Jamais Saiam Correndo da Polícia

Uma das tragédias do Brasil é que nossos intelectuais vivem retratando nossos policiais como assassinos, sanguinários e pouco inteligentes.

Inteligente sempre é o intelectual.

Por isso num grupo de 5.000 pessoas, a reação instintiva de todos ao ouvirem a palavra Polícia foi sair correndo.

Achando que apesar de inocentes eles seriam assassinados pelos policiais, mesmo que pisoteando a pessoa ao lado.

Ninguém foi morto por policial nesse triste caso, quem cometeu essa tragédia foram os dois bandidos que não queriam se entregar.

O que nossos intelectuais nas escolas e universidades deveriam ensinar é “nunca corra ou fuja da polícia, especialmente se você não é o bandido.”

“Fique parado, e deixe o bandido se revelar como o único que sai correndo.”

“Levante as mãos para os lados mostrando que você não tem uma arma pronta para tirar a vida do policial.”

“Você está provavelmente alcoolizado, sem saber tomar decisões corretas, portanto siga essa regra previamente internalizada. Fique parado, sorria, e levante as mãos para o lado.”

“Agora, você que é o bandido, levante seus braços para cima, como nos filmes de Hollywood, que divulgam a norma social correta.”

“Pense nos outros, solidariamente como ensinam os intelectuais, por que se você sair correndo, fará instintivamente pessoas inocentes correrem atrás.”

“Somos geneticamente programados para: Na Dúvida Corra”, e esses dois bandidos sabiam disso.

E para aqueles alunos que poderão ser bandidos, nossos professores deveriam ensiná-los a jamais fugir da polícia, colocando suas vidas e a dos outros em risco.

“Vocês bandidos sabem que um dia poderão ser presos. Portanto, sejam éticos nessas horas e não coloquem outras pessoas em risco. E se fugirem, suas próprias vidas correm risco de bater o carro num poste ou atropelar um inocente.”

“Num recinto de 5.000 pessoas, levante as mãos.”

“E em vez de gritar Corram é a Polícia, digam Calma, o Bandido Sou Eu.”

Esses intelectuais irão ajudar para que você saia logo da cadeia. Eles até possuem cinco membros no Supremo. Você será condenado somente na quarta instância, demorará anos.

Portanto, nunca fuja quando for pego, diga “que azar”, era o risco que você corria, e assuma seu erro.

Vamos implantar essas normas sociais de relacionamento cidadão-policial para evitar tragédias desse tipo, por ação dos bandidos, não da PM.

Compartilhe:
WhatsApp
Email
Facebook
Twitter
LinkedIn

Comentários

9 Responses

  1. Mas a realidade da vida nas periferias (e nem sempre nela) é outra: A probabilidade de um policial atirar em alguém que não reage (principalmente se for negro) é enorme.

  2. Sarcástico, mas verdadeiro e sincero. Aplaudo. Bandido é “macho” quando está armado e subjugando pessoas inocentes… olho no olho com um policial bem treinado e armado a conversa é outra. Tá na hora de ATÉ os bandidos voltarem a ser homens de verdade.

  3. Pisou na bola outra vez, Guru: quem viu as imagens sabe que os policiais foram la pra vingar a morte de uma colega…com a explicita intenção de matar! Os tais “bandidos” eram os proprios policiais!! E ainda teve um que ficava numa esquina com um pau para bater em quem passasse!! Olha direito antes de falar besteira, Guru! Abraço do Roberto

  4. Esse texto com certeza não foi escrito pelo Prof. Kanitz. Com certeza foi escrito por alguém que NUNCA entrou em uma favela ou comunidade pobre, onde os policiais ou já entram atirando, sem se preocupar com inocentes, ou tratam seus moradores como lixo, pessoas de segunda classe. É claro que não a maioria dos policiais que agem feito animais com negros e pobres, mas o que vemos, em sua maioria é o tratamento diferenciado “nos Jardins”, onde chamam todos de “Doutor”. Na favela é na base da porrada.
    Querem que sejam respeitados?

  5. Dois bandidos que ninguém sabe quem são, e pelo que foi filmado, os policiais simplesmente esqueceram esses supostos bandidos. E quanto a recomendação de não correr, deve ver da polícia. Enquanto a corporação não recomendar isso, não pararei.

  6. O que está estranho nesta história é os 9 que morreram eram pessoas de fora. Estatísticamente falando é como ganhar na megasena sozinho 9 vezes. Pelo laudo tinham bebido álcool e alguns ingerido droga.
    Os jornalista falaram como eram de fora não conheciam a favela por isto entraram em rua estreita, mas e os que pisaram neles conheciam e passaram pelas mesmas ruas, atropelando quem caiu ou estava deitado.

  7. Considerando que os “educadores” adotassem esse tipo de postura, sugerida no texto, ainda assim demoraríamos décadas para ver o efeito disso. Mas, concordo, não há outro caminho. Eu, pelo menos, nunca corri da polícia (e, sim, já fui abordado algumas vezes), e estou aqui digitando este comentário. Parece que dá certo sim, Kanitz.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados

A Solução é Educação

Já discuti sobre o futuro do Brasil com várias turmas de profissionais preparados. Depois de duas horas de pessimismo e falta de soluções claras, alguém

Artigo Completo »