração do Brasil são tão fracos e superficiais que acabaram criando uma nova máquina de fazer dinheiro que são os MBAs de gestão que nada mais fazem do que completar a carga de conhecimento ou informação que não mais se adquire nos cursos de graduação.
    Quanto aos engenheiros entendo que o cartesianismo exacerbado por vezes complica e nã ajuda mas na solução de problemas entendo que deveriam sim ter mais assento nos governos , não com o senso dos CREAS e sindicatos mas sim dos engenheiros com prática nas empresas . Alguns deles se deram bem na política sem macular a profissão entre eles o Figueiredo Ferraz.
    Quanto as colegas advogados tenho uma restrição que aprendi com eles : a maioria do congresso é formada em direito , logo a nossa formação de leis no país é um enorme conflito de interesses . Quem faz as leis é quem depois as utiliza profissionalmente seja na acusação ou seja na defesa .
    Abraços
    Marcos

  11. Com certeza, já passei por varias empresas a carência é grande imagine nas maiores esferas!!! Hojes temos uma leva de engenheiros na áreas de logistica, produção e projetos com certeza eles são eficiêntes e metoditos, mais organizar, planejar, agir e controlar e entender as pessoas esse é o papel do administrador!!!

  12. Receba meu apoio ao seu ponto de vista. Entendo o viés excessivo como uma posição contra uma tendência perniciosa.

  13. Kanitz,na década de 1980 um rapaz chamado Ronald Dworkin publicou dois livros importantes na área do Direito:”Levando os Direitos a sério” e “o império do direito”.Bem, os dois livros tocavam em um ponto essencial:as pessoas deveriam para de zombar dos juízes advogados,promotores.Eles não fazem apenas retórica ou são pessoas simplórias ou mentirosos bem intencionados,mas exercem na democracia uma função primordial.Os livros de Dworkin foram os primeiros a bater de frente com aqueles que criticavam o direito e não levam a profissão a sério.Dworkin argumentava do começo ao fim mostrando que direito não é uma brincadeira de intelectuais bacherelescos,mas é uma atividade que evolui diariamente exigindo preparo e inteligência para os que exercem a profissão na área.
    Kanitz,eu citei esse livro por que eu acho que falta um livro no mercado de leitura fácil que mostra que os administradores são sim importantes.Eles são um exemplo de eficiência,organização.E ,mais do que isso, recebem um preparo para tal.Já está na hora de um livro que diga para as pessoas comuns que sem administradore as empresas podem ir a falência,os o governo não consegue gerir suas despesas…É preciso que isso seja dito com todas as letras.E ensinado para as pessoas.
    EM outras palavras eu sugeriria a Stephen Kanitz que escrevesse um livro com o seguinte título:”levando a administração a sério”

  14. Olá!
    Sou professor de Educação Física e entendo que no Brasil, antes de bons políticos, precisamos de bons administradores.
    Realizei um concurso público e fui assumir minha vaga nesta semana. O horário do exame admissional, publicado no diário oficial, não condizia com os horários corretos de cada unidade médica. No segundo dia, onde consegui fazer o exame, nem mesmo médico do trabalho havia, e depois de três horas de espera, conseguimos realizá-lo com um clínico geral.
    Os funcionários da prefeitura não sabiam dar informações corretas sobre o concurso e foi mesmo difícil conseguir quem ajudasse os candidatos a se localizar. Parece que os organizadores do concurso não querem que os classificados assumam as vagas, pois dificultaram bastante coisas simples.
    Isto é uma bagunça. Bagunça por falta de organização e planejamento. E a boa organização é o resultado do trabalho do bom administrador. Nossa vida seria mais facilitada se tivéssemos melhores administradores, em cargos que muitas vezes são distribuídos politicamente a pessoas não preparadas para a função.
    No meu trabalho com a Educação Física na escola, onde eu posso eu incluo conceitos do PDCA. Trago os alunos para a organização de eventos intraturma (planejamento e ação), e utilizo escaltes esportivos e gráficos para os levar a ler as informações, avaliar as situações e tomar as medidas necessárias.
    Porém, não é suficiente. Num país onde o setor responsável pela educação e formação de cidadãos não os leva a conhecer suas milhares ou milhões de leis, onde se chega aos 16 anos e se vota sem mesmo ter aprendido o que é e o que faz um vereador, estudos como o de administração são até mais importantes do que aprender a achar as duas raízes de uma equação de segundo grau ou a identificar os adjuntos nominais e agentes da passiva de uma frase isolada do mundo real.
    Dogmaticamente, estas disciplinas chegam a ocupar quatro a seis tempos semanais no currículo escolar do ensino médio.
    Kanitz, não desista!

  15. Saiu na The Economist online e gostaria de saber sua opiniao
    Public opinion on capitalism
    Market troubles
    Apr 6th 2011, 15:25 by The Economist online
    Which countries are most in favour of the free market?
    FAITH in the free market is at a low in the world’s biggest free-market economy. In 2010, 59% of Americans asked by GlobeScan, a polling firm, agreed “strongly” or “somewhat” that the free market was the best system for the world’s future. This has fallen sharply from 80% when the question was first asked in 2002. And among poorer Americans under $20,000, faith in capitalism fell from 76% to 44% in just one year. Of the 25 countries polled, support for the free market is now greatest in Germany, just ahead of Brazil and communist China, both of which have seen strong growth in recent years. Indians are less enthusiastic despite recent gains in growth. Italy shows a surprising fondness for markets for a place that is uncompetitive in many sectors. In France under a third of people believe that the free market is the best option, down from 42% in 2002.

  16. Public opinion on capitalism
    Market troubles
    Apr 6th 2011, 15:25 by The Economist online
    Which countries are most in favour of the free market?
    FAITH in the free market is at a low in the world’s biggest free-market economy. In 2010, 59% of Americans asked by GlobeScan, a polling firm, agreed “strongly” or “somewhat” that the free market was the best system for the world’s future. This has fallen sharply from 80% when the question was first asked in 2002. And among poorer Americans under $20,000, faith in capitalism fell from 76% to 44% in just one year. Of the 25 countries polled, support for the free market is now greatest in Germany, just ahead of Brazil and communist China, both of which have seen strong growth in recent years. Indians are less enthusiastic despite recent gains in growth. Italy shows a surprising fondness for markets for a place that is uncompetitive in many sectors. In France under a third of people believe that the free market is the best option, down from 42% in 2002.

  17. Estou na 3a faculdade, e sempre desconfiei desses discursos corporativistas de professores, que julgam que suas profissões são as melhores. Economistas não são piores do que administradores e vice-versa. Posso afirmar também que nem todos os economistas querem servir ao Estado, há muitos deles (e eu me incluo) que defendem redução e choque de modernização do Estado. O problema é que esses nunca são chamados pelos políticos, por razões óbvias. Ou o senhor consegue imaginar o Nakano de Ministro da Fazenda? Da mesma forma que um economista foi responsável por inflação de 8000% a.a. no país, tivemos aqueles economistas que a debelaram com o Plano Real. Ao generalizar, o senhor comete o equívoco de subestimar capacidades e aptidões inerentes a cada pessoa. Há empresários de ponta que sequer são formados. Há empresários melhores economistas do que os acadêmicos doutores. Mas concordo com o senhor: o ensino no país é ruim, tanto para administradores quanto economistas. Acredito que não apenas a qualidade dos docentes, mas também a própria falta de tempo dispendido nos estudos interfere. Enquanto universitários tiverem que trabalhar para poder pagar os estudos, ficará difícil de exigir profissionais qualificados…e o pior: aqueles que podem apenas estudar entram no mercado de trabalho em desvantagem, porque não têm experiência. Por fim, gostaria de dizer que sinto muito a falta do senhor e dos seus artigos na Veja, e mesmo sendo acadêmico de economia, o senhor é melhor articulista do que aquele que o substituiu. Abraços!

  18. Parabéns, sr. Kanitz.
    Me identifiquei muito com seu texto. O senhor descreveu muito bem o que venho dizendo a colegas que têm o costume de ignorar e tratar Administração apenas como um mero curso técnico, e não uma ciência.
    Fico indignado em saber que há projetos de leis que pretendem deixar meu curso ainda mais obsoleto, permitindo que profissionais que possuem cargos de administradores, passem a ser considerados ‘administradores’, mesmo sem ter tido qualquer estudo sobre tal ciência.
    Assim como o sr. Elisio Miranda, também sou estudante do curso de administração da Universidade Federal de Goiás, e ficaria honrado em atender uma palestra do senhor aqui, onde nosso curso foi eleito 4º melhor de Goiás pelo MEC, mostrando o potencial dos administradores de nosso estado

  19. Parabéns sr. Kanitz. Realmente é contagiante ler seus artigos, de uma pessoa bem instruida e que realmente enxerga a realidade de uma forma que poucos vêem. Espero que um dia o senhor possa dar uma palestra no curso de Administração da Universidade Federal de Goiás, e (quem sabe) possa lecionar em nossa faculdade, onde seria muito bem vindo! Que seus artigos continuem a nos motivar. Obrigado!

  20. Kanitz,
    Concordo com todas os pontos de seu discurso.
    Sou récem formado em economia e gostaria de continuar meu processo de aprendizado. No momento não tenho como opção um curso no exterior, gostaria de lhe perguntar qual as melhores opções que eu poderia escolher no Brasil? Há algo que na sua opinião seja recomendável?
    Penso em um mestrado na USP em Administração ou Contabilidade.
    Aguardo um retorno. Acredito que sua opinião será muito importante para minha decisão até por sua experiência, conhecimento e qualidade como profissional.
    Obrigado,
    Carlos

  21. Caro Prof. Kanitz!
    Sou advogado, mas minha primeira formação foi de contador. Acredito que, de minhas falhas em formação, foi não ter feito um curso de Administração, não obstante viver cercado de “conceitos” e “prática” de um administrador. No exercício de minha profissão nunca me afasto destes conhecimentos e preciso aprimorá-los (o contador e adm) ainda muito mais, se pretendo fazer alguma diferença como um profissional bem sucedido.
    E, por favor, seu conhecimento (seja como administrador e/ou economista) ainda é um alento nesta seara estatista que vivemos. Continue a alimentar nossa fé e esperança em dias melhores.
    Gde. abraço.

  22. Ao contrário do que uma leitura superficial possa mostrar, eu não me ofendi. Ao contrário, senti-me bastante lisonjeado. Sou um administrador. Minhas dúvidas dizem respeito à inocerência do autor.
    Também não defendo as ações do governo do PT. Ao contrário, sempre votei no Serra.
    Kanitz tem razão quando fala da educação no Brasil. Muita gente não sabe mesmo nem ler direito.

  23. Bem, como leitor do blog de longa data, eu responderia assim às suas perguntas:
    1 – Porque ele não fez rixinha contra economistas e engenheiros, ele atacou os economistas e engenheiros que, em posição de administradores (seja de empresas, seja do país) fizeram grandes cagadas e continuaram tendo grande exposição na mídia. Até hoje ele ataca a economistas que criam políticas que prejudica o país, isso é bem diferente de atacar a TODOS os economistas.
    2 – Porque, diferente do que muita gente pensa, ele não elogiou o governo Lula, ele elogiou ALGUMAS AÇÕES ESPECÍFICAS do governo Lula. Várias vezes ele disse em seu blog que tanto Dilma quanto Serra possuiam características que indicavam que ambos fariam um bom governo, no entanto, a Dilma começou mal… Quem leu o blog com freqüência, viu o Kanitz criticar várias ações do governo Lula também, e viu ele criticar – ainda antes das eleições – algumas estratégias de campanha.
    Um dos problemas do brasileiro é levar pro lado pessoal (e “o pessoal” não é necessariamente dirigido a quem recebe a mensagem) o que é pra ação. Assim, se apropriam do elogio de boas ações e de críticas às ruins, e, ao invés de direcionar suas ações pro lado positivo, inflam o próprio ego ou se ofendem com o que deveria ser um indicador de como melhorar…

  24. O problema é que esse Estado ineficiente e enorme, hostil à iniciativa privada, é o Estado que o povo quer. Não importa que a Petrobrás ou a Vale deêm mais retorno à sociedade se privadas; isso fere o orgulho das pessoas: o importante nem é tanto o que o governo vai “perder”, porque ninguém ganha nada com o fato de a Petrobrás ser estatal (tirando uma gasolina caríssima), mas sim o que a iniciativa privada vai ganhar. O insucesso alheio é mais importante que o sucesso pessoal.
    E não há nada que fazer, pois esta é a cultura do Brasil e não vai mudar.

  25. Certamente, devemos valorizar muito mais nossos administradores. A falta de administradores de verdade, sérios, competentes é sim, em boa parte, responsável pelo atraso de nosso país.
    Entretanto, minha dúvida com este artigo é perguntar por que um intelectual como Kanitz, resolveu partir para o ataque contra economistas e engenheiros? Todos sabemos que essa briguinha é coisa de calouros em qualquer universidade.
    Mais: por que um homem que por tantas vezes elogiou o governo Lula, a própria Dilma e seu governo, agora se diz desiludido com os rumos que o nosso país está tomando? Por que Kanitz, você agora diz abertamente que os integrantes do governo Dilma são incompetentes para fazer o que precisa ser feito?

  26. Bender, “servir o outro” e “gerar bem estar social”, ou melhor, “bem estar econômico” (que é diferente do social) são coisas bem diferentes. O bem da coletividade não é necessariamente o bem das pessoas. Reflita sobre isso.
    Em tempo, concordo que as graduações em administração do Brasil estão deixando MUITO a desejar no grau de exigência para com seus alunos. Infelizmente dos 2.000.000 de administradores que o nosso país tem, talvez menos de 50% façam jus a tudo o que o Kanitz fala e defende sobre a categoria, mas profissionais ruins e despresparados existem em todas as profissões.
    O que posso dizer é que das 3 graduações que fiz (Engenharia Eletrônica, Ciência da Computação e Administração, todas em universidades federais), a última foi a única que me deu alguma condição de gerenciar alguma coisa. Por isso apoio as defesas do Kanitz e dou razão a ele. Infelizmente falta união à própria categoria.
    Não acho que falte ensino de Finanças, Estatística, Micro e Macroeconomia aos administradores, falta exigência mais profunda de conhecimentos de todas as matérias, não apenas essas.

  27. Já vi que a maioria sabe bem pouco sobre a China, restringindo-se ao “conhecimento” disponível na mídia massificada.
    A despeito disso, sou Administradora, meu chefe é engenheiro, a empresa é um banco e ele, com certeza, acha que eu sou chata, determinada, insistente, organizada e constantemente preocupada com redução de custos, o que para ele é um claro stress pois não tem a menor intenção de confrontar o status quo que o promoveu.
    Parabéns por ter sáido da VEJA. Eu não saberia, pois não a leio.

  28. Prezado Prof. e prezados internautas,
    primeiramente parabéns pelos artigos. Preciso dizer que é melhor lê-lo na internet, no formato de blog, do que aguardar suas colunas em alguma revista. Os modelos impressos estão ficando muito ultrapassados.
    Já vi administrador dando uma de engenheiro e contador emitindo parecer jurídico… Só para ilustrar que não é apenas a função de administrador que é usurpada… E balconista de farmácia fazendo as vezes de médico? Quem não já viu? Ainda que profissionais de áreas diferentes em algumas situações consigam bons resultados em suas organizações, não é o caminho mais apropriado.
    Outro ponto que quero abordar é quando dizem que há cursos de administração fáceis. Ora, conheço também fracos cursos em muitas outras áreas, inclusive medicina. Observem os rankings do MEC (tem curso ruim para todo gosto). Isto não é argumento para sugerir, ainda que implicitamente, que os profissionais administradores não estão capacitados ou que a profissão não é imprescindível, etc. Cada um que estude e faça a sua parte.
    O nosso povo só valoriza quem atua junto ao poder. As profissões de polícia, professor e área de saúde, apesar de fundamentais para todos, não são vistas, na prática, pela sociedade como importantes. Por outro lado, a área jurídica e de economia sabem muito bem ocupar seu espaço (fazem a parte deles, não critico).
    Se as empresas são formadas de diferentes e múltiplas áreas de conhecimento, quem deve administrá-las? Respondo: aqueles que se prepararam para administrar pessoas, recursos materiais e financeiros. Fazer diferente é plantar limão esperando colher laranja.

  29. Olhar a trajetória é mias importante. PIB é importante sim, como o IDH. Por que esse três países estão na lupa do mundo, ao invés dos grandes Reino Unido, França, Portugal, Espanha entre outros? O potencial dos Bric’s é maior!
    Quanto a China e Índia, em termos de IDH eles estão bem atrás, mas estão chegando rápido. E nós?

  30. Fazia algum tempo que não comentava seus artigos caro Prof. e é com muita tristeza que soube de sua “substituição” na Veja. O que falta neste País, em minha opinião, é competência para que cada grupo de profissionais legalmente habilitados exerçam sua profissão com destaque, profissonalismo e excelencia. Estudei em escolas públicas e não tive formação superior em uma faculdade/universidade de referencia, mas sempre fui um dos melhores nas atividades profissionais que desenvolvi. Ser reconhecido gera ciúmes. Realmente acredito no auto-didata, mas não existe profissional, no sentido “estricto”, sem competência e excelencia. Desculpe a minha ignorancia corporativa, mas como advogado por formação e agro-empresário por opção, hj com 50 anos, fiquei pasmo quando na ultima edição da revista Info, soube da criação do cargo de diretor de “inovação” nas empresas e que Lady Gaga o ocupava na Polaroid e Will.i.am (Black Eyed Peas) na Intel. Claro que entendemos as estratégias de marketing, mas o mundo parece que esta “emburrecendo” com a aceitação deste tipo de modismo empresarial. Creio que cada profissão tem o seu valor e confesso que não vejo os advogados com a auto-estima “alta” porque existem tantos advogados incompetentes. Peço desculpas até à meus amigos pessoais, mas hj não tenho coragem de indicar nem borracheiro para não ficar co-responsável. O que aconteceu conosco? Onde foi parar a competência e o esforço pessoal? Volto a defender que a classe de administradores deveria transformar em Lei (se ainda não fez) seu estatuto e assim como médicos e advogados ter sua função definida e exclusiva. No mais, não perca o otimismo, continue firme, porque, como vc deve saber melhor que eu, a vida é para ser vivida um dia de cada vez e a excelencia é uma prática diária.

  31. Não é bem assim. A China está a caminho de diminuir a pobreza bem antes do Brasil, mesmo tendo muito mais habitantes do que o Brasil.
    Lá a vontade política de melhorar o país é muito maior do que a aqui, se é que aqui há vontade política de mudar o país.

  32. Cara, já não acredito mais em revolução silenciosa. Revolução tem que fazer barulho, e muito. Todos os brasileiros teriam que sair nas ruas exigindo eficiência do governo. Sem fazermos barulho não vamos chegar a lugar algum.
    Difícil é convencer as pessoas a fazerem barulho.

  33. “Desde escutar um pai de um colega ao dizer a ele que era melhor ele ir fazer datilografia (em 2005) do que ADM. No mais desculpa por minha euforia.”
    Essa doeu até em mim que não sou administrador (mas reconheço a enorme importância dos administradores).

  34. Kanitz,
    Jornalista sem diploma, Administradores idem! Daqui há pouco mestres de Obras assumirão o posto de Engenheiros, e por aí a fora. Basta dizer que o Presidente da República, que “teoricamente” seria o Administrado- Mor, tb não possuia formação alguma… Sem comentários!!! Concordo inteiramente com as suas colocações Kanitz. Parabéns pelo Brilhante Artigo, um dos melhores que li nos últimos tempos.

  35. Kanitz, ao menos voce conseguiu mexer com esse grupo de pessoas pseudointelectuais que acompanham diariamente o seu blog. No inicio da década de 1990, assisti uma palestra sua tratando desse tema. Desde então, venho acompanhando empresas e grupos que se especializaram com administradores no comando, ou mesmo com engenheiros e advogados e até professores de história que foram atras de um MBA de administração. E a maioria dessas empresas e pessoas, se sairam muito bem.
    Ainda encontramos engenheiros e advogados, principalmente, dizendo que o curso de administração não serve para nada. Esses são aqueles profissionais que tem visão mediocre. Muito embora, a pouca importância para com o administrador, fez de fato surgir um tanto de cursos ruins com professores piores. Contudo, estamos vendo surgir muitos cursos superiores de direito, engenharia, etc, também muito ruins. Também, não estou acreditando mais na melhoria do ensino. Aliás, maldita a hora que o Cristovão Buarque juntou tudo e chamou apenas de educação. Perdemos a chance de melhorar ao menos o ensino.
    Eu particularmente, de sua palestra la no inicio dos anos noventa, penso que a era do administrador está ficando cada vez mais para tras. Logo, teremos que importar bons administradores da China. Aliás, para os “entendidos” que aqui falaram de metade da população chinesa passando fome, recomendo: Visitem a China. Saiam de sua pequena escrivaninha. Não acreditem nessa verdade. Ela não existe.

  36. Caro professor, curiosamente, hoje mesmo pela manhã eu pensava algo parecido com o teu artigo, porém, em uma linha paralela, tendando entender por que os meus colegas médicos tem tido tanta dificuladade de entender o valor do trabalho coletivo, do compartilhamento de decisões, e mesmo na absoluta necessidade de encarar o dia-a-dia como aprendizado constante. Conceitos administrativos aplicados à prática médica diária, tanto em um pronto-socorro como em uma unidade básica de saúde poderiam revolucionar a saúde do país. Entretanto, parece haver uma verdadeira resistência ao pensar, ao elaborar, ao questionar, e especialmente ao ENFRENTAR os problemas. Este penso ser nossa grande deficiência nacional, a falta de disposição ao enfrentamento dos problemas, e daí, a preguiça crônica de diagnosticá-los. Por trás de tudo isso, sem dúvida, a cultura do conservadorismo, ainda tão presente em nosso meio, esgueirando-se por entre os espaços cada vez mais complexos. No fundo, há uma verdadeira “política antiadministrativista”. Por outro lado, sob o pretexto administrativista, criam-se monstrengos jurídicos e institucionais que apenas fazem tornar os processos menos transparentes. Grande abraço e obrigado por mais este brilhante texto.

  37. “Já mostrei que a função do Administrador é servir o outro, afirmação que nunca ouvi economista conclamar.”
    Prof.,
    no 1º período da Faculdade de Economia a gente aprende que a função do economista é gerar bem estar social. Isso é mais que servir o outro, é mais que conclamado. Pode perguntar a qualquer calouro.
    Na minha época de vestibular a onda era fazer Informática. A outrora “profissão do futuro” nem tem mais essa alcunha. Hoje é Ciência da Computação. Não existe nem um Conselho do profissional de Informática. Ainda bem que não fui surfei essa.
    Estudei Economia em Universidade Federal e nos créditos eletivos fiz algumas matérias na ADM. Fiquei espantado com a imaturidade e desprendimento dos estudantes de ADM. Nas 5 cadeiras que lá cursei não fiz nenhuma prova. Sempre trabalhinho e conversinha com os professores. Os CRs (coeficiente de rendimento) de lá era em média 9. O nosso na Economia era 5.
    Outra medida que pode-se verificar são as notas nos concursos para a Especialização de ambas. Quando fiz ANPEC para ingressar no Mestrado em Economia verifiquei que as notas eram muito menores que as notas da ANPAD. Colegas meus inclusive foram fazer o Mestrado em ADM “por ser mais fácil”.
    Portanto, acho que uma reforma no currículo do curso de ADM faz-se necessária. Os estudantes precisam ter mais aulas de Finanças, Estatística, Macro e Microeconomia. E, principalmente, serem cobrados por resultados.

  38. Parabéns pela coragem em assumir suas convicções lúcidas e não apaixonadas, como tendem a fazer uma massa que acredita pensar grande. Realmente o conhecimento está disponível a todos e com dedicação é possível aprender sobre uma área que não fez parte de sua formação, mas o foco não é esse. Essas defesas apaixonadas não permitiriam que um administrador que tenha lido todos os livros de psicologia ocupasse cargos de recrutamente e seleção, nem que contadores assumissem a gerência de relacionamento com o cliente. As ferramentas são uma boa ilustração para minha idéia: tente apertar um parafuso philips(aquele que parece uma estrela) com uma faca de cozinha…pode até funcionar, mas dá um trabalho enorme e não temos a certeza de que ficou plenamente resolvido. Quando Kanitz chama a atenção de que o administrador deve servir o outro, creio que é esta a lição que precisamos viver, mas não somente os administradores. Com certeza temos médicos neste país que são excelentes administradores, mas temos muitos também, que não conseguem administrar nem o próprio consultório. Defesas de classes profissionais só servem pra mostrar quem é mais imaturo.
    Leslie Carlos Lima

  39. Professor,
    Antes de mais nada, parabenizo sua insistência em defender seu ponto de vista e, também, a abertura em seu campo de visão, que o está levando à “perda do otimismo”.
    Concordo com suas colocações mas gostaria de lembrar que, para poder solucionar problemas devemos vê-los de um ponto de vista integrado com a realidade. É preciso enxergar a floresta, não apenas uma das árvores.
    Administradores são, realmente, muito importantes. Fazem falta na maioria das organizações aqui no Brasil (não sei nos outros países…). No entanto, esse não me parece o único e exclusivo problema que temos no país.
    Aqui não temos bons políticos, engenheiros, advogados, juízes, policiais, médicos, professores, operários, jardineiros, etc., etc., etc., em número suficiente e em posições nas quais poderiam fazer o que de melhor fariam.
    Lembram do que disse nosso “Rei”? “O povo não sabe votar”.
    O problema não é só o voto… O problema é a miopia de quem só enxerga a realidade até um palmo adiante do nariz (ou da pélvis, para os íntimos).
    Como povo, não temos Justiça, Ensino, Orgulho e nem VERGONHA.
    Não temos encanadores, mas “enganadores”. Se lembra da última vez em que um “profissional”, ao entregar o “serviço” lhe disse “Aí está. Fui eu quem fiz!”, ao invés de “E aí, doutor… dá para passar?”
    Vivemos no país da “gambiarra” e do mínimo “para passar”. Estamos mais preocupados com o “paredón” do BBB do que com o perdão do “mensalão”.
    Agora sobre administradores… Eles fazem parte dessa mesma cultura e são seres humanos. Portanto, não estão imunes às mesmas influências culturais.
    Eles também criam as dificuldades para obter facilidades, economizam para obter contratos, mesmo em prejuízo da qualidade do “produto”. Por causa dêles também se constroem edifícios que caem, asfalto que esburaca e linhas de transmissão que causam “apagões”.
    Administração é uma ciência, mas sua aplicação precisa de visão, honestidade e vergonha.
    Com sua competência e vivência, acho que consegue perceber que seu otimismo ainda tem muito para “cair”.
    Em tempo… Gostaria que a Veja, novamente, nos trouxesse sua coluna.

  40. Caro Kanitz.
    há alguem interessa esse status quo !!!! e vou mais longe: precisamos de um choque de BRASILIDADE.

  41. Parabéns ! Como engenheiro formado há mais de 30 anos – e ainda atuante (hoje como autônomo) – nas empresas em que trabalhei senti muita falta dos bons administradores.

  42. Em tamanho de PIB, Noruega, Suécia, Dinamarca, Canadá, Holanda, Bélgica estão todos muito atrás. Pergunte para qualquer cidadão de qualquer um destes países se trocariam suas sociedades pela sociedade chinesa. Aferir sucesso pelo tamanho do PIB só é aceitável para quem só enxerga números, que é o que a grande maioria dos administradores faz.

  43. Caro Daniel, creio que devemos perdoar sua falta de visão entre o que é retrospectivo e prospectivo. Não olhe apenas a posição atual, mas a posição futura destes países. Ninguém daria um tostão pela Coréia de 1956, e olhe quanto ela vale hoje. Observe um país de maneira sistêmica e não pontual. Creio que Kanitz está lançando um alerta. Espero que as escolas de administração repassem aos alunos e discutam intensamente este tema. Creio que Peter Drucker do céu está sorrindo para Kanitz. Penso que voce deva ter um cargo público, não? Kanitz é assim, a gente ama e odeia, mas um mestre a gente sempre ouve.

  44. Caro Daniel, creio que devemos perdoar sua falta de visão entre o que é retrospectivo e prospectivo. Não olhe apenas a posição atual, mas a posição futura destes países. Ninguém daria um tostão pela Coréia de 1956, e olhe quanto ela vale hoje. Observe um país de maneira sistêmica e não pontual. Creio que Kanitz está lançando um alerta. Espero que as escolas de administração repassem aos alunos e discutam intensamente este tema. Creio que Peter Drucker do céu está sorrindo para Kanitz. Penso que voce deva ter um cargo público, não? Kanitz é assim, a gente ama e odeia, mas um mestre a gente sempre ouve.

  45. Parabens pela sua abordagem Kanitz:
    Cada profissional deveria se especializar e atuar na profissão para qual teve formação.
    Eu não gostaria de ser operado por um contador mas sim por um médico experiente.

  46. Crescimento sustentável?! Nós não podemos produzir um pouco mais que nossos portos, estradas e afins não dão contam de suportar. Dá um pulo no centro-oeste do Brasil e veja a calimidade das estradas e armazéns. A dificuldade de conseguir que um caminhoneiro carregue sua carga para ficar dias numa fila para descarregar… isso é sustentável?! 7,5% foi grande porque calculamos em cima de 0% do ano anterior!

  47. Parabens Kanitz. Já li em outros artigos a tua preocupação com a profissão de Administrador e compartilho com tua preocupação. Todas as profissões tem os seus desafios e a sua importância, e portanto devem ser respeitadas. No Brasil, infelizmente as pessoas muitas vezes não descobriram a sua verdadeira vocação e depois de formado observam tantos problemas na sociedade que querem ajudar a resolvê-los.
    Entendo que se cada um de fato descobrir a sua vocação e por ela lutar com persistência e perseverança tudo pode acontecer, inclusive tirar este País do atraso que do qual entramos e nunca saimos e para piorar sempre nos prometem que tudo está melhorando, justamente por não ter as pessoas certas nos lugares certos.
    Abraço e não desanime, recomendo aos seus leitores independente da profissão estudarem a Escola Austriaca de economia, que por acaso ou ideologia, no curso de Administração pouco ou nada se estuda. Tenho certeza que terão mais clareza da real situação de nosso querido Brasil.

  48. Kanitz, Também acho que Índia e China se resolveram melhor agregando valor ao crescimento econômico que hoje experimentam. No Brasil, embora achando que ainda temos pouca determinação nesse sentido, acredito que a interação das áreas de conhecimento é absolutamente inexorável para a criação e sustentação do nosso próprio crescimento de longo prazo. Abraços e não desanime

  49. Muito bom artigo, Kanitz. Gosto muito de você por defender os administradores, e ao contrário do que dizem os outros profissionais, você não coloca o administrador como o salvador da pátria, e sim está na luta para que tenhamos o nosso lugar, como tem os outros profissionais. E o Brasil ja era pra ter aberto o olho para nós profissionais da administração, os países que fizeram isso alavancaram os negócios. Administrar é tarefa de quem estuda pra isso, tarefa de quem passa 5 anos numa faculdade treinando, estudando e praticando a arte de administrar. Podem falar que nós não fazemos a diferença, mas antes de nos criticar, nos dê uma chance, com isso mostraremos o nosso potencial. Abre o olho Brasil.

  50. Vamos ver o ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO que, no final, é o que mais conta. É a qualidade de vida de cada país:
    IDH DO BRASIL – 0,699 – Posição 73 – ALTO
    IDH DA CHINA – 0,663 – posição 89 – MÉDIO
    IDH DA ÍNDIA – 0,519 – Posição 119 – MÉDIO
    Como assim a China e a Índia ultrapassaram o Brasil?
    Não acredito que você pense que PIB grande é sinônimo de qualidade de vida.
    Pior que nem em tamanho de PIB a Índia é maior que o Brasil.
    Suas fontes estão gravemente equivocadas.
    E como assim estamos perdendo o barco da história? O Brasil cresceu 7,5% em 2010 e tem tudo pra entrar numa rota de crescimento sustentável nesta década que se inicia. A presidenta já mostrou que com ela não tem moleza.
    Você de fato se tornou um blogueiro profissional. pensa que todos estão errados e só você está certo.
    Continue assim que continuará sozinho.

  51. Sempre que você fala que está “lentamente perdendo o seu otimismo com o futuro deste país”, você está me decepcionando cada vez mais.
    Você me impressionava pelo seu otimismo-realismo (um otimismo comprovado em fatos). Agora, você está lentamente me deixando pessimista com relação a você mesmo.
    Um país nunca vai pra frente à base do pessimismo.
    Eu, Daniel Gomes, com meus 26 anos, vou escolher outros otimistas-realistas para seguir e continuar acreditando firmemente no desenvolvimento deste país.
    Obrigado por tudo.

  52. China é aquele país super eficiente onde metade da população passa fome e o outro se sustebta em trabalhos semi-escravos??? Use qq outro país como exemplo, mas a China só serve como exemplo de capitalismo selvagem da pior espécie. Se você falasse Alemanha, França, RU ou Japão, eu concordaria, mas China, não.

  53. Administrar é para Administradores. Assim como a docência é para docentes/professores, não para quem não tem noção didática/pedagógica. Da mesma forma como o laudo psicológico resta a pessoas formadas na área.
    Profissionalismo é a chave e a porta está na nossa frente. Que futuro queremos? Ficar no “jeitinho” e no “quebra-galho” até quando?

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14