Pai Rico, Filho Nobre, Neto Pobre

 

Mais uma empresa familiar foi para o brejo.

Na era da informação, onde pessoas precisam ser atualizadas constantemente é de se perguntar por que a maior Livraria foi à falência?

Numa era onde todo profissional, médico, engenheiro, administrador tem que se manter atualizado pelo resto de suas vidas, é de se perguntar por que a maior Livraria do Brasil foi à falência?

Primeiro, basta perceber que essas profissões eram mal servidas pela Cultura, médicos e engenheiros compravam esses mesmos livros quando iam a congressos internacionais.

O forte eram romances e literaturas, que competiam com a Globo, Netflix, etc.

Segundo, como toda empresa familiar, o dono manda, e a maioria nunca aceita mudanças.

Me lembro de comentar com Pedro Hertz como ele iria se adaptar à Amazon, e ele me respondeu que a Amazon jamais daria certo.

Achei estranho, mas o especialista nesse ramo era ele e não eu, e por um período de tempo acreditei.

Esse é um dos grandes problemas do Brasil.

Somos o único país do mundo que ainda não fez a transição da empresa familiar para empresa profissional, que não é uma transição fácil de se fazer, por sinal.

Especialmente quando a Lei dos Economistas de 1945 mandou extinguir todas as Faculdades de Administração existentes, privando o Brasil de quatro milhões de Administradores formados necessários para essa transmissão.

Isso deveria ter sido uma das questões abordadas na última campanha presidencial, especialmente pelo Novo.

E não a independência do Banco Central, tão defendida pelo Amoêdo, que no fundo é mais poder para essa classe que destruiu o Brasil.

 

(Lido por 1503 pessoas até agora)

2 Comments on Pai Rico, Filho Nobre, Neto Pobre

  1. Olá Stephen,
    Parece que a Livraria Saraiva também está passando por dificuldades, mas agora já não sei se é uma empresa familiar também ou não.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14