Jamais Pague Algo Adiantado

 

Numa economia de mercado, tudo é feito na base de troca imediata.

O comerciante mostra o produto, o consumidor examina o produto, liga o produto, experimenta o produto, testa o produto, e somente depois de satisfeito, entrega o dinheiro selando a transação.

Este é o princípio número 1 das economias de mercado, e condição necessária para a harmonia entre as pessoas: ambos devem sair satisfeitos que fizeram uma boa troca.

No capitalismo propriamente dito só se paga um professor depois da aula, só se paga um médico depois da consulta ou depois da cura, só se deve pagar por uma casa depois de pronta, só se deve pagar por um telefone depois de instalado.
 
As principais queixas do “capitalismo” ocorrem quando este princípio é violado pelo consumidor, que ingenuamente paga adiantado.

Muitos empresários e comerciantes tentam de fato o truque do adiantamento; mas cabe aos nossos professores, imprensa e governo combatê-lo via educação financeira e contratual.

Quem primeiro desobedeceu a economia de mercado não foram os comerciantes da idade média, foram a igreja e os governos da “modernidade”.
 
Hoje paga-se impostos não em troca de um serviço, mas adiantado.

Em troca de promessas eleitorais que, ao contrário da economia de mercado, não são cumpridas.

Por que a educação pública é ruim?

Porque seus pais pagam impostos sobre tudo que você consome dos 0 aos 7 anos, adiantado.

E quando você de fato ingressa na rede pública ou numa faculdade, estes impostos que seus pais pagaram já foram gastos, via salários de vereadores e deputados.
 
Por que a saúde pública é ruim?

Porque todos os impostos que você paga dos 20 aos 60 anos, quando se é normalmente mais sadio, já foram gastos.

E hoje falta dinheiro para tratar os mais velhos quando os piores problemas médicos aparecem.

Por que o governo instituiu a Previdência Social na mão do Estado?

Porque assim eles arrecadam adiantado 30 anos da sua contribuição previdenciária.

Só que os cofres públicos deveriam ter 7 trilhões acumulados, mas este dinheiro já sumiu e ninguém, além dos que leem este blog, se deu conta.

Por que o governo luta pela Saúde, Previdência e Educação, e abandona Portos, Energia Elétrica, Estradas e Infraestrutura?  

Porque ao investir em Portos, Energia Elétrica, Estradas e Infraestrutura é o governo que tem que pagar adiantado.

Por que todos nossos políticos, professores de faculdades, intelectuais são de esquerda e veementemente contra a “economia de mercado”?

Porque eles sabem o poder que se tem ao receber tudo adiantado.

Vá reclamar de uma construtora que não entrega o seu apartamento.

Vá reclamar da Faculdade que agora você descobre que ela não ensinou nada.

Vá reclamar do voo que chegou 12 horas atrasado, depois que você pagou tudo adiantado. 

Imaginem se pais de alunos só pagassem os professores da rede pública depois de efetivamente formados?

Imaginem se os próprios alunos pagassem seus professores 5 anos depois de formados, com os acréscimos de renda de fato proporcionados pelos conhecimentos dados.

Se adotarmos os princípios de economia de mercado, acabaremos:
1. Com o desvio de recursos
2. Com a corrupção
3. Com o poder dos políticos
4. Com a remuneração adiantada da ineficiência.  

Para isto, não precisaremos de reforma política, nova constituição, políticos honestos, basta um direito humano.

Um direito humano consagrado pelo capitalismo e economias de mercado.
Ninguém pode ser coagido a pagar algo adiantado.   

(Lido por 467 pessoas até agora)

9 Comments on Jamais Pague Algo Adiantado

  1. calma ismar,

    toma la da cá nao é pagar adiantado. estou falando de pagar meses ou anos adiantado, como seguro saude inss, imoveis.

  2. Professor, se não pagar adiantado ningém come um bigmac, assiste a um cinema, entra no Beto Carreiro ou Disney, assiste a um espetáculo no circo, anda de metrô, ônibus e avião, no Brasil ou em qualquer lugar. As vezes é questão de controle pagar adiantado, acho que em algumas ocasiões o fato de pagar adiantado não fere as leis naturais do capitalismo. Com admiração.

  3. Django

    Os fatos mais questionáveis. sempre envolvem a participação do governo,no meu caso fui lesado pela previdência durante 38 anos,trabalhei desde 12 anos,naquele tempo se aprendia cedo a trabalhar, hoje as leis asseguram ao menor o direito de ser um paria drogado.Gostaria de ter a opção do meu capital corrigido e devolvido e não receber aposentadoria ,mas entendo que a aposentadoria de quem nunca recolheu, dos políticos que se aposentam precocemente,juízes corruptos que em caso de condenação vão para casa com salario integral,necessitam da parte que me cabe.Continuo pagando impostos em valores que me faltam adiantados,um dia receberei o retorno.Aonde? Na vida eterna.

  4. No caso da prestação do serviço como a impressão gráfica,
    depois de ter sido feito o serviço, o cliente diz que não quer mais como fica o
    pagamento? Filosoficamente é fácil falar, mas cada caso é um caso, não se pode
    generalizar. Na matemática que é uma ciência exata. Existe o caso geral e os
    casos especiais que só servem em determinadas condições.

  5. Apesar de muito carregado de arrogância, gosto muito dos seus textos.
    Mas parece que cada vez mais está se superando nesse aspecto:
    “ninguém, além dos que leem este blog, se deu conta”?!?!?!

  6. Nos planos de saúde vemos um grande exemplo. Pagamos adiantado para extração de petróleo nos poços da OGX, etc.. Toma lá da cá realmente faz muito bem a saúde financeira.

  7. Uma questão tambem a ressaltar é que nos não usamos, para aquisição de bens de consumo, nosso poder de barganha, aceitamos o preço imposto pelos fornecedores, que a despeito de publicarem na midia uma “guerra” com os concorrentes, verificamos na pratica preços praticamente iguais. pra mim a sugestão da educação financeira vem a calhar.

  8. Um ponto de vista interessante. Penso ser quase impossível de ser mudado, pois esta lógica está sendo aplicada há décadas. A maioria de nós nasceu neste modelo e tem dificuldade em entender que já existiu outro modelo. Quem nasce com o celular na mão não consegue conceber a não existência dele até os anos 80. Quem nasceu no modelo industrial não consegue conceber que a economia já foi diferente (agrária). Será que a culpa é do modelo?
    Fora isto há o chamado poder de barganha. Quem é o lado mais forte nesta relação? Quem oferece o produto ou o serviço ou quem tem o poder de comprá-lo? Pena que com o governo não haja esta possibilidade de barganha.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14