A mulher tipo G

As feministas veem Gênesis como o início da opressão feminina, e com razão. Quem disse que as primeiras mulheres do mundo, anteriores a Eva, topariam ficar juntas com um único homem para o resto da vida?

Do ponto de vista genético, o melhor para uma mulher é ter um filho com o macho mais forte ou geneticamente apto DO MOMENTO.

Ter filhos sempre com o primeiro homem da sua vida é romântico, mas não do ponto de vista de aprimoramento da espécie.

Quem está no Paraíso não precisa de um homem para lhe sustentar e proteger. Isto só se tornará importante quando são expulsos do paraíso. Com o advento da agricultura, isso muda de figura.

Antes de Eva, as mulheres eram do tipo G, G de guerreiras — que são as mulheres independentes, que podiam cuidar dos seus filhos sem a necessidade de um companheiro.

Mulheres tipo G conviviam muito bem com outras mulheres; revezavam coletivamente a guarda dos filhos e esperavam ansiosamente pela volta dos homens caçadores trazendo carne e outras proteínas. Monogamia, nem pensar!

Mesmo que a interpretação bíblica não esteja comprovada cientificamente, a monogamia que surgirá com a agricultura irá gerar também o seu tipo de mulher especial.

 

O Livro Família Em Primeiro Lugar que contém estas 365 Lições pode ser adquirido na Livraria Cultura

(Lido por 155 pessoas até agora)

UA-1184690-14