A Mulher Tipo P


A Agricultura criará as mulheres tipo P — P de Parceira — e que foram as mulheres que lentamente aceitaram dividir a guarda e a educação dos filhos com os primeiros homens tipo P; elas entenderam que esse arranjo seria benéfico para ambos e que haveria vantagens reprodutivas ao aceitarem a monogamia.

Perceberam que homens tipo P eram homens carinhosos e presentes diferentes dos homens tipo G.

Com a dificuldade de cuidar dos filhos sem a ajuda de um parceiro, algumas mulheres e alguns homens perceberam que unir forças seria a melhor solução.

Algumas mulheres começaram a questionar, por que ter filhos com um homem tipo G se ele não cuidaria de nenhum deles?

Algumas leitoras que a esta altura já descobriram que estão casadas com um homem tipo G sabem ao que estou me referindo.

Gênesis e boa parte da Bíblia, refletem os ensinamentos morais necessários para a transição que seria necessária da caça para a agricultura, do sexo poligâmico para o sexo monogâmico, da tribo indiferenciada para a família nuclear.

 

O Livro Família Em Primeiro Lugar que contém estas 365 Lições pode ser adquirido na Livraria Cultura

(Lido por 288 pessoas até agora)

6 Comments on A Mulher Tipo P

  1. Nossa quanto lixo neste seu comentário. Desde quando mulher lubrifica vendo/ouvindo cenas de estupro?? Antes de dar sua opinião, pelo menos leia antes/entenda o mínimo do que se trata. Já li um monte de m… que você escreve aqui no blog do Kanitz, mas esta superou todas as outras juntas. Nunca comentei antes aqui, mas depois de ler este monte de crap que você escreveu, não me aguentei.

  2. Nossa quanto lixo neste seu comentário. Desde quando mulher lubrifica vendo/ouvindo cenas de estupro?? Antes de dar sua opinião, pelo menos leia antes/entenda o mínimo do que se trata. Já li um monte de m… que você escreve aqui no blog do Kanitz, mas esta superou todas as outras juntas. Nunca comentei antes aqui, mas depois de ler este monte de crap que você escreveu, não me aguentei.

  3. Respaldo Histórico?
    O que são 50 anos na história a Humanidade.
    A menos de 200 anos ainda escravizavamos pessoas.
    A menos de 65 anos Invadiamos e pilhavamos cidades.
    A pouco tempo atrás mulheres não podiam votar ou estudar.
    E mesmo hoje com todas estas conquistas o número de separações bate recorde, todos conhecemos que é separado. Antigamente a mulher vivia ao lado do marido por falta de opção, mas e hoje?

  4. xii, Wasabi…
    você deu derrapada nas duas mensagens…
    esse papo de “machismo” e de “igualdade de direitos” é um papo burguês europeu de meados do século XX. Não tem nenhum respaldo histórico…
    Foi como tantas coisas criadas pra satifazer uma parcela da Sociedade aborrecida com algo que somente ela vivia e somente vivia naquele momento. É só.
    É como os comunistas que ainda acham que o Mundo vive como na Rússia dos últimos Czares…
    A mim me cansa esta contínua onda dos anos 1960 até agora, em um novo século. Os antigos hippies já cortaram seus cabelos e usam ar condicionado no carro. Seus filhos e netos são funcionários públicos. As garotas usam saias compridas e não mais minissaia.
    Há um saudosismo até nas idéias atuais…

  5. Leu e não entendeu. Deve ter sido criado pela avó.
    Quis apenas dizer que o mundo era machista, a mulher tinha pouco ou praticamente nenhuma escolha de quem seria seu futuro marido.
    Isto só foi conseguido neste século, quando elas ingressaram no mercado de trabalho. Tiveram os mesmos direitos que os homens.

  6. Recomendo conversar com alguns professores de história. E não a ser um bitolado religioso.
    Olhar para o mundo antigo com os olhos de hoje é de uma ingenuidade sem tamanho.
    Na Grecia antiga as mulheres bonitas eram leiloadas. E com o dinheiro arrecado arrumavam marido para as feias.
    Na própria Biblia teve a história de um mané que teve que trabalhar 7 anos, deram a esposa errada e o mesmo teve que trabalhar mais 7 anos.
    Ou seja quem dava a última palavra era o pai da moça, até pouco tempo atrás sem a permissão dele, nada de namoro. Agora converse com algum professor do curso de Letras e pergunte quantos escritores, poetas etc. Que escreveram coisas lindas sobre o amor, não se mataram.(porque levou um chute da sua amada).
    Mesmos os reis eram obrigados a se casarem para conseguir terras ou pararem guerras.
    – Muitas mulheres apresentam lubrificação quando expostas a cenas e narrativas de estupro. Isso pode ser uma adaptação natural para proteger-nos de maiores danos quando violentadas (coisa que sempre ocorreu ao longo dos milênios).
    Verdade seja dita homem tipo P é chato. Do contrário não teria quase uma Enciclopedia de nomes de corno. Muito menos tantas amantes. A vida como ela é by Nelson Rodrigues.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14