A Exploração dos Ricos

Muito se fala da exploração dos pobres. Um milhão de livros já foram escritos sobre isto.
Mas pouco se fala da exploração dos ricos, isto é considerado até impossível.
Esta apresentação minha é de uns 10 anos atrás, portanto os preços são da época, mas retrata uma situação real.
Um fax, uma impressora preto e banco, uma xerox colorida e um scanner custavam US 16.280,00 no total.
Quatro anos depois eu comprei tudo isto por US$ 420,00. Me senti explorado, porque neste caso o rico fui eu. Fui eu que comprei o scanner, a xerox colorida.
Por que eu tive que pagar tanto a mais, e 4 anos depois meus concorrentes puderam comprar por US$ 420,00? Por que eu tive que pagar 38 vezes mais do que os pobres que compraram depois?
Avanço da tecnologia, dirão vocês, faz parte da vida.
Acontece que a tecnologia foi custeada com os lucros que eu proporcionei, lucro que foi reinvestido em pesquisas, aumento de capacidade de produção e propaganda.
Eu sempre fui um “early adopter“. Quero ser o primeiro a vivenciar o futuro, o que no fundo é o que está acontecendo. Os ricos, da mesma forma, estão vivendo um pouco mais na frente no futuro, do que nós.
Se a renda fosse 100% distribuída, aquela xerox colorida nunca seria produzida, nem o scanner. Não haveria lucro para ser reinvestido em pesquisas nem produção para os pobres.
Digo tudo isto porque nem sou tão rico assim, mas obviamente faço parte dos 10% mais ricos do Brasil, algo que a maioria dos professores da USP ainda não perceberam.
Este movimento populista que o Obama está fazendo contra os mais ricos, vai terminar mal. Sempre termina mal. E é preocupante.
Poderá nos levar a uma segunda Idade Média, com certeza.
 

Compartilhe:
WhatsApp
Email
Facebook
Twitter
LinkedIn

Comentários

4 Responses

  1. Acho que você está confundindo exploração dos ricos com Obsolescência Programada. (Procure por vídeos sobre isso no youtube)
    Exemplos (Você se encaixa no primeiro):
    “- impressoras: que registram a quantidade de páginas que imprimem e param de funcionar a partir de um número determinado de impressões
    – meias-calças: produzidas com fios de baixa qualidade, depois de sua fabricante ter confeccionado um tecido altamente resistente, para que as mulheres comprem o artigo com frequência”

  2. lu , vou fazer uma pagina na rede , com tudo que deu e dá certo comigo .
    tipo essas coisas que eu te mandei : Pente de memoria , roadie , espelho x depressao .
    E assim por diante .
    Ah ! se tiver alguma experiencia que deu certo com vc , e mais alguem que conheça ,
    manda pra mim , que vou publicar no meu ” Çaete ”
    se quiser eu publico ou nao seu i – meiu !

  3. Dom Kanitz, você está certíssimo em seu raciocínio. No início, alguém tem que pagar pelo progresso. Isso é a lógica do capitalismo. Meu primeiro Apple, com 48k, custou US$ 7 mil. Verdade que ganhei muita grana com o investimento na máquina, mas hoje só me lembro da felicidade que me proporcionou dispor de uma ferramenta que me fazia trocentas vezes mais produtivo e capaz.
    Hoje em dia, após todo o avanço tecnológico, posso fazer 100 vezes o que fazia. Domenico de Masi se espanta com o fato de podermos fazer mais e continuarmos trabalhando a mesma quantidade de horas. Diz ele que o funcionário moderno embroma durante o dia e faz hora extra para se mostrar leal à empresa.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados