Militares São Bons Administradores?

Bolsonaro colocou um número elevado de Generais e Oficiais em cargos Administrativos.

Isso é bom ou isso é ruim?

Militares são bons administradores?

A resposta é sim, melhor que os engenheiros e economistas também escolhidos por Bolsonaro.

Ao contrário de economistas e engenheiros, os militares levam a sério a ciência da administração, tendo inclusive contribuído com vários conceitos e teorias.

São deles os termos “Comand and Control”, PERT CPM, uso da Teoria dos Jogos, termos como Campanha Publicitária, Guerra de Preços, Divisão e assim por diante.

De 1941 até 1946, a Harvard Business School dedicou seu MBA para 800 oficiais por ano, que se tornaram instrumentais no Governo Ike Eisenhower, um dos melhores Presidentes dos Estados Unidos.

Foram dois militares, que fizeram a MIT Sloan School of Management, que deram início à Escola de Administração da FGV.

A Escola Superior de Guerra é a única que estuda Estratégia aplicada a Nações.

O General Peternelli, Deputado Federal importante no Governo Bolsonaro, fez MBA na FGV.

Me incomoda muito mais essa leva de economistas e engenheiros guinados a cargos administrativos, mas não esses militares.

E digo mais, para um “turn around” como esse que precisa ser feito, eles podem ser mais efetivos que nós administradores. Explico.

O estilo gerencial de um militar é tipicamente “Comand and Control”, Teoria X, Metas que precisam ser cumpridas.

Administradores são mais Teoria Y, ou Liderança Servidora.

Eu jamais trabalharia numa empresa X, mas concordo que é o que o funcionalismo público precisa.

Militares querem obediência, execução rápida, metas claras e definidas, jamais dão uma segunda chance.

É isso que o Brasil precisa nesse momento, urgentemente.

A irresponsabilidade fiscal dos nossos economistas e engenheiros que foram administrar o que não deviam quebrou esse país, e eles nem sabem muito bem disso, mas escondem irresponsavelmente.

(Lido por 2437 pessoas até agora)

12 Comments on Militares São Bons Administradores?

  1. Sr. Jorge Ferreira dia Santos. Kanitz falando da máquina pública. Me parece q o sr.ta falando de sua experiência em setor privado….. desconexo

  2. Perfeitas observaçoes do Grande Mestre Kanitz que acompanhei mais de 30 anos na Veja. Sou militar e administrador. Depois que deixei a vida militar vim para vida empresarial. E aí vi que não sabia NADA. Tive que estudar muito, realizar cursos extras e prestar muita atenção naquilo que isso mais jovens me ensinavam. Ensinei e continuo ensinando muito. Conclusao, Comando e Controle dos militares não bastam. A experiência na Direcao de empresas privadas é fundamental e esses militares escolhidos pelo Sr Presidente não a possuen e isso não vai colaborar na melhoria do processo. O tempo de aprender a diregir uma empresa ja para passou para eles. Vão ficar tateando no Erro x acerto. PENA.

  3. PARABENS ATE MOMENTO AO GOVERNO BOLSONARO

    MILITARES TEM A SUA BASE NA ORDEM PROGRESSO E DICIPLINA CONSTANTE NO LIDAR COMN ETICA E MORAL QUE POPULACAO TERIA APRENDER LIBERDADE NUNCA FOI ANARQUIA E MUITO MENOS FALTRA DE EDUCACAO OS QUE MAIS IMPLANTAM EDUCACAO ORDEM E PROGRESSO E EXERCITO A AERONAUTICA A MARINHA DO BRASIL E OS MILITARES CICIS COMO POLICIA MILITAR COM PROER

  4. Nossos políticos, engenheiros e economistas foram administrar o que não sabiam. Deu no que deu!

  5. Falso. Os militares brasileiros administraram muito mau o Brasil no período da ditadura. Sentimos o reflexo na dívida pública, nos esquemas de corrupção e nas obras inacabadas até hoje.

  6. Concordo em gênero número e grau.
    A propósito. Sou um Administrador.

  7. Sim, a forma de administrar baseada com a competência “Comand and Control”, leva a busca por resultados imediatos de organização que o País precisa.
    Excelente o texto.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14