Pobre Paga Mais Imposto do Que Rico? II

 

Pobre Paga Mais do Que Rico, manchete em todos os jornais do Brasil.

Vejamos o estudo da Receita Federal.

Primeiro, esta tabela mostra o verdadeiro problema deste país.

Pobre é taxado em 41% pelo do Estado cuja função deveria distribuir a renda, e não arrecadá-la dos pobres.

Nossos pobres são 41% mais pobres do que deveriam porque nossos secretários e ministros da Fazenda gastam mais do que deveriam, e aí precisam criar impostos.

Sabemos que ricos pagam mais impostos porque ganham mais, mas mesmo proporcionalmente pagam mais, três pontos percentuais a mais, segundo esta tabela.

Portanto, nem a manchete que pobres pagam PROPORCIONALMENTE mais impostos é verdadeira.

Alguém quer corrigir as manchetes?

(Lido por 365 pessoas até agora)

14 Comments on Pobre Paga Mais Imposto do Que Rico? II

  1. Quem não come frango não paga imposto.
    E a sociedade que precisamos é uma sociedade onde os Ricos em vez de comerem caviar, compram BMW pagando 100% de impostos, deixem de serem consumistas, e invistam em aumento de produção e geração de emprego.
    Mas se você rodolfo vai apontar que devido a isto estarão pagando menos impostos ( de consumo ) ficaremos mais pobres do que a China.

  2. Augusto,

    O Estudo do Dieese também é muito mais ideológico do que da Receita. Como você mesmo apontou, nossa carga tributária é baseada no consumo, e não na renda ganha, o que é correto. Taxa o consumismo, e beneficia a poupança. Quem poupa no Brasil e oferece esta poupaça para a sociedade, investindo em aumento da produção e gerando empregos, de fato é menos taxado.

    Isto que muitos queremos. Gostaria que você fosse um dêles. Taxar os ricos é transformar investimento em gastos públicos, e parece que é isto que você está defendendo.

  3. Isso serve para os ricos que trabalham. Há quem conheça os meios de se ganhar dinheiro pagando menos imposto, normalmente via setor financeiro, não pelo setor produtivo.
    É como explicou o Warren Bufett, naquele artigo bombástico.

  4. A manchete usando singulares (pobre; rico) realmente leva a um equívoco. De que o indivíduo tem sua renda mais dilapidada do que outro. A diferença de 3% entre o topo e a base também pode ser considerada falaciosa, pois há muito menos ricos (>30 SM) do pobres (<2 SM), o que faz com que o CONJUNTO DOS POBRES paguem mais do que o CONJUNTO DOS RICOS. E mais um outro aspecto: o estudo se declara uma análise SIMPLIFICADA, e constata, no processo de simplificação, de que o sistema tributário brasileiro é por demais complexo, com meandros que precisam ser ignorados para podermos entender. Isto faz com que os que tem menos poder de questionamento e de "burlamento" sejam mais taxados do que aqueles que tem este poder, de contratar "bons" contadores, admnistradores e advogados...

  5. Totalmente coerente a tabela com os percentuais decrescentes no consumo e crescentes na renda. Imaginava isso mesmo. Faz sentido.

  6. Tirando a parte analítica e filosófica.Um comentario a parte: Pobre não paga imposto.. não tem renda. Classe média.. paga imposto.. é retido na fonte…. rico que é rico não paga imposto… sonega e não acontece nada. Este é um problema.

  7. Eu acredito como todos aqui que a carga tributária é alta e penaliza a todos, é claro uns mais do que outros. Na minha opinião deveria haver uma política clara e transparente de diminuição de impostos nos alimentos, saúde, escola e telefonia…assim todos seriam beneficiados. No entanto para existir diminuição de receita, o governo deve ser além de mais eficiente, muito mas muito menos corrupto…e aí que mora o grande problema, pois o governo não deseja ser menos corrupto e os eleitores adoram e idolatram governos corruptos e populistas, tanto é que vivem votando neles e perpetuando os mesmos no poder…assim não evoluímos. Ou os eleitores e cidadões e suas instituições que o representam (como o Judiciário) saem do Jardim da Infância, crescem e endurecem o jogo, ou ficaremos sempre sendo o país da promessa onde uns poucos engolem quase todo o bolo.

  8. Srs,
    3% a mais é realmente pouca diferença.
    40% de carga tributária para quem ganha salário mínimo é um absurdo.
    Sem dúvida a carga tributária para assalariados é altíssima.
    Minha dúvida…
    Toda essa discussão começou com a afirmativa do Buffet, que foi uma “buffetada” (sic) no governo americano, de que ele pagava pouco imposto. No entanto, pelo que entendi, o contexto era sobre grandes fortunas e não como assalariado, coisa que ele não é.
    Pergunta: quais mecanismos poderiam ser usados para tributar mais seus ganhos como investidor e como dono de empresas sem haver risco de evasão fiscal ou por subterfúgios como o mercado negro de bens de luxo?
    Ainda neste contexto…
    Muitas empresas usam o recurso da PJ para pagar diretores e outros altos funcionários (altos ganhos), neste caso o imposto é menor também. correto?

  9. Kannitz,
    a metodologia da Receita me parece sem lógica real. Como a carga tributária brasileira é baseada em 50% no consumo e 27% na renda, me parece que o estudo carece de coerência.
    Vejam este gráfico, no link abaixo, um estudo de 2009 do DIEESE que mostra um sistema fiscal regressivo e mais injusto ainda:
    http://brasilfatosedados.wordpress.com/2011/06/30/carga-tributaria-post-a-ser-publicado-3/
    A distribuição fiscal brasileira pode ser vista aqui nestes outros gráficos, e que se mostra coerente com uma carga baseada no consumo, e não na renda e na propriedade:
    http://brasilfatosedados.wordpress.com/2011/06/30/carga-tributaria-post-a-ser-publicado-8/
    Demais dados sobre a carga tributária brasileira, em comparação com outros países e sua evolução desde 1947 pode ser analisada com seriedade aqui neste link também:
    http://brasilfatosedados.wordpress.com/
    Espero que os mais de 40 gráficos sobre a carga tributária brasileira, e sua história, ajudem a todos a entender e analisar esta questão com seriedade, e não com preconceitos e em defensa de interesses próprios.
    Abcs,
    Augusto de Carvalho

  10. Pobres, incluindo classe média 98 porcento da poulação.
    Ricos 1,5 porcento.Super ricos 0,5 porcento.
    Será que o governo, sobreviveria cobrando impostos só dos ricos?

  11. O problema não está em quem paga mais o menos imposto.
    A diferença crucial é que o RICO tem condições financeiras de pagar mais ou menos imposto, já o pobre… coitado.

  12. é aquela história…
    assumindo que fulano come um frango inteiro e beltrano não come nenhum em determinado dia do ano 1998, podemos chegar a seguinte conclusão:
    – na média cada um comeu meio frango;
    – metade da amostra não ingeriu nenhuma caloria naquele dia de 1998.
    – o fato de não ter ingerido qualquer alimento em um dia de 1998 infere que em 2011 a situação permanece a mesma ou próxima dela?
    ou seja, é possível visualizar por vários ângulos determinados números.
    sempre fui admirador dos textos do Sr. Kanitz, mas essa série de “Pobre Paga Mais Imposto do Que Rico? II” me deixou com a pulga atrás da orelha em relação às metodologias empregadas…
    não quero criar polêmica, mas apenas fornecer um retorno/feed back a alguém que costumo ler atentamente há inúmeros anos.

  13. Aliás, lendo o trabalho da Receita Federal, percebe-se uma falha ainda mais grave: Este quadro representa translação total da contribuição patronal para o INSS. Não está errada esta interpretação, é mera questão metodológica. Porém, ignorar esta informação prejudica a qualidade da crônica.

  14. Convenhamos que usar dados de um estudo publicado HÁ TREZE ANOS sem sequer mencionar este detalhe é, no mínimo, uma falha metodológica.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14