Se Karl Marx Tivesse Estudado Administração

[pullquote]Karl Marx achou que eventualmente haveria poucos capitalistas dominando tudo, auferindo todo o lucro.[/pullquote]

Na época de Karl Marx havia pouco capital e poucos capitalistas.

Tanto que os marxistas criaram como seu símbolo a foice e o martelo, bens de capital que custam menos que R$ 10,00.

Um tear mecânico custava na época em torno de R$ 12.000,00, só que aumentava a produtividade do tecelão em mais de 10 vezes.

Num primeiro momento este aumento de produção não chegava a afetar o preço do tecido que ficava praticamente igual, nem do trabalhador.

Os primeiros donos de teares, os engenheiros texteis, passaram a ganhar nove vezes mais do que na produção manual.

O lucro inicialmente se tornou colossal.

Foi isto que Karl Marx viu, e infelizmente achou que era o normal e não um fenômeno sui generis.

Do dia para a noite, o lucro que era de 10% sobre um tecido passou a ser de 50%, uma baba. O que permitiu a compra de mais teares. 

Pergunte a um empresário ou capitalista o que ele acha de fornecedores que embutem margens de lucro de 50%.

Garanto que ele responderá “um bando de ladrões”, a mesma análise feita por Karl Marx. Como isto é possível? 

Karl Marx não entendia de Processos Dinâmicos. Ele não tinha à sua disposição um Excel.

Não conseguiu ir além da sua análise da situação da época, não conseguia simular o futuro nem como tudo isto iria terminar.

Sem Excel e Matemática de Processos Dinâmicos, Marx achava que os capitalistas seriam cada vez mais ricos, e os trabalhadores cada vez mais pobres.

Achava que os engenheiros texteis iriam dominar o mundo, que seriam hoje os donos de bancos, telefonicas, da Apple. 

O que Karl Marx e os marxistas de hoje não  entendem?

O mínimo de administração.

As empresas reinvestem 90% dos seus lucros, devolvem por assim dizer a mais valia de Marx, de volta para a sociedade comprando mais e mais teares.

Maior produtividade e mais teares começavam a saturar o mercado da época e os preços despencaram.

Marx, o intelectual mais influente do mundo depois de Adam Smith, previu que o número de capitalistas da época ficaria cada vez menor, e no final, na mão de uma única pessoa. 

Karl Marx achou que eventualmente haveriam poucos capitalistas dominando tudo, auferindo todo o lucro, e bastaria uma pequena revolução para eliminá-los e teríamos a sociedade justa e igualitária de imediato.

Só que as margens de lucro despencaram de 50% para 2% sobre o preço de venda

Como todo administrador sabia na época.

Basta ler as edições de Melhores e Maiores.

Hoje quem cobra 50% do povo consumidor é o Estado, via impostos.

A maioria das empresas tem margens de lucro de 5%, e 20% delas operam no prejuízo.

Basta consultar a edição.

Por quê? 

Em Administração descobrimos que era melhor ganhar pouco (2%) de muita gente do que fabricar Rolls Royce caro para poucos.

Era melhor ganhar somente 2% de muita gente do que ganhar 50% de pouca gente.

Algo que Marx não imaginou que poderia ocorrer.

Honestamente, você se incomoda em dar 2% do preço do produto para o empreendedor que criou o produto que não existia, que organizou toda a equipe de produção, que gerou todo o sistema administrativo, que paga bem seus funcionários dando creches, educação e fundos de pensão que deveria ser função do Estado?

Que arrisca um dia quebrar e perder tudo porque você não gosta do produto, que produz antecipadamente para que você sempre possa comprar aquilo que você precisa?

Eu não pegaria em armas para destruir este sistema, para entregar tudo a gestores de estatais que nem sempre são tão eficientes e comprometidos com o consumidor.

Se aparecer um setor com 50% de lucro, a saída é permitir mais concorrência que irá reduzir a margem, em vez de dar poderes monopolísticos para a Petrobras, a Vale, aos Correios, a Caixa, ao Banco do Brasil e assim por diante. 

Karl Marx nunca estudou administração, e não percebeu que capitalismo se combate com mais capitalismo, com mais “concorrência”, algo que não existe nas escolas de Marxismo, onde os professores têm monopólio, emprego vitalício, onde o melhor aluno jamais lhe substituiria como professor.

Marxistas, Socialistas, Trotskistas, Maoistas, Stalinistas, Chavistas, Castristas, enfim, não perceberam que já em 1800, administradores estavam substituindo os barões capitalistas do passado e que os trabalhadores seriam proprietários das ações das empresas em que trabalhavam, via os Fundos de Pensão que nós administradores criamos.

Metade das ações das 500 maiores empresas americanas estão hoje na mão de seus funcionários, e a outra metade nas mãos das viúvas dos antigos funcionários.

Fomos nós administradores que implantamos a justiça que Marx tanto sonhou, e não os acadêmicos socialistas como Arrow, Joan Robinson, e Paul Sweezy.

Karl Marx ensinou três gerações de acadêmicos a pregarem a estatização, os monopólios estatais.

Petrobras, Vale, Eletrobrás, Sabesp vendem commodities até hoje.

Não precisam de administradores que acrescentam valor à matéria prima.

Precisam de acadêmicos que saibam determinar o Preço de Mercado e nada mais.

Se Karl Marx tivesse estudado administração, Rússia, Cuba, China, Índia e o Brasil não estariam tão atrasados como estão hoje.

(Lido por 113 pessoas até agora)

UA-1184690-14