Gustavo Franco e a Âncora Cambial

Em 2002 ano que Lula toma posse,  40% da Dívida Interna era em Dólar e não em Real.

Era a política da âncora cambial, iniciada em 1994.

Dívida interna deveria ser sempre em real, reza a boa administração financeira e o bom senso.

A não ser se sua empresa é uma exportadora, o que governos não são.

Portanto, era má política financeira o Tesouro ter 40% da nossa dívida interna indexada ao dólar, a âncora cambial. Incorríamos em Cross Currency Risk, pois a receita de impostos é em real e as despesas com juros eram em dólar.

O que significava que crises externas sempre desencadeavam também uma crise interna, tornando ambas as dívidas – interna e externa – mais difíceis de serem paga.

Como de fato ocorreu no fim do primeiro mandato de FHC.

                                  Ancaora 1

Nos 7 anos da gestão Henrique Meirelles no Banco Central, mudamos o perfil da dívida interna dramaticamente.

Não se pode dizer que foi uma simples continuação da política econômica de FHC, como muitos estão argumentando inclusive aqui nos comentários, porque foi uma mudança de 180 graus como mostra o gráfico abaixo.

Hoje temos um dívida interna  0% atrelada em dólar, 100% em real.

Ancora2

Ou seja, uma crise externa não mais afetará a dívida interna, como ficou provado em 2008.

Como temos reservas expressivas em dólares, financiadas por dívidas internas sem dúvida, o próximo governo, na realidade, receberá uma dívida 140% em Real, e Reservas em dólar de 40%, que entram como redutor da dívida, 140%-40% = 100%.

Ou seja, uma crise externa agora REDUZ A DÍVIDA INTERNA.

Em vez de termos dois problemas, não temos nenhum, porque o que perdemos de um lado compensamos parcialmente do outro.

Prova disto é que passamos incólumes a crise de 2008, ao contrário do que previam a maioria dos acadêmicos ligados ao PSDB, PMDB, DEM etc.

Em vez de pedir socorro ao FMI, como fizemos em 1998, o FMI pediu socorro ao Brasil.

Isto não é continuação da política econômica do governo anterior, de forma alguma.

Estou defendendo que o Lula e Meirelles, não “traíram” o PT mantendo a política “neoliberal” do governo anterior porque simplesmente não mantiveram a política de FHC, graças a Deus. Implantaram a política sensata de Henrique Meirelles.

Mudaram esta política de FHC, com ideias novas, abordagens novas, algo que muitos petistas radicais não estão percebendo.

Nenhum governo futuro, acredito, irá reintroduzir a âncora cambial novamente, muito menos criar dívidas INTERNAS atreladas ao dólar. 

Nunca mais.

Portanto, investidor estrangeiro e brasileiro, fique tranquilo na intranquilidade que talvez teremos no futuro.

Você não precisa sair fugindo comprando dólar e mandando o dinheiro para um banco estrangeiro no exterior.

Você estará mais seguro comprando títulos do governo brasileiro, denominados em reais, como fez Warren Buffet.

Preciso dizer mais? 

(Lido por 452 pessoas até agora)

34 Comments on Gustavo Franco e a Âncora Cambial

  1. Quem sabe fala bonito e preciso. Essa realidade infelizmente a TV, a grande mídia não explica, o povo não entende, pena!

  2. Eu gostaria que nos respondesse á quantas “%” era a inflação quando o FHC assumiu o governo e a quantas “%” deixou para o Lula. Será que o tão popular presidente conseguiria resolver o problema de inflação na ocasião se assumisse a presidência??? Hoje ele fala que o pais está de vento em poupa e que a crise foi uma marolinha, porém ele não perdeu o emprego e nem perderá quando sair da presidencia. Ele assumiu o governo com uma inflação de baixissíma, com dinheiro em caixa, com a Ptrobras e a Vale dando um lucro enorme para o pais. Ele fala que fez mais investimentos do que todos os governantes anteriores para o crescimento do Brasil. Não devemos nos enganar PT é PT e comunista sempre e se não trocarmos este partido da Presidência correremos o risco de sermos uma Venezuela ou Cuba.

  3. Independente dos comentários prós e contras, pergunto: onde vcs leram 360°? Eu li 180°, o que significa diametralmente oposto…..

  4. Boa tarde
    Achei essa matéria muito boa. O que a maioria não percebe é que estão sendo feitas mudanças no conceito de administração pública. As pessoas colocam a figura do presidente como a cara do Brasil, e não é. Estão fazendo um trabalho nunca feito antes em nosso país e acham isso muito esquisito, muito diferente o que estamos acostumados a ver. A falta de título superior é o que mais deixam os “entendidos” mais furiosos, pois acreditam apenas que o diploma faz o serviço sozinho. A oposição tende a criar sempre “crises” para desviar o que tem se feito de positivo, de concreto no campo econômico e financeiro. Os desvios, a roubalheira na máquina pública são feitos por qualquer indivíduo que assume um cargo público, pois a leis são leves para ter uma punição. As pessoas deveriam se informar mais, sempre mais, ler todas as tendências, todos os “entendidos”, só assim se criará uma conciência de que é certo ou errado.

  5. Aqui temos que pegar no pé do Kanitz: uma mudança de 360º nos conduz invariavelmente à posição inicial no começo da partida, para ser bem claro.
    Há algum tempo, nas próprias palavras da Adriane Galisteu a vida dela também teria “mudado em 360 graus”.

  6. O Brasil nao esta vendo imposição de presidente, uma candidata vai ser apreciada pela população que se verificar na mesma as qualidades necessarias para assumir o posto de presidente, a escolherá. Tenho opções de voto, entretanto vejo que os demais pré-candidatos não atendem aos requisistos que espero tenha um presidente da republica do meu país. não sou partidario mais acho o psdb e o Serra subserviente ao mundo imperialista, aos desejos das elites, ao desmodelamento de Brasil, a dessetruturação da nossa sociedade, queriam base americana num ponto estratégico para o nosso país que é a base do alcantra no Maranhão.
    Não é preciso ser economista nem históriador pra saber que o modelo adotado para moeda e plano economico no país ja havia sido proposto pro Luis tarquinio, na epoca da politica do ensilhamento.
    Corrupição, sim há corrupição muita na midia, vejamos!
    globo, o hisórico da globo contra lula nao agrada.
    Veja, assumida ante lula.
    A imprensa nacional tem uma forte averção aos politicos de esquerda, o que eu acho engraçado é que estes merdas agem como se nós relis mortais nao soubessemos diferencai uma coisa informada com seriedade e algo tendencioso. Não somos Burros, nem no sentido literal tão pouco no sentido figurado da palavra.
    corrupição: Se nao me engano grande parte do estardalhaço do mensalão começou com o psdb, a midia minimizou esse fato no seu papel de informar a população. Percebeu-se a tentativa de um novo impichman ( não sei e não me convem a grafia correta).
    Lembro que uma vez questionaram ou argumentaram ao lula, como ele faria pra tratar com os estrangeiro uma vez que ele nao fala outras linguas…..kkkkkk. olha que argumento pobre!!!
    Tenho pena destes pobres ricos que acham que ganharão a proxiam eleição e que governarão um país todo arrumadinho, a globo começou a dar suas pancadas no governo para criar as condições eleitorais favoraveis ao balaio que o psdb quer fazer. Entretanto o povão que é quem percebe a realidade, este povo ta atento e nao vai retroagir a uma politica sectarista, excludente, minimalista e vergonhosa. Nosso país porecisa de pessoas que amem o país, que chorem ao se depararem com situações humanamente patriotas que se sinta orgulhoso de ter e de fazer diferente.
    Por que a maioria dos canditatos do psdb e do dem não querem reforma eleitoral? teme perder o controle da mamata. Mas o povo vai mudar isso.
    Quero ver veja, globo, estado de SP, Istoé, época e toda a imprensa vendida se curvarem mais uma vez à vontade do Povo.
    o segundo mandato de lula já é uma humilhação para a midia, imprensa brasileira que se viu vencida….kkkkk
    agora vão dar com os burros nagua.kkkkk
    Não vai adiantar bombardearem a net com conversinhas fiadas, o povo nao cai mais no golpe da ” corrupição”, todos ja sabem que boa parte foi verdade mais a maioria foi curtina de fumaça para esconder a origem.
    o caso da agenda, nossa, deram um foca na dilma, fecharam nela, como se a opiniao publica nao soubesse ler nas entrelinhas como dizia clarise lispector.
    SÓ SEI QUE VÃO TER QUE ESPERAR MAIS UM POUCO PRA GANHAREM OUTRA ELEIÇÃO NA NIVEL DE PRESIDENCIA, POR QUE AGORA É DILMA, DEPOIS LULA DE NOVO E VOU RIR COM ARNALDO JABOR FAZENDO SUAS GAIATICES NA TV ACHANDO QUE TA CONVENCENDO ALGUEM.

  7. “Ora a corrupção, nunca antes na história deste pais, foi tão grande e mesmo assim vejo reiterados artigos de sua autoria apoiando e incentivando o governo do PT sob o viés econômico”
    O artigo do Kanitz defendeu uma medida
    econôminca tomada por uma membro, uma PARTE do governo ( cujo TODO é economia + agricultura + educacao + ..)
    e não o GOVERNO todo. Acusar o Kanitz de apoiar o govertno é o erro lógico de “a parte pelo todo”.

  8. Acho q os investidores confiam no real, tanto o é que o governo teve de taxá-los, conforme comentado abaixo…

  9. Vc já foi à casa dos mais pobres?
    Nas minhas visitas de PSF, nas casas de pau a pique, das favelas, eles têm TV de Plasma, Câmera Digital e Celular. “saia às ruas”, sr. Walace, e veja o que o acesso ao crédito possibilitou…

  10. ora bolas, se meireles é tão bom, porque não meireles para presidente em 2010!!!

  11. Kanitz, não sou apenas eu que digo que você LULLOU e pirou, o post do Antonio Franco confirma o que eu disse no post anterior. Ainda dá tempo de pular dessa canoa furada!

  12. Caro Kanitz,
    já escrevi a esse respeito em momento anterior e até me senti lisongeado quando mencionas que “Não estou defendendo a “reeleição” do Lula, nem necessariamente a continuação do governo PT, como alguns estão aqui insinuando.” Supus que voce tenha lido o meu post…
    Acontece que não estamos insinuando não. Estamos afirmando isso. Senão vejamos:
    1) 40 personalidades do governo são denunciados por corrupção no primeiro governo,
    2) o TCU interrompe obras a torto e a direito por conta de corrupção,
    3) jornalistas defendem a criação do Museu da Corrupção (no inacabado predio da Cidade da Musica, no RJ, do ex-prefeito Cesar Maia)
    Ora a corrupção, nunca antes na história deste pais, foi tão grande e mesmo assim vejo reiterados artigos de sua autoria apoiando e incentivando o governo do PT sob o viés econômico. Com a abundãncia de recursos que o mundo o viveu nos ultimos oito anos até um poste seria um bom administrador financeiro.
    Qual o motivo deste apoio todo agora, no momento da 3a eleição do mesmo governo? ou sera que voce também defende que o governo da Dilma (Deus nos livre e guarde) será uma coisa nova, desvinculada da atual administração?

  13. Prezado Kanitz, me explica o que é mudança de 360 graus…
    Olha, O Sr. Lula tem uma grande qualidade. Soube delegar as principais decisões de governo, e assim o Dr. Meirelles deve ser lembrado como o maestro das mudanças da política monetária. O Presidente nem longe tem preparo para decisões nesse nível, é um político, que discursa, discursa e nunca desce do palanque.
    Contudo, ele sabendo da precariedade de seus conhecimentos formou equipes e deixou seus principais subordinados trabalhar, muitas vezes decidindo sem consultar. Principalmente, quando cedeu cargos importantes aos aliados. Enfim, isso é política. O Brasil ainda requer um Estadista. E devemos recusar essa imposição de candidatos como é o caso da futura presidenta Dilma.

  14. Pegando carona no que disse o Walace acima a questão que não quer calar é: Por que esta alteração no perfil da dívida interna não nos impulsiona a melhorar a distribuição de renda? Por que a classe média continua acentuadamente a ser achatada? Por que o congresso não vota o projeto de lei intitulado Renda Cidadã? Haja vista que este projeto de lei do senador Eduardo Suplicy atingiria sobremaneira TODAS as classes sociais.

  15. Prezado e respeitado Kanitz,
    Atribuir ao Lula a decisão de trocar a divida interna em dólares por dívida interna em reais é demais para meu coração!!!
    Essa estratégia seguramente pertence ao Meirelles, ele e somente ele com o conhecimento técnico que tem.
    No entanto, não podemos atribuir somente ao governo passado a geração desta dívida interna em moeda estrangeira (dólares, ienes, libras etc.).
    Esses títulos atrelados em moeda estrangeira eram necessários visto que a instabilidade da(s) nossa(s) moeda(s) no passado NÃO permitia o governo lançar títulos nela (qual investidor seria maluco de comprar títulos em moedas que perdiam valor durante o dia??).
    Se o governo não lançasse títulos em moeda estrangeira, nunca financiaria o seu elevado custo (custo da máquina estatal, gastos públicos).
    Consideremos, então, o endividamento em moeda estrangeira como um passo necessário (doloroso) para assim que a moeda brasileira ganhasse confiança (leva tempo) e força, títulos nominais nela pudessem ser lançados.
    Portanto, caro Kanitz, acredito que a abordagem histórica para mostrar o porquê desta dívida seria mais apropriado, mostrando que o amadurecimento econômico do Brasil (com um Banco Central forte) foi embasado no passado e mantido no presente.
    Esta virada de 180graus aconteceria mais cedo ou mais tarde por ser uma decisão técnica, não importando o governo que estivesse.
    Por isso sou favorável a técnicos na administração pública, não políticos ou seus familiares.
    Por isso necessitamos de uma ANP forte e independente, ANEEL idem etc.
    Mas isso é outra história e outra discussão…
    🙂

  16. Interessante, não se faz omelete sem se quebrar os ovos… Ainda bem que o plano real deu certo.
    Senão hoje seriamos todos milionários.

  17. Prof. Kanitz,
    A Teoria Monetária nos ensina que a moeda tem três funções: Meio de Troca, Unidade de Conta e Reserva de Valor.
    Não sou um economista brilhante e muito menos um historiador, mas não podemos apagar da história do Brasil os fatos anteriores a Julho/1994.
    Seu comentário é muito bom e bem fundamentado, mas esqueceu de dizer que até a Unidade Real de Valor (URV) ser criada em 1993, a moeda brasileira não cumpria duas de suas funções: Unidade de Conta e Reserva de Valor.
    Em 1993, qual era o nível de inflação? Exato! Com toda aquela inflação, não existiam muitos remédios. Vale dizer que a tática da equipe comandada pelos Profs. Pérsio Arida e Edmar Bacha era acabar com a indexação da economia, para que a inflação pudesse arrefecer, já que não era uma inflação nem de demanda, nem de oferta, mas, sim, inercial.
    Havia em 1993 uma crise de confiança contra a economia brasileira. O dinheiro que orbitava as nossas fronteiras era o do Overnight.
    Não estou dizendo que a política monetária do Gustavo Franco tenha sido a mais acertada no primeiro mandato do FHC, mas não dá para simplesmente esquecer os problemas existentes no Brasil no início da década de 1990.
    Vale dizer também (o que já postei em outro comentário) a capacidade dos agentes econômicos adquirirem conhecimento ao longo do tempo.
    Enfim…
    Anderson Gonçalves dos Santos
    Secretário de Formação Política
    JPSDB – Diretório Municipal São Paulo/SP
    angssp@gmail.com

  18. Aaaahhh, logo agora que o dollar vem perdendo valor perante todas as moedas do mundo…
    Não tem problema, basta aumentar os impostos e taxas.

  19. Bom artigo, mas superficial.
    Qual era o contexto quando da adoção da âncora cambial?
    Qual o estado atual das contas do Estado?
    Qual é a tendência? O Estado está criando mecanismos para ter uma dívida sob controle nos próximos anos ou está armando uma arapuca de gastos públicos que serão insustentáveis?
    Talvez seja difícil entrar em tantos detalhes em um post de blog, mas pelo menos dessa vez você não deu crédito a Lula pelo que ele não fez.

  20. Bom post. Concordo integralmente, com a única ressalva de que a mudança foi de 180º e, não, de 360º (se fosse de 360º, não teria saído do lugar). Pena que pouquíssimos comentaristas, jornalistas e economistas tenham se dado conta do importante legado do governo Lula. É uma pena; mas faz parte da democracia…

  21. Concerteza divida interna indexada ao dólar não foi bom para o Brasil, mas será que os investidores confiariam no real?
    Foi devido as reformas do governo FHC que o Brasil adquiriu a confiança dos investidores, não devemos parar nelas e sim continuar a transformação do nosso país.
    Infelizmente o governo atual não tem interesse em tomar medidas impopulares o que dificulta e muito o processo de transformação.

  22. Excelentes os comentarios à exceção do Wallace. Vi o Lula dizer que deixaria de pagar a divida externa para resolver o problema da seca no nordeste, quando ele ainda era um candidato ignorante.
    Wallace:o dinheiro que estamos poupando do pagamento da divida externa não serve para resolver as nossas mazelas internas. Procure se informar mais….governos tambem não resolvem os problemas por decreto. Precisamos apenas reformar nossas leis que não funcionam, e um bom programa de controle de natalidade para que os pobres possam ter o mesmo numero de filhos que os ricos…..

  23. Kanitz! Cada vez mais defendendo a perpetuação do PT no poder! Entretanto, vamos ESPERAR para ver o que vai dar. Não existe esse negócio de país blindado contra crise. Do jeito que as coisas estão indo, o país não passará de um mero entreposto para os navios pegarem água e coco! e os “índios” dando “frexada” uns nos outros!

  24. Seus argumentos são válidos, contudo, entendo que o governo Lula é um grande oportunista: estava no lugar certo, na hora certa em diversas situações. Em relação à transição drástica do perfil da dívida interna realmente foi uma decisão acertada mas, sem dúvida, o objetivo não foi dar maiores “garantias” ao investidor externo, mas mais um oportunismo!
    Caso fosse esse o entendimento do nosso governo, não teriam sido taxadas as entradas de capital externo, o que veio a, absurdamente, estancar uma significativa migração de capitais para nossa Bolsa desde o início da crise, sob a alegação que seriam capitais especulativos. E quem disse que são maléficos esses capitais???
    Enquanto nossos gestores continuarem com essa visão, a China seguirá crescendo à indices galopantes e o Brasil à passos de tartaruga!

  25. concordo com esta mudança na política cambial, mas é a política fiscal. O goveno arrecada muito e gasta mais ainda. Gostaria que falasse disso. A políticâ econômica tem que ter sucesso em todos os setores. Para termos um crecimento econômico. O gasto do governo e a corrupção é o grande legado deste governo. Seja em dólar ou real

  26. Mais uma vez parabenizo seus esclarecimentos. Nós que somos muitas vezes chamados de “FORMADORES DE OPINIÃO” na verdade não temos conhecimentos tão importantes como os apresentados pelo Sr.
    Espero que a “TURMA DO CONTRA” seja humilde o suficiente e saiba agradecer tais informações.
    Estou ansioso para ler seu novo livro.

  27. O que acho engraçado é que apesar do governo ter tido todo este êxito, se olharmos para o lado vamos ver que a miseria não mudou, continua os milhares desempregados, o milhares que ganham um só salário minimo, os milhares que passam fome. Apesar desta conquista eu não vi as conquista dos que vivem na classe baixa, as diferenças sociais ainda são enormes. MInha pergunta é, se o governo não tem mais divida e tem uma grande reserva, para onde está indo o dinheiro que não pagamos mais divida externa?

  28. só faltou dizer que o povo depois de tudo isso trocou o consumo do pé de galinha pela coxa e sobre-coxa.
    foi uma ruptura…
    o futuro nos dirá para onde estas mudanças levarão…

  29. Faltou dizer: Que fatores levavam a dívida interna a ser indexada em dólar no passado e que fatores possibilitaram essa mudança, com o Henrique Meireles. Seria a estabilidade de nossa moeda?
    Uma “mudança” de 360 graus, corresponde a uma volta completa, para continuar na mesma direção. Acho que não foi esse o sentido que você quis dar ao escrever esse artigo.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14