Nosso Problema Número Um

 

Em janeiro, o Presidente Temer me ligou combinando uma reunião.

Não sabendo quanto tempo seria nossa conversa eu fiz um exercício interessante.

Se meu tempo desse para tratar de um único assunto, o que eu priorizaria?

Se tivesse tempo para tratar de dois assuntos, quais assuntos seriam?

O que acabei escolhendo como o assunto mais importante surpreendeu até a mim.

“Presidente, para entender esse país é necessário saber que o Brasil é um dos únicos países do mundo que ainda não fez a transição da empresa familiar para a empresa profissional.”

“Os Estados Unidos fez essa transição em 1913, graças ao Presidente Woodrow Wilson, e consolidado por George Doriot e o Presidente Eisenhower.”

“Odebrecht e JBS só são corruptas por serem ainda empresas familiares.”

Administradores profissionais nunca se arriscariam a tanto porque o lucro da corrupção se reverteria para os acionistas, uma bela diferença.

“Senhor Presidente, o Brasil também não cresce porque as empresas familiares querem manter o controle do capital na família e por isso relutam em fazer IPOs, o que aceleraria o nosso crescimento.”

“Portanto, o crescimento das empresas brasileiras depende exclusivamente do reinvestimento de lucros, que com a Dilma simplesmente minguaram.”

“Senhor Presidente, o BNDES não é hoje um propulsor de obras de infraestrutura.”

“O BNDES foi capturado por essas famílias e se tornou uma forma dessas grandes empresas se financiarem sem perder o controle do capital.”

“A culpa não é necessariamente dessas famílias, ela tem origem na Lei do Economista de 1945, que determinou o fechamento em 1946 de todas as nossas Faculdades de Administração.”

“Foi um golpe profissional que privou o Brasil de mais de dois milhões de jovens treinados em Administração que poderiam ter sido contratados pelas empresas familiares.”

Hoje temos mais uma comprovação de nosso problema número um.

 

(Lido por 1409 pessoas até agora)

UA-1184690-14