Santos Dumont na Olimpíada

 

Tempo de leitura: 95 segundos

 

Eu sei que Santos Dumont é um herói nacional e que todos foram ensinados a venerá-lo como acabamos de fazer nas nossas olimpíadas, mas lembre-se de uma coisa muito importante.
 
A escolha de heróis diz muito sobre a cultura de um país.
 
Por que escolhemos Santos Dumont?
 
Por que não escolhemos tantas outras pessoas excepcionais que poderiam nos servir de exemplos, como a Irmã Lina, que ninguém no Brasil conhece? Justamente por isso.
 
Santos Dumont se tornou herói porque um capitalista francês criou o prêmio Deutsch de la Meurthe de 50.000 Francos franceses para o primeiro que produzisse um avião que contornasse a Torre Eiffel, em Paris, França.
 
Santos Dumont, que viveu todo esse tempo na França, aceitou o desafio como dezenas de outros franceses.
 
O motor do 14 Bis era francês, os ajudantes eram franceses, o local era a França, e quem noticiou o feito foi a imprensa francesa.
 
Nossa imprensa, que nem sabia deste tal concurso, somente se deu conta de Dumont depois de declarado o vencedor.
 
A única coisa que Santos Dumont não pode controlar foi o país em que nasceu.
 
Ou seja, nossa elite improdutiva e incompetente enganou você, se apropriando de um francês e dizendo que foi o Brasil que inventou o avião.
 
Dumont é fruto da cultura francesa, e não da cultura brasileira.
 
Cultura que incentiva empreendedores criando desafios e prêmios “para o primeiro que fizer x”.
 
Que desafio lhe foi colocado e qual é o prêmio?
 
E ninguém no Brasil se inspirou em Santos Dumont, tanto é que dois anos depois a França possuía 30 companhias aéreas e o Brasil nenhuma.
 
Foram os Estados Unidos, e não o Brasil, que acabaram tomando essa indústria dos franceses, criando o mito dos Irmãos Wright.
 
Santos Dumont é nosso herói porque não temos heróis e nossa elite incompetente se apropria.
 
E não temos heróis porque temos uma elite de intelectuais, jornalistas, políticos blefadores, enganadores, e você é mais uma vez a vítima.
 
Dediquei minha vida para criar prêmios, como o Prêmio Melhores e Maiores, o Voluntário do Ano, o Prêmio Bem Eficiente, com muito custo pessoal.
 
E posso dizer que temos muitos heróis sim, mas que nunca valorizamos.

(Lido por 236 pessoas até agora)

UA-1184690-14