Administração Responsável das Nações

 

 

Burocracia é o sistema de gestão preconizado por Max Weber onde cada um segue as regras “administrativas” e legais predeterminadas, à risca.

Na Administração Responsável das Nações, os burocratas são substituídos, pelo menos nos altos escalões, por Administradores que sabem quando regras precisam ser desobedecidas, quando não fazem sentido numa situação particular.

O que não acontece no modelo atual.

Quem sair das “regras” é processado pelo MP.

Por isto este país parou.

Governos anteriores achavam que desburocratizar era simplificar, reduzir, ter menos regras. Ledo engano.

Tivemos até um Ministério da Desburocratização, que obviamente falhou pelo diagnóstico errado.

Não, a saída é profissionalizar, colocar pessoas que sabem quando regras precisam ser quebradas.

Por isto temos que ter certeza que são treinados em boas escolas de Administração, que hoje não existem no Brasil, com formação humanística e ética apropriada.

 

Compartilhe:
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Comentários

5 Responses

  1. Kanitz, neste caso não haveria uma afronta a Legalidade, um dos princípios constitucionais da administração pública, segundo a qual, conforme lição de Hely Lopes Meirelles, nela “não há liberdade nem vontade pessoal. Enquanto na administração particular é lícito fazer tudo que a lei não proíbe, na Administração Pública só é permitido fazer o que a lei autoriza”¹?

    Se não, por favor, esclareça-me.

    Ademais, eu tenho feito pesquisas sobre administração (e não gestão) pública, como o senhor indica, especialmente a repercussão no mundo do dever-ser (direito), mas acho muito pouco material, embora a administração pública seja regulada pelas normas de Direito Administrativo. Se o senhor conhecer estudos desse perfil, ou autores, agradeço.

    Abraços!

    ¹ Administração pública: princípio da legalidade

    1. Percio
      O direito administrativo deriva do sistema administrativo, não o contrário. E o direito administrativo indica os princípios que norteiam os administradores, não as regras, as quais são produzidas pelos legisladores e próprios administradores com objetivo em mente. Ora, se são criadas regras que não atingem uma meta específica, os próprios princípios da administração pública estão sendo violados.

    1. Até entendo mudar as regras para facilitar a administração. Mas quem administra o dinheiro de 200 milhões de pessoas não pode apenas “quebrar as regras”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Mais Recentes

Outros Assuntos

Outros Canais

Receba os artigos por e-mail
Leia Mais

Artigos Relacionados