O Engodo dos Genéricos

Em 1993, corri o Brasil com uma palestra, o Brasil Que Dá Certo, onde mostrei um futuro possível.

Sugeri a criação de produtos para a classe C e D, em vez de produzir somente para a Classe A e B.

O nível de renda de um povo não é determinado pelo salário, mas pelos produtos que esse salário pode comprar.

Mas nossos pobres só podiam comprar produtos feitos para a Classe A e B, devido à política de substituição de importações ou ficavam sem.

E aí perdiam metade da sua renda, comprando produtos mais sofisticados do que precisavam.

A melhoria de vida dos pobres no governo Lula nada tem a ver com ele, mas com o crescimento da indústria para a Classe C e D, que dobrou o que eles podiam comprar.

“Precisamos de bicicletas com motor, e não carros de luxo”, dizia eu na época.

Propus também para a indústria farmacêutica relançarem seus remédios cujas patentes haviam caducado e que não produziam mais.

“Só deixem bem claro que vocês estão relançando um produto mais barato e que vocês produzem remédios iguais muito mais eficientes, com menos efeitos colaterais.”

“Deixem bem claro que eles estão comprando remédios considerados por vocês obsoletos, cujas patentes já caducaram, mas que vocês entendem que para muitos isso seria melhor do que nada.”

Infelizmente, o Deputado Jamil Haddad, do Partido Socialista Brasileiro, adotou essa ideia no Decreto 793 de 1993 mas cunhou o termo “genérico” em vez de “obsoleto”.

Enganando o consumidor, ao não explicar por que esses remédios obsoletos eram tão mais baratos.

Eu parei de sugerir essa ideia, quando o Presidente da Elli Lilly, um administrador socialmente responsável, me disse que a Lilly jamais faria isso.

“Jamais iremos oferecer um produto sabendo que nós mesmos temos algo melhor.”

“Além do mais, que incentivo teríamos de pesquisa e inovação, se só vendêssemos remédios caducados?”

De fato, nossas farmacêuticas de genéricos nada pesquisam, faturando horrores com produtos obsoletos sem ter que pagar royalties.

Se você compra genéricos por que são mais baratos, cuidado, isso pode lhe custar caro.

Se você compra genéricos por que é pobre, parabéns, pelo menos você tem um tratamento que não é o mais moderno, mas resolve.

Quantas pessoas morrem hoje não sabendo que estão comprando gato por lebre, sem saber que tem coisa melhor, embora mais cara.

Compartilhe:
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Comentários

17 Responses

  1. Já que o assunto “O engodo dos genéricos” se refere a medicamentos, recomendo a leitura do livro de Peter C. Gøtzche: Medicamentos mortais e crime organizado: como a indústria farmacêutica corrompeu a assistência médica.
    Adm. Nelson Ando

  2. Tomar genérico nunca surtiu efeito pra mim. Quando vou ao médico já peço a gentileza de nem perder tempo receitando essa porcaria.

  3. O cara é economista e não tem autoridade nem conhecimentos sobre remédios,portanto a sua reportagem só tem valor para as industrias farmacêuticas na venda dos remédios muito mas caro.

  4. Medicamento “Genérico” é pra enganar o “pobre”, que nao sai dos butecos e na hora de tratar da saúde fica com mesquinharia.

  5. Os genéricos não são “obsoletos” como sugere o autor. São medicamentos ainda fabricados pelas indústrias com seus nomes de fantasia. Como exemplo temos o clavulin (nome de fantasia), que sai por 100 reais e o amoxilina com clavulanato, que sai por 40.
    Desinformação ou má fé?

  6. Dizem que os medicamentos genéricos têm menos quantidade da substância básica que os medicamentos “de marca”. Alguém poderia me informar se isto ê verdade?

  7. Tem muito medicamento com patente vigente e que tem a versão genérica em diversos países, pq o medicamento de referência custa um absurdo de caro que nem a classe A e B pagaria. Genérico é uma questão de acesso a medicamentos, uma vez que os medicamentos tem chegado com preços altíssimos ao mercado.
    E para aqueles que acham que o medicamento genérico é porcaria, eles têm de passar pelos mesmo testes que os de referência para terem seu registro aprovado pela ANVISA.
    Agora, investimentos em P&D tanto p indústrias inovadoras e de genericos, sugiro a leitura do livro: A verdade sobre os laboratórios farmacêuticos

  8. O que acontece em alguns casos é que alguns remédios genéricos estão utilizando matéria prima importada, o dito sal, ou seja, a substância ativa, de fontes duvidosas, a maioria da china, e que não exercem o efeito que deveriam. Esta acontecendo muito com alguns antibióticos. Mas isso é um crime e se trata de algo isolado. O genérico é uma conquista importante. Muitos medicamentos de marca tem na sua versão genérica e grandes laboratórios produzem versões genéricas. A indústria farmacêutica não é um câncer, não fosse ela estaríamos vivendo nas trevas da saúde ainda. E o autor do artigo não é economista mas sim administrador.

  9. Prof. Kanitz, há ainda os casos em que os genéricos são mais caros do que os “de marca”. A ganância de certos empresários brasileiros não tem limites.

  10. Caro Autor dentro de um hospital que tipo de medicamento vc acha que é usado classe A e B? Aonde se faz a compra por licitação. Quantas pessoas tem o quadro de melhora.

  11. O caso é q eles lucram tanto com os genéricos que, quando procuramos por um antibiótico, q é algo sério, vc não encontra, pq as farmácias resolveram nos enfiar os genéricos boca abaixo.

  12. Não sei se cabe o paralelo, mas a indústria alimentícia utiliza uma técnica que é a seguinte: um mesmo produto com embalagens diferentes, uma “de luxo” onde o produto tem um preço caro e portanto gera um bom lucro e a outra popular que praticamente só cobre o custo de produção. Não seria a mesma coisa? Substituindo-se embalagem por nome?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados