Cristianismo versus Islamismo

Uma das crenças originais do Islã é que as pessoas prósperas podem ter 4 esposas e supostamente 8 filhos ou mais, se puderem comprovar que possuem recursos para tal.

Se considerarmos que os “prósperos” são 10% da população, isto significaria que 10% dos homens poderiam ter 40% das mulheres.

Isto é excelente para a correta distribuição da renda. Os ricos que normalmente acabam tendo 40% da riqueza, na segunda geração ao ter 40% dos filhos volta tudo a estaca zero.

No cristianismo, onde os 10% mais ricos somente podem ter 10% das mulheres e filhos, a riqueza dos pais se transfere para os filhos, perpetuando a riqueza de uma geração para a outra.

Mas pela mesma lógica, no islamismo, 30% dos homens ficarão sem parceiras e filhos, e são estes que servem para serem suicidas.

Estes números 10/40 e 80/20 são valores bem conhecidos por  economistas, a fórmula de Pareto e neste caso sabemos que normalmente 10% dos homens tem 40% da renda de um país.

Como também sabemos que 10% dos clientes geram 40% das receitas das empresas, ou que 10% dos insumos representam 40% das despesas.

Em vez de criar partidos de esquerda para resolver este problema insolúvel, o Islã permite os mais ricos terem 4 vezes mais filhos e esposas, e assim resolvem o problema da má distribuição da renda  de uma forma definitiva.

A riqueza é dividida em 4 mulheres , ou melhor entre 8 a 23 filhos, e numa geração tudo é igualado novamente.

A fortuna de US$ 230 milhões de Bin Laden será diluída para US$ 10 milhões por filho, enquanto no Cristianismo, com 2 filhos, a fortuna seria de US$ 115 milhões.

Se o filho cristão casar com outra mulher rica, volta tudo novamente para US$ 230 milhões.

A riqueza passa de pai para filhos intacta.

Não no Islã.

O Cristianismo é uma religião que surge dos pobres, dos escravos, e uma das suas bandeiras foi justamente “a de que cada homem tem  direito a uma mulher”. A monogamia de Adão e Eva.

Direito este negado pelo Islamismo, se você for pobre.

Por isto não temos suicidas dispostos a explodir em praça pública em troca de mulher no céu.

Agora quem está certo?

O Islamismo é uma religião onde a riqueza é contida numa única geração.

Propicia também que mais filhos nasçam em famílias ricas que podem sustentá-los e dar-lhes comida e educação.

Pergunte à sua esposa se ela prefere ser a quarta esposa do homem mais rico da cidade, ou a esposa do pobre sapateiro da esquina.

Não se surpreenda com a resposta.

Ela deve estar pensando no futuro do seu filho, não no seu.

E tem mais.

Sabemos que no Cristianismo temos 10% dos homens que são garanhões inveterados, querem uma mulher diferente por dia, e lutam para que os filhos tenham saúde, educação e merenda escolar paga pelo governo, e não por ele mesmo.

Isto é justo?

Isto é ético?

É muito mais cômodo. Pagar pela saúde e educação dos meus filhos?

Deixa o trouxa do contribuinte fazer isto.

O sultão, por sua vez,  paga tudo isto do próprio bolso, e cuida sim dos filhos que tem, ao contrário do bando de separados que seguem com suas segundas esposas esquecendo os filhos do primeiro casamento.

O Islamismo distribui a renda, mas gera uma injustiça social com os 30% que não tinham no passado a possibilidade de ter filhos, justamente os mais pobres.

Mais ou menos como é no mundo animal.

Quem já foi para a África verá o bando de machos perdedores, olhando desesperadamente para ver se o Alfa não morre do coração. E lá chegam a 90%.

O Cristianismo é sexualmente mais justo, os ricos só têm direito a uma mulher, o que significa que todo pobre terá a sua.

Mas por outro lado, os ricos ficam mais ricos porque têm menos filhos que os pobres.

A elite islâmica não vê com bons olhos estes valores cristãos, os vê como anti naturais, e todos sabemos como é difícil manter esta tal monogamia.

Mas o ponto desta discussão, é mostrar que o islamismo não é uma religião bárbara, ela tem uma lógica, que melhorará a condição humana sem gerar enormes distorções de renda.

Pode nos parecer estranho, como devemos parecer estranhos à nossa religião, que segundo eles condena 30% das crianças à pobreza, e perpetua a riqueza numa classe dominante.

Algo para se pensar.

(Lido por 837 pessoas até agora)

4 Comments on Cristianismo versus Islamismo

  1. Religião não assume responsabilidades financeiras e sim responsabilidades espirituais.

  2. Interessante…
    Desconfiei desse artigo logo quando li, parecia simplificad muito a relação economia e religião. Ainda que leigo, levantei alguns dados para derrubar sua hipótese que acabaram me surpreendendo, basicamente wikipédia simples. Utilizei o Índice de Geni para avaliar concentracao de renda e cruzei com a religião dos países (0 todos iguais, 100 máxima desigualdade). Em termos absolutos, os maiores países católicos são Brasil (51,9), México (48,3) e Filipinas (44,8) e os maiores islâmicos são Indonésia (36,8), Índia (36,8) e Paquistão (30). A diferença é brutal: cat. 48,33 x 34,53 isl. ! Em termos relativos, os islâmicos também têm uma menor concentração : Malta + Rep. Dominincana + Argentina + Itália + Portugal = 37,9 > 33,7 = Arábia Saudita + Somália + Afeganistão + Maldinas + Tunísia.

    Ou seja, talvez a religião interfira da distribuição de renda no aspecto monogamia x poligamia. Muito intrigante!

    Acho q vc deveria escrever um livro tipo Freakonomics !

    Abs!

  3. Por esta “lógica” seria impossível ter milionários no islã, mas a realidade é outra. Os famosos “sheiks” árabes nunca deixaram de existir. Você esqueceu que se tudo isso fosse totalmente verdade não haveria apoio popular masculino aos partidos islâmicos, aqueles que mais do que quaisquer outros desejam a manutenção das tradições islâmicas. Os pobres de lá raciocinariam: “se dou apoio a este partido ficarei sem mulher”. A herança não necessariamente (embora eu conheça pouco das tradições islâmicas) é repartida igualmente entre todos os filhos.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14