Uma Razão Para o Desemprego. Final.

 

Uma das vantagens de estudar Contabilidade é que ela lhe força sempre a pensar por dois ângulos. Débito e crédito.

Você deve ter empacado porque está olhando a questão do ponto de vista do pesquisado, você.

Vejamos este mesmo problema do ponto de vista do desempregado.

Quem disse que ele conhece 100 pessoas, como todo mundo?

Fizemos uma hipótese simplista no início, achando que todos somos iguais.

E se ele conhecer somente 4 pessoas, 0u 3,96 pessoas e não 100?

10% de desempregados irão conhecer somente 39,6 pessoas em média, e destas pessoas você conhece pelo menos um desempregado.

O número apontado pela Sensus.

Quando o pesquisador da CNT vier perguntar a 100 pessoas, empregadas ou não, se elas conhecem alguém desempregado, somente 39,6 pessoas vão dizer que sim, os conhecidos dos desempregados.

Agora dá para entender a pesquisa CNT.

As pessoas conhecem somente 40% de desempregados, porque os desempregados têm muito menos conhecidos e amigos do que a média.

Se isso for verdade, as conclusões são complicadas e politicamente incorretas.

O desempregado, com todo o respeito e com óbvias exceções, pode ser alguém que não tem muitos amigos e contatos para ajudá-lo a encontrar um novo emprego.

Pode não ter o “networking”  que lhe permita arrumar rapidamente um novo emprego. 

Ou, ele pode ser alguém com dificuldade de relacionamento, razão pela qual foi ele o despedido em primeiro lugar, e não o seu colega incompetente e puxa-saco.

Isso pode parecer que estamos “culpando a vítima”, o que é considerado politicamente incorreto, mas, em ciência, é necessário seguir em frente.

Mas vamos parar para pensar.

Talvez o problema é que as soluções neokeynesianas como seguro-desemprego, estímulos fiscais e econômicos não funcionam, como de fato muitas vezes ocorre, quando o que precisamos são estímulos psicológicos.

Em vez de mais medidas econômicas, os desempregados, uma parte deles pelo menos, precisa de “coaching“, terapia psicológica, aprendizado de técnicas sociais, e assim por diante.

O problema é que ele, o desempregado, não se coloca disponível para ser contratado; ele conhece menos pessoas do que a maioria da sociedade.

Em todo caso, antes que saiam me criticando, especialmente se você é um destes desempregados, explique então porque a pesquisa CNT não aponta 100% de respostas, se sabemos pelo IBGE que “somente” 10% dos brasileiros estão desempregados, e a maioria das pessoas, em média, conhece muito mais do que quatro pessoas sem emprego.

E diga também: por que ninguém da CNT percebeu algo errado nas respostas se todo mundo sabe que somente 10% das pessoas estão, de fato, desempregadas, tornando a pesquisa desnecessária?

Algo para se Pensar.

(Lido por 255 pessoas até agora)

1 Comment on Uma Razão Para o Desemprego. Final.

  1. Discordo das conclusões.

    A pesquisa não é sobre desemprego.

    As perguntas enunciadas são sobre desemprego CAUSADO PELA CRISE MUNDIAL. Ora, eu posso saber que Fulano, Sicrano ou Beltrano estão desempregados. Mas não sei a causa disso (quando muito, vou saber a causa mais próxima – a empresa está com prejuízos; e não a causa remota – a empresa está sendo afetada pela crise econômica mundial). Se você me perguntar se conheço alguém desempregado, direi que sim (um número próximo de 100% das pessoas dirá). Agora, se me perguntar se conheço alguém desempregado EM RAZÃO DA CRISE MUNDIAL, direi que não conheço, pois não consigo determinar a causa mais remota do desemprego dos meus conhecidos (daí o resultado próximo de 40%). Abs.!

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14