Respeitai-vos Uns aos Outros

 

“Amai-vos uns aos outros” (João 13,34) é um comando religioso claro e inequívoco, mais conhecido do que os dez mandamentos.

É um mandamento exigente, difícil de cumprir. Se a paz mundial depender da incorporação desse valor, o futuro não será muito otimista.

Estamos nestes 2.000 anos caminhando no sentindo inverso, a cada dia que passa.

Não sou estudioso de religião. Portanto, aceitem esses comentários com as devidas reservas.

Minha singela observação é repetir o que todo administrador constata em sua vida secular: metas muito elevadas acabam tendo um efeito contrário ao que se deseja.

Talvez seja isso o que está acontecendo no mundo cristão, a meta é ambiciosa demais.

Ou, talvez, alguém há 2.000 anos inadvertidamente tenha errado na tradução do hebraico.

Em vez de “Amai-vos uns aos outros”, a tradução correta deveria ter sido “Respeitai-vos uns aos outros”. Um mandamento mais brando, mais fácil, é um bom começo para voos mais altos.

Respeitar as nossas diferenças como seres humanos, nossas culturas, nossas religiões e nossos tiques individuais é bem diferente de amar a cultura, a religião, e os tiques nervosos do próximo. Posso perfeitamente respeitar uma pessoa diferente e estranha, embora nunca pretenda amá-la.

Não vejo como alguém criado com preconceitos possa passar a amar seu concidadão, um salto quântico impossível.

Mas ensinar nossos jovens a pelo menos respeitar o negro, o oriental, o gay é uma meta mais factível do que amá-los.

Nunca ouvi um líder negro exigir ou pedir o amor dos brancos.

O que ouvimos das lideranças negras é um pedido de mais respeito, alguns chegam a exigir “um mínimo de respeito”.

A que ponto chegamos! Por que não tentamos criar uma sociedade em que haja o “máximo” de respeito e deixamos o amor para os jovens apaixonados?

O que ouvimos das lideranças negras é um pedido de mais respeito, alguns chegam a exigir “um mínimo de respeito”.

Teólogos ortodoxos irão argumentar que ser cristão é para quem pode, não para quem quer.

Padrões éticos e religiosos são para ser seguidos e não relaxados, só porque ninguém consegue cumpri-los.

Seria um desastre reduzir o nível ético só para aumentar o número de devotos, algo que muitas religiões estão fazendo. Mas não deixa de ser um desastre a falta generalizada de respeito mútuo que o mundo atravessa hoje.

Um dos empresários mais bem-sucedidos do Brasil, Rolim Amaro, um amigo de quem sinto uma enorme saudade, nasceu extremamente pobre.

Ele me confessou que o pior da pobreza não era a fome, o frio nem as privações materiais.

“O pior é o desrespeito. O desrespeito dos mais ricos, dos funcionários públicos, da classe média arrogante.”

Ninguém é pobre porque quer.

A pobreza já rebaixa muito a autoestima e reforça essa condição de pobreza.

E a última coisa de que um pobre precisa é ter de aturar o desrespeito dos outros.

Trate um pobre com respeito e você estará de imediato aumentando sua autoestima, o que é um início da solução de seus problemas.

Pobres respeitam pessoas bem-sucedidas, como Pelé e Roberto Carlos, que ganharam seu dinheiro honestamente.

A riqueza, na ausência de penúria flagrante, é mais do que aceita pelos pobres, que no fundo almejam a mesma coisa.

Quem não aceita acumular riqueza e poupança para a velhice é intelectual de universidade, que curiosamente tem um salário e aposentadoria integral garantidos.

O Brasil vem sendo governado por oligarquias intolerantes e intelectuais arrogantes que não respeitam nem ouvem a opinião de ninguém.

Não é por acaso que nossa autoestima como nação está lá embaixo e a arrogância dos donos do poder está lá em cima.

Governos que não respeitam a opinião de seus cidadãos acabam com populações que não respeitam seus governos. É o fim da democracia.

Vamos começar o ano com uma meta mais light, menos exigente. Vamos começar respeitando-nos uns aos outros.

Feliz ano novo, com todo o respeito.

 

Artigo publicado originalmente na Veja.

(Lido por 356 pessoas até agora)

UA-1184690-14