Por Que a Editora Abril Quebrou?

 

A razão do fracasso de editoras e jornais é a mais fácil de diagnosticar de todos os demais setores da economia.

99% das vezes a culpa é dos jornalistas, que se distanciam lentamente dos seus leitores.

Na Era do Conhecimento, os jornais e jornalistas deveriam ganhar fortunas.

Newsletters especializadas cobram US$ 1.000,00 por duas páginas, sem anúncios.

Nosso jornalismo acrescenta tão pouco valor, que as editoras precisam vender anúncios para compensar.

Matt Ridley, jornalista de Ciência do Economist é milionário.

Mas a Veja e a Exame, por exemplo, sequer possuíam a seção Ciência.

A Abril começou bem administrada.

João Bosco Lodi, nosso Peter Drucker da época, era conselheiro, o diretor financeiro era meu colega de Harvard Business, o superintendente Ronald Degen era do Imede.

Mas lentamente todos eles foram trocados por jornalistas no Conselho, que assumiram o poder da família Civita. Foi o início do aparelhamento do Brasil.

A Exame caiu na mão do PT, Rui Falcão era seu secretário depois substituído por Sidnei Basile, militante do Partido Comunista.

O objetivo da esquerda era impedir a disseminação das modernas técnicas administrativas que favoreceriam o capitalismo.

Tanto é que até hoje ela é quinzenal, quando a Business Week foi semanal desde 1929.

A ironia disso tudo é que hoje somente esquerdistas leem a Veja, a Folha e outros jornais, e assim são justamente eles os mais desinformados do momento.

É muito triste essa miopia da Esquerda intelectual em ativamente boicotar a ciência da administração porque acham que ela fortalece o capitalismo.

A ciência da administração, como toda ciência exata, é apartidária.

É essa birra e boicote aos administradores profissionais, que condenaram todas as experiências socialistas até agora a um redondo fracasso, inclusive o Brasil.

O Socialismo foi sempre mal administrado, e sempre será.

 

(Lido por 3251 pessoas até agora)

11 Comments on Por Que a Editora Abril Quebrou?

  1. O artigo está correto. Assinei a revista VEJA por mais de 25 anos. No ano passado cancelei minha assinatura pois percebi em sua linha editorial uma guinada muito forte para a esquerda. O Brasil precisa se livrar totalmente desta esquerda maléfica e vamos precisar de várias eleições para fazer a limpeza.

  2. A esquerda, nome dado à ideologia do socialismo, exacerba o problema do excesso de ‘direitos’ e ausência de obrigações sociais.
    Todos serem iguais é o direito básico e, por isso, ninguém precisa fazer nada, além de reivndicar aquilo que é seu ‘direito’, ou seja, estar socialmente em igualdade.
    Qualquer mérito será ignorado, pois destoa da ‘igualdade’ social.
    Ninguém terá obrigações, pois isso iria contra a premissa básica da ‘igualdade’.
    Mas, alguém crê que pode criar essa perfeição e, para isso, assume o ‘poder’, juntamente com as benesses que a ele estão agregadas.
    A Venezuela está quase chegando lá… todos iguais, na miséria, e os dirigentes caindo de Maduros.

  3. Como em muitos setores econômicos, a visão orientada ao mercado é secundária. Prevalecem os egos, opiniões próprias e descolamento da realidade.

    Infelizmente, deu no que deu…

  4. Em tese mas com forte indício de realidade, a Esquerda está de fato, nos últimos respiros.

    Tão logo a macro economia se readeque nos trilhos do desenvolvimento sob a batuta (ou metralhadora) do Bolsonaro, estará então confirmado, a morte política desses aventureiros marxistas.

    Com o enterro do PT no Brasil, as outras Guevarianas nações sul americanas, também entram em rota de colisão.

    A Editora Abril que eu nutria verdadeira idolatria, quebrou por ter sucumbido à corrupção política, desvirtuar-se da linha editorial de alto nível intelectual e, omissão.

    Não contavam com duas coisas: mídias sociais independentes e, incompetência dos socialistas. Esse grave erro na análise de cenários, levou a Abril ao que é hoje, nada!

  5. Excelente analise da situação desastrosa do jornalismo no Brasil é até no mundo. Parabéns.

  6. Realmente não vejo nenhuma motivação para ler estas revistas hoje em dia. A imparcialidade jornalística já foi embora a muito tempo, ja é muito bem sabido que a imprensa brasileira atualmente tem um uma ideologia de esquerda muito forte.
    Não é a toa que a profissão de jornalista hoje é uma das profissões mais desacreditadas. Não são jornalistas, na verdade viraram militantes.

  7. A Veja e a Globo e os Tucanos não sabem para quem trabalham. Os jornalistas de esquerda acabaram confundindo isso. Os petistas odeiam a veja e a Globo. Só porque dão notícias corretas, embora haja um corporativismo interno de esquerda. Mas acora o caminhão ficou de jamanta para carroceria toco. Mais que a metada vai ficar na estrada e vão denominar-se resistência..ou seja será que resistem andar a pé?

  8. Ótimo texto!!
    Porque será que esses socialistas e comunistas de esquerda querem tanto isso e porque eles não vivem na mesma condição do que pregam e acreditam!!!
    Querem e buscam para si, ficarem ricos (capitalismo) às custas do pobres!!!
    Bando de aproveitadores sem escrúpulos!!!

  9. Fui, continuo e sempre serei seu leitor, Kanitz. Realmente, senti sua falta na Veja. Outro dia propus ao Diogo e Mário que o contratem para a Crusoé.
    Ainda leio Veja, mas só por causa do Guzzo e da Isabela Boscov (pois é…).

  10. Concordo plenamente com o sr,não leio mais essas revistas e esse jornal,ao qual fui assinante por muitos anos,aliás uma das primeiras matérias que eu ia ler na Veja era sua coluna!

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14