A inflação Não é de 10%

Como alertei aqui várias vezes, essa inflação de 10% é fake science.

A inflação é muito menor do que isso, esses 10% são fruto da superestimação da inflação que eu venho alertando aos economistas do Brasil desde 1982.

Não tenho como recalcular o verdadeiro índice, mas com a minha experiência eu diria que ela é mais próxima de 4% do que 10%.

Esses 10% existem porque nossos economistas pegam os preços a prazo (12 x sem juros) e não o valor à vista ou valor presente dos preços descontando os 12 meses de juros.

Isso superestima a verdadeira inflação.

O modelo de inflação que desenvolvi mostra que esse erro é simétrico.

Em breve as empresas vão reduzir seus prazos de crédito de 12 meses para 10 meses digamos, e aí a inflação será subestimada, levando assim a inflação aos seus 4% que apontei acima.

Como previ em janeiro que teríamos uma inflação alta devido a esse erro da ciência econômica, prevejo que em 2022 ela será bem menor, menor que o real.

Quem quer estudar meu modelo de cálculo correto da inflação é só digitar no Google “Superestimação da Inflação”.

Bom estudo, e vamos corrigir esse erro banal.

Compartilhe:
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Comentários

9 Responses

  1. Há mais de 35 anos que a inflação para mim é menor que a oficial; por exemplo, compras de mercado só faço de produtos em oferta, como se fossem frutas da estação. Carro compro à vista. Comprar em promoção é um ótimo investimento.

  2. Tomando como base a sua tese que faz sentido, temos aí o princípio básico que nos levou a hiperinflação, ou seja, a indexação dos contratos e da economia. Seria isso?

  3. Gostaria de entender o motivo da alta de preços geral no Brasil. Qual o motivo de “tudo” estar mais caro? Eu e minha esposa, como o Antônio Augusto Palumbo disse, compras de mercado só fazemos de produtos em oferta. Outras coisas somente em promoção e mesmo assim se estiver dentro de nossas condições!

  4. O melhor e mais seguro método de medição da inflação é mais simples e não demanda tanta ciência, qual seja, ir ao supermercado toda semana com a mesma lista de compras e compará-la, pois, é ali que reside a inflação que de fato interessa ao grande público. Partindo desse princípio, é possível constatar que a inflação de fato está no patamar anunciado.

  5. O nobre economista não deve frequentar um supermercado há anos. A unidade de comparação é o preço pago à vista pelo consumidor na boca do caixa, não importa se o preço do produto embute juros repassados pelo produtor. Duvido que ele consiga montar uma cesta de produtos significativa com menos de 10% de inflação ao ano.

  6. Parabéns professor Kanitz, é sempre muito enriquecedor a leitura dos seus artigos. O mundo já conhece os ” esquerdopatas ” e ” petralhas” pela linguagem agressiva e muito chula .

  7. Essa é a inflação que eu conheço, no caixa do supermercado. Pelo jeito, vou ter que criar meu IPC particular, porque o INPC de 6-7% não bate com o buraco do meu bolso.

  8. Professor Stephan Kanitz: Saudações. Hpa anos leio e recomendo / Compartilho com familiares e amigos seus esclarecedores artigos. Ocorre que “a conta não está batendo”. O Café 3 Corações saltou de R$9,90 para R$ 19,00 no supermermercado (eu faço compras semanais no Extra bairro e supermercado Joanin (Via Anchieta, Capital SP, é fácil resgatar os preços nesse período), nos últimos 12 meses. O preço do Azeite Extra Virgem Galo ou Carbonel e similares saltou de 14,00 para R$24,00 no mesmo período. O Arroz Prato Fino e similares subiu de R$13,00 para R$24,00. A gasolina pulou de R$ 3,20 para R$6,29 !!!! Como falar em inflação de 4% ou 10%???
    Obs.: JÁ RECEBO SEUS E-MAILS AHÁ ANOS.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados

Ânimo, Minha Gente!!!

Nos meus 40 anos de administrador e macroeconomista nunca vi tantas pessoas desanimadas e descrentes quanto ao futuro do Brasil como agora.  Em 1993 também

Artigo Completo »