A Derrota dos Intelectuais

Todo país precisa de pessoas pensantes de várias disciplinas para, juntas, encontrar soluções para suas aflições. Os Estados Unidos devem muito a seus think tanks, como Brookings Institute, NBER, Russell Sage Foundation, muitos criados em 1910 e que contribuíram para o desenvolvimento do país. 

Leiam The Idea Brokers, de James A. Smith. Talvez seja por isso que o Brasil está à deriva, sem rumo e sem projeto. 

Pesquisem os sites de nossas principais universidades e procurem as “soluções para a corrupção”, soluções para os juros altos”, “ soluções para a questão da previdência”, “soluções para fazer o Brasil crescer”.

Quando muito, encontraremos papers de um professor ou outro, raramente uma solução multidisciplinar incluindo direito, economia, administração, demografia, sociologia, medicina, atuária, só para citar as áreas que deveriam se reunir para achar uma saída para a previdência, por exemplo.

Nossos planos de combate à inflação não foram criados por universidades com o concurso de psicólogos, contadores de custos, administradores, advogados, publicitários, economistas de várias escolas, como deveria ter ocorrido. 

O mais dramático dos planos, o Plano Collor, foi elaborado às pressas por três professores acadêmicos enfurnados num hotel.

O cerne do conceito de universidade é justamente congregar intelectuais num mesmo lugar ou “universo”, para que eles pesquisem e proponham soluções em conjunto.

Quando eles assinam algo em conjunto, são muitas vezes abaixo-assinados com platitudes como “precisamos aumentar os gastos com a educação”.

Nossos intelectuais, com notórias exceções, têm muita dificuldade para desenvolver trabalhos em grupo. A grande maioria é no fundo individualista, egocêntrica, vaidosa e persegue seus interesses pessoais de pesquisa. Muitas das qualidades que eles próprios criticam e odeiam.

No setor privado, quem não sabe trabalhar em equipe ou em grupo não mantém o emprego nem um dia sequer. 

Não é esse tipo de intelectual de que o Brasil desesperadamente necessita. Intelectuais custam caro. 

Sustentá-los para que fiquem pensando por nós nas faculdades é um luxo que somente países desenvolvidos têm condições de custear.

Num país pobre, eles precisam justificar cada centavo que o povo neles deposita. Um recente estudo da OCDE mostra que o Brasil é o país que mais gasta com universidades e não tem o retorno que deveria.

Este silêncio, essa flagrante omissão no especificar soluções multidisciplinares, em entrar nos detalhes, a tendência de ser simplesmente contra alguma coisa, não justifica o salário. 

Corremos o risco de o povo, os políticos, os governantes, não mais acreditarem na manutenção da classe intelectual

Editora Abril, Revista Veja, 27 de setembro de 2006, página 24

(Lido por 559 pessoas até agora)

UA-1184690-14