Não Abaixem o Juro, Será Um Verdadeiro Desastre

  O Copom deverá reduzir os juros de 8,25% para 7,50%. Que consolidaria uma economia em crescimento em 2018, e uma eleição sensata para Presidente da República. Mas como tenho alertado, a inflação não é de 3% como vocês jovens economistas estão divulgando. A inflação atual está muito mais próxima [Continua….]

Bolsa Não Bateu Recorde Nenhum

  As manchetes afirmando que a Bolsa bateu o recorde de 73.590 pontos, alcançado em 2008, são falsas. É assustador como os jornalistas se deixam levar por análises erradas de suas fontes, consideradas entre as mais inteligentes desse país. Essas fontes compararam Reais de datas diferentes. Um erro que já [Continua….]

Aumenta a Concentração Bancária no Brasil

  Não entendo como o Banco Central pré-aprovou essa concentração bancária. Economistas deveriam saber do efeito negativo na economia de monopólios e oligopólios. Lucros monopolísticos, possibilidade de não serem prejudicados por empreguismo e ineficiência. A função de um banco é emprestar dinheiro para a indústria, comércio, serviço, mecânica, atacado e [Continua….]

Gastamos Somente 3% do PIB Em Juros

Eu já não entendo mais nada.

Há mais de vinte anos estou escrevendo artigos sobre um erronomics que tem aumentado a percepção do risco Brasil à toa, elevando os nossos juros à toa, e a impressão que tenho é que ninguém lê.

O governo e a imprensa acabam de divulgar que o “custo dos juros no governo Lula foi de nada menos que 150 bilhões de reais em 2003, quase 10% do PIB”.

Mais uma vez repetem um erronomics, com sérias consequências econômicas, um erro para mim tão óbvio e banal, daí minha aflição.

[Continua….]

Por Que a Esquerda Mente Sobre a Desigualdade Brasileira?

  Tempo de leitura: 55 segundos Economistas de esquerda, aqueles em quem nossa imprensa ainda acredita, vivem mentindo que os 10% dos brasileiros mais ricos recebem 40% da renda. Piketty, o economista francês, ficou famoso com esse Fake Economics. O que escondem, e nossos jornalistas ingênuos não verificam, é que [Continua….]

Nominalismo e a Crise da Dívida Externa

  A prática nominalista de embutir indiretamente a inflação do país emprestador nas taxas de juros, em vez de embuti-la nas amortizações, foi uma das principais causas do ingente problema da dívida externa do Brasil. (Este artigo foi escrito originalmente em 1984, e foi responsável pela minha ida ao governo [Continua….]

O Nominalismo e o Deficit Nominal Zero

  Como reduzir a dívida com toda esta má vontade política?            Só existe uma forma de reduzir os juros em um país. A única forma de reduzir os juros é reduzindo a dívida. Todos estes apelos para reduzir os juros diretamente são ingênuos, porque o problema [Continua….]

Perdoem Meu Desabafo

  No meu artigo “Perdoem o meu Desabafo”, publicado na Revista Veja de 14 de janeiro de 2004, eu questionava mais uma vez, a informação amplamente divulgada por economistas nominalistas, jornalistas econômicos, pelo próprio Presidente do Banco Central e pelo Vice-Presidente da República, que o governo brasileiro pagou de juros [Continua….]

Globalização ou Comunitarismo?

Um dos meus artigos que vive caindo nos vestibulares de redação, por parecer de esquerda, é o “Você Está Despedido”, de 2001. Vale a pena ler, e ele se refere a uma aula que tive onde o professor de administração, Prof. Athos, expulsou da sala um aluno que queria economizar [Continua….]

Entendam Esses 12,25% de “Juros”

  Tempo de leitura: 3 minutos A Selic é uma narrativa econômica bem elaborada. Uma narrativa do Fake Economics, portanto uma mentira. Esses 12.25% não são juros apesar da manchete em todos os jornais. Esses 12.25 são parte dessa equação. 12,25% = juro + inflação futura e incerta. Quando você [Continua….]

1 2 3 5
UA-1184690-14