Livro Família Acima de Tudo

Os pais precisam ouvir o que os filhos dizem e guiar suas ações por eles.

Infelizmente meu livro sobre família está crescendo lentamente. As vendas estão seguindo a trilha do “boca a boca”, porque teve poucos comentários e pedidos para entrevista.

Pelo Twitter vejo que quem leu o livro gostou, mas isto não foi suficiente para atrair os críticos e os entrevistadores.

Tenho uma teoria sobre isto. Muitos dos famosos entrevistadores são separados, e provavelmente  ficaram preocupados com alguma saia justa que eu poderia colocá-los. Recebi várias críticas de que fui duro demais com os separados. Na realidade queria assustar os em via de.

O único que me entrevistou foi o Ronnie Von, também autor de um livro de família, “Mãe de Gravata”, a vida dele. Por isto estou circulando uma das resenhas que achei pelo Twitter, para ver se aumento o boca a boca do meu livro. Aceito sugestões.

Stephen Kanitz fala sobre a importância da família em lançamento de livro

imagem

O consultor empresarial e idealizador do Prêmio Bem Eficiente, concedido como reconhecimento à Responsabilidade Social de organizações brasileiras, Stephen Kanitz, lança seu olhar sobre os papéis dos pais na sociedade em “Família Acima de Tudo”, que acaba de chegar às livrarias pela Thomas Nelson Brasil.

A tese central do livro defende que a família é a base da civilização. “Está provado que o que nos tornou humanos foi a transição da poligamia para a monogamia, e a constituição da família”, explica. A partir desta ideia, Kanitz desenvolve um verdadeiro manual que traz dicas de educação, convivência e até de economia familiar.

Em sua obra, Kanitz faz uma releitura da teoria criacionista, dizendo que o livro de Gênesis não descreve o início do mundo 10 mil anos atrás, mas o início da sociedade fraterna e solidária, baseada na
agricultura, o início da civilização moderna. “Para um livro que trata da moral e da ética – e não da geologia – o início que interessa é o começo da sociedade mais do que o início do mundo”, argumenta.

O autor defende que a humanidade caminha para a construção de uma família mais moderna, em que o papel da mulher nas decisões da casa se torna cada vez mais importante e que o homem se preocupa mais com o bem-estar dos filhos, além de estar mais presente no dia a dia. “Em resumo, estamos tentando demonstrar que muitos estudiosos e intelectuais estão abandonando o conceito de família por considerarem-no obsoleto e ultrapassado, quando, na realidade, tal conceito sequer chegou a ser implantado de forma moderna como se imagina hoje”, explica.

 

Manual para paisimagem

O livro é um verdadeiro guia para pais. O autor dá dicas para a construção de um ambiente seguro, o que, em sua opinião, desenvolve o espírito de iniciativa, de empreendedorismo e de coragem nos filhos
recém nascidos. Ele faz, inclusive, sugestões para a criação e educação de filhos mesmo depois de adultos.

Recorrentemente, pais reclamam que seus filhos – diferentemente de aparelhos eletrônicos – não vêm com manual. “Cada bebê vem com um manual de instruções muito bem detalhado, mas ninguém percebe. Nós é que não damos o trabalho de lê-lo”, explica. Para o autor, os pais precisam ouvir o que os filhos dizem e guiar suas ações por eles. “Nos primeiros meses, eles simplesmente choram, e cada choro tem uma causa – pode ser fome, dor ou medo. Ao se eliminar a fome, a dor ou o medo, o choro cessa conforme as instruções”, explica.

O livro fala ainda sobre a importância de conciliar o trabalho com a família. O recado do autor é simples: “Se você não tem dinheiro para gastar com seus filhos, gaste o seu tempo”. De acordo com Kanitz, o tempo dedicado à família tem caído vertiginosamente nos últimos 50 anos. “Para comprovar isso, basta observar o número de famílias divorciadas. Pesquisas indicam que um pai divorciado, casado com outra, irá participar de somente um quinto da vida do seu filho do primeiro casamento”, explica.

Kanitz sugere trabalhar menos e melhor, organizando o tempo para que todos possam estar juntos por um período maior. “Há duas formas possíveis para criar esse precioso tempo com a família: primeiro os
pais precisam querer estar com seus filhos e, segundo, é preciso aprender como cavar tempo para a sua família mesmo durante o seu trabalho. Na minha experiência de vida, aprendi a tirar quatro micro-férias por ano, de uma semana cada, tempo suficiente para fazer uma viagem curta com meus filhos”, sugere o autor.

Sobre o Autor

Stephen Kanitz é consultor de empresas e conferencista, além de mestre em Administração de Empresas pela Harvard Business School.

(Lido por 157 pessoas até agora)

UA-1184690-14