Mais Poder Para a Empresa Familiar

 

Quando o BNDES era administrado por Engenheiros, nos seus primeiros 20 anos, ele financiava o Desenvolvimento, sua razão de ser.

Depois o BNDES passou a ser administrado por vocês sabem quem, se tornou um órgão de apoio a empresas familiares, tese que venho expondo aqui regularmente.

Paulo Rabello de Castro, Presidente do BNDES, não fez outra.

Ajudou uma família a ser mais poderosa ainda, comprando sua concorrente graças a uma dívida colossal de R$ 50 bilhões.

Uma dívida para não perder o controle acionário, com a ajuda de sempre do BNDES.

Nada contra a Família Feffer, mas sabemos que nenhuma empresa familiar consegue crescer e manter o controle para sempre.

Sucumbem a uma briga entre netos e genros ou são engolidas pelas empresas profissionais que cresceram.

Por que não assumir já o modelo de Empresa de Capital Democrático, profissionalmente administradas, com Conselhos de Administração supervisionando, com Auditores Auditando, com acionistas cobrando, com ativistas inspecionando?

Mas que graças ao BNDES e nossos “gurus” de administração totalmente ausentes, jamais almejam.

 

(Lido por 733 pessoas até agora)

Seja o primeiro a comentar

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14