Um País Regido Por Equações de Primeiro Grau

 

Tempo de leitura: 45 segundos

 

A obrigatoriedade de fecharmos todas as nossas Escolas de Administração deste país em 1946, Decreto Lei 7988/45, deixou sequelas profundas até hoje no Brasil.

Além da perpetuação da empresa familiar, do baixo crescimento e do não existente ganho de produtividade, nos condenou a uma “administração por equações e algoritmos de primeiro grau”.

Na falta de uma classe treinada para administrar o dia a dia, avaliando caso a caso, nossas empresas e especialmente nosso governo são hoje administrados por equações.

Deficit Primário > 1,6

4,5% > Meta Inflacionário < 6,5%

Gastos de pessoal < 50%, a essência da Lei FHC de Responsabilidade Fiscal.

Não vou estender-me sobre o ridículo e o reducionismo científico, “equacionando” tudo numa equação.

Mas por que 50%? Em 2020, com a informática, continuará 50%?

Ou vamos mudar ano após ano o parâmetro desta equação?

E nos Estados do Nordeste, onde os salários são mais baixos, se mantém o “parâmetro” de 50% ou deveria cair para 40%?

Sem falar com as % em cascata, que no fundo paralisaram os Estados e em especial o Governo Dilma.

X% do ICMS tem que ir para Brasília, que tem que distribuir Y% para os estados, que têm que distribuir Z% para os municípios, que têm que gastar 25% em educação básica.

90% do tempo de governadores, prefeitos e secretários de educação consiste em tentar liberar suas “equações” não distribuídas.

Até economistas, que precisam sair correndo atrás destas verbas, reclamam que o Estado está emperrado devido às equações criadas pelos seus antecessores.

Estas equações foram a única solução possível na falta de 200.000 administradores públicos que deveriam ter sido formados, mas não foram.

Na falta de gestores competentes para tomar estas decisões, o governo é obrigado a administrar usando equações.

No fundo substituímos administradores por equações que não ouvem e não falam. Você somente obedece.

“Administrar” um país com 15 equações de primeiro, mesmo de segundo grau, exponenciais, diferenciais e não lineares, é uma Administração Irresponsável das Nações que está nos custando muito mais caro do que a economia de 200.000 administradores públicos competentes no dia a dia.

 

(Lido por 85 pessoas até agora)

UA-1184690-14