Capitalismo Financeiro Não É Capitalismo !!

Alavancagem das Empresas Brasileiras

[pullquote]Capitalismo Financeiro somente é possível graças ao Estado social ou socialista[/pullquote] 

 

 

 

 

 

Quem nunca estudou Administração confunde e coloca no mesmo saco Capitalismo e Capitalismo Financeiro.

Acham que este último é a causa de quase todos os problemas do “capitalismo”.

Capitalismo Financeiro somente é possível graças ao Estado social ou socialista.

É o Estado que permite este “capitalismo” financeiro ter o tamanho que tem.

Vou explicar.

A quebra de uma empresa capitalista de parafusos, sabão, comida, etc, nunca gera uma crise “capitalista”. Todos as crises do “capitalismo” foram causadas pelo setor financeiro, de 1929 em diante, até esta última de 2008.

O setor financeiro quebra de tempos em tempos por ser o único setor, com o explícito apoio do Estado, a se alavancar de 8 a 40 vezes.

Nenhuma empresa de parafuso consegue fazer isto porque não há Bancos Centrais para empresas capitalistas de parafusos, somente para o setor de bancos. 

Bancos podem se endividar de 8 a 40 vezes, contra 30% até 100% dos demais 200 setores da economia.

Entendam que 8 a 40 vezes significa 800 a 4000% de alavancagem para o setor financeiro. 

Bancos só conseguem fazer isto porque existe um Banco Central que os acode quando exageram na alavancagem, graças às garantias de proteção do FDIC, e a permissão absurda de bancos poderem trocar chumbo entre concorrentes, o interbancário.

Imaginem se a Coca Cola emprestasse água para a Pepsi em época de sufoco.

E quem se alavanca de 8 a 40 vezes, tem 8 a 40 vezes mais chances de quebrar, e como sempre a “proteção” do Estado nestas horas é tardia, e a recessão uma consequência.

Notem que é assim que economistas têm o seu enorme poder, o poder de salvar o setor mais poderoso, que assim controla os demais.

Por isto repito, todos os ex-diretores e presidentes de Bancos Centrais acabam trabalhando no setor financeiro.

Por isto economistas querem um BC independente, mais ágil e mais subserviente ao setor. 

Permitir um único setor se alavancar 20, 30, 40 vezes, obviamente permite a este setor ser 20, 30, 40 vezes mais poderoso do que os demais.

É isto que você quer? Mas isto nada tem a ver com capitalismo.

Capitalismo se alavanca 30% a 100%. Socialismo Bancário, ajuda e intervenção do Estado é que permitem ao setor bancário ter a força que tem.

É o setor que financia Capitalismo Financeiro que somente é possível graças ao Estado social ou socialista e economistas do Estado. Um troca troca vantajoso.

Mas se você é uma Luciana Genro, Wladimir Safatle, Marilena Chauí, estude por favor. E pare de falar tanta bobagem administrativa por aí. 

(Lido por 15 pessoas até agora)

8 Comments on Capitalismo Financeiro Não É Capitalismo !!

  1. Falando um pouco mais sério : Os Bancos se alavancam de 8 a 40 vezes há anos e no mundo todo e isso ocorre justamente para permitir crescimento da indústria e outros negócios com credito disponível a custo acessível. No Brasil nunca tivemos , com ou sem 8 a 40 vezes de alavancagem , crédito acessível e a custo razoável. Por isso a mortalidade das nossas empresas cresce na medida em que os empresários e executivos repetem a administração de Harvard e outras mas em contexto diferente e por isso em geral morrem pelo custo do capital de giro. Vide a história de empresas que quebraram .
    Agora alavancagem mesmo é do BNDES que tem o crédito baixo , a custo acessível , mas só para os amigos do poder !
    O Viés é de administração sim , financeira também, e política ! Nada a haver com a economia como ciência !

  2. Certamente é por isso que todos os cursos fortes ou fracos em finanças que formam administradores financeiros tem a base no curso de administração e não em economia. Ah! Agora entendi !!! rsrsr

  3. Simples Thiago faça poupança.
    Tenha dinheiro guardado, Comece a pensar a comprar ou ter dinheiro para pagar o aluguel da sua casa dos sonho cedo. Não aumente seu padrão de vida antes dos 35 anos.
    Faça como os americanos viaje 3000 km da casas dos pais para estudar (faça o cálculo para sair da casa dos pais, se a família tiver meios mostre o plano pra família), cuide e planeje sua vida desde cedo.
    Receba juros não pague.
    Tenha paciência, não alavanque sua vida.Não faça dívidas acima de 3 anos.
    Não faça do seu principal “patrimônio” seu carro.
    Daí o mercado financeiro irá se adequar ao novo perfil do brasileiro poderemos diminuir , juros, impostos sobre as pessoas jurídicas ( que quem paga imposto é PJ pessoa física compra o repasse do imposto no produto mas se empresa não conseguir vender o produto vai ficar com o prejú).

  4. No seu comentário você embutiu a resposta ao Tiago: fim das reservas fracionárias…kkkk

  5. Um troca-troca vantajoso para quem mesmo? Texto meio confuso!

  6. Professor, não acha que esse capitalismo financeiro baseado na alavancagem também se expandiu para a construção civil nos últimos 5/6 anos no Brasil?

    Pergunto porque não consigo entender como ativos imobiliários consigam valorização de 200%, 300% em tão pouco tempo!

    Para mim há uma verdadeira pirâmide financeira arquitetada pelas construtoras, com a benevolente ajuda do Estado via empréstimos e créditos fartos da CEF, por meio de vendas falsas na planta para pessoas que nunca conseguiriam ter aprovado um financiamento. Basta pesquisar o número absurdo de distratos dos contratos de “vendas na planta” (PDG, por exemplo, está à beira da falência a meu ver…)

    Os primeiros que entraram na pirâmide (muitos especuladores) ganharam muito, como em toda lógica de pirâmide financeira. Agora o quadro inverteu. O mercado congelou, as vendas estagnaram, os especuladores estão pulando fora e os estoques subiram nas alturas.

    Qual a estratégia das construtoras diante desse quadro? Continuar lançando, fomentando e mantendo a pirâmide, porém, imóveis cada vez menores, de modo a manter o preço sobrevalorizado e alavancado.

    Até onde pode chegar este tipo de situação? Na minha modesta opinião, o capitalismo financeiro no Brasil irá quebrar nas mãos das construtoras, e não dos bancos, concorda professor?

  7. Não é tão simples assim…
    Imagine se você deposita R$1.000 no banco e eu pego emprestado R$ 1.000.
    No final do dia você tem R$ 1000 e eu também.
    São R$ 2000 que na verdade existe apenas R$ 1000.
    As crises acontecem quando todos vão aos bancos sacar o dinheiro.
    Ele não tem para te dar, pois emprestou pra mim

  8. Kanitz, qual seria a solução para isso? Criar leis que limitem a alavancagem máxima para o setor financeiro?

Comments are closed.

UA-1184690-14