O Social é Função do Presidente Não da 1 Dama

Um dos primeiros atos de governo da maioria dos Presidentes latino americanos consiste em nomear a primeira dama para a área social. Foi assim com Perón, Collor, FHC e um sem número de líderes eleitos.

É uma tradição que se não fosse seguida, traria muito constrangimento à primeira dama que precisa, segundo a opinião pública, ter algo para fazer. Todas trabalham de graça, voluntariamente, sem recursos oficiais, sem poder de fato, uma injustiça e tanto. Estas primeiras damas fizeram milagres diante das circunstâncias.

Mas este primeiro ato traz consigo um simbolismo, um recado claro, uma mensagem que todo sociólogo confirmaria: o simbolismo de que a área social é coisa de mulher.

Homens cuidam das coisas mais importantes do Estado, como a taxa de câmbio, a taxa de juro, a taxa de inflação. “Na área social fale diretamente com nossas esposas. Nós homens, temos coisas mais importantes para fazer.”

Lula mudou tudo isto.

Lula não nomeou Dona Marisa Letícia para o Social, não criou uma ONG especialmente para sua esposa “ter” o que fazer.

Lula deixou bem claro que o Social seria prioridade do seu governo. Que o Social seria coisa de macho, sim senhor. E entregou a taxa de juros, a taxa de câmbio, para quem entendia do assunto, Henrique Meirelles, Joaquim Levy, criou um BC de fato independente. Lula se dedicou aquilo que é a verdadeira função do governo, o social e não política econômica.

Quando criei o site www.voluntarios.com.br, o site de doações www.filantropia.org e o Prêmio Bem Eficiente, uma das perguntas que tive que responder inúmeras vezes a jornalistas, inclusive mulheres, foi porque eu, como homem, estava envolvido no social. Como se houvesse algo de estranho no ar.

A mesma pergunta era feita ao Antoninho Marmo Trevisan, Luís Norberto Paschoal. Homem envolvido com o social chamava a atenção, porque social era coisa de mulher.

ONGS não procuram mais desesperadamente a primeira dama, sem recursos e sem ministério. Ninguém procura Dona Marisa, na vã tentativa de que ela fale com o marido, às 11 horas da noite, para atender um pedido social.

Ouvi centenas de críticas de algumas socialites contra Dona Marisa no sentido que ela fazia “nada”. De fato, e ainda bem, primeiras damas pouco podem fazer. Eu tenho absoluta certeza que se a Marisa tivesse sido eleita, ela não teria indicado Lula para a área social. Como não farão a Dilma, o Ciro Gomes ou a Marina Silva. Ciro perdeu uma eleição por não ter explicado este ponto corretamente, e afirmar que a Patricia faria outra coisa no governo dele.

Quem tem de ser socialmente responsável é o governo, não a primeira dama. Um princípio elementar da Administração Socialmente Responsável. Quem cuida do social das grandes empresas são os próprios presidentes, não suas esposas.

Nenhum Presidente daqui para frente, tenho certeza, irá colocar sua esposa (ou marido) para cuidar do social. O Social será prioridade daqui para frente, evitando assim a ruptura da sociedade brasileira. Grandes empresas bem administradas não precisam da atenção contínua do governo, o povo sim.

Mais um legado do Governo Lula.

(Lido por 98 pessoas até agora)

UA-1184690-14