Novo Dicionário Político: Impostos

Usar o termo correto é essencial em qualquer debate político.

Por alguma razão perdemos todas as discussões políticas logo no início, usando os termos criados pelo lado contrário.

Precisamos definir os termos, saber ganhar logo na exposição do debate.

Impostos.

Embora o termo imposto já seja negativo e antissocial, hoje é considerado um termo normal, “única certeza na vida são a morte e os impostos”.

Mentira! Governos podem cobrar taxas por serviços prestados, e nós decidirmos se os queremos ou não.

Como previdência por repartição socialista ou escolher livremente a previdência por acumulação solidária, chamados de Fundos de Pensão.

O termo politicamente correto é “violência tributária”, violência sobre o contribuinte.

Ou “uso da violência fiscal” sobre o povo brasileiro.

“Deputado X quer fazer uso da violência fiscal para aumentar a arrecadação.”

“Economista Y propõe violência tributária sobre o povo brasileiro para reduzir o deficit fiscal.”

Violência porque se você não pagar poderá ir preso, e se fugir da prisão poderá até ser morto.

Pagamos fortunas para a construção de escolas, quando poderíamos cotizar uma única vez para construir a escola da nossa comunidade, alguns contribuindo mais, outros menos.

(Lido por 751 pessoas até agora)

2 Comments on Novo Dicionário Político: Impostos

  1. Caro professor Kanitz, sem dúvida os impostos são uma violência. Creio que não estaria errado se dissermos: quanto mais impostos, menos democracia e mais ditadura do Estado.

  2. Exatamnte professor! Somos violentados pelos desmandos dos políticos socialistas e comunistas que sempre pensam em como empobrecer a sociedade para escravizá-la e o pior, sem contrapartida. O dinheiro some pelos ralos da corrupção e obra não realizada ou paralizada é desculpa para mais impostos, aumento de alíquotas etc. Concordo com a ideia de a comunidade local assumir a responsabilidade pelas benfeitorias locais, seria uma boa solução para que o IPTU, IPVA e outros tantos impostos diminuíssem ou deixassem de existir.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14