O Mito do Basta Reduzir os Juros

A maioria das pessoas que não estudou administração financeira, acha que o Banco Central pode reduzir os juros simplesmente por decreto, e que nada aconteceria de ruim, só de bom. Santa ingenuidade!

Acham que os investidores irão aceitar os juros menores numa boa, e não mudariam de posição, tipo comprando ações de empresas, que rendem dividendos de 3% por ano, correção monetária de 5%, mais crescimento de 6%.

Vivem lendo livros americanos.

No Brasil, quando nossos desenvolvimentistas conseguira desviar recursos que normalmente iriam para o mercado de capitais e de investimento de empresas, para serem aplicados em títulos do governo.

Fizeram isto oferecendo juros estratosféricos de 25% ao ano, como no governo FHC. Investir na Bolsa, só malucos e éticos como eu.

Então, por que estes recursos não voltariam à sua origem se os juros caírem?

Segundo Celso Pastore, porque todo “agente econômico” se preocupa com seu fundo de aposentadoria, e se os juros caírem, ele terá que comprar mais títulos públicos e não menos.

Só que a maioria dos brasileiros não tem essa preocupação, só os americanos e Miller & Modigliani.

Decida você, quem está mais certo. Isto porque ambas as teorias têm um fundo de verdade.

Mas qualquer que seja a sua resposta, não faz parte da função Social do Capital financiar tecnocratas no governo, pagando salários atrasados com dívidas públicas.

A função Social do Capital é gerar empregos e produtos para a população.

Cite um único produto criado pela nossa Dívida Interna Estatal.

Portanto, uma forma de reduzir os juros é chamando o blefe dos banqueiros, e saldando, de fato, boa parte da dívida.

E aqui vem a pegadinha, que ninguém jamais escreveu, nem eu. Portanto, preste atenção.

Quando a dívida vai reduzindo de 55% para 50% do PIB, os juros vão caindo de 18% para 16%, mais ou menos proporcional.

O que acontecerá quando a dívida cair de 40% do PIB, que é o nível de agora, para 20% do PIB?

Aos 20%, ele cai não mais proporcionalmente, mas cai praticamente para zero. Digamos 0,5%, como é hoje no Japão e nos Estados Unidos.

A pergunta é: por que estes 20% são mágicos?

Talvez no Brasil seja mais alto, tipo 25 a 30%. Mas o que acontece nestes níveis?

Vocês que são jornalistas, perguntem a qualquer administrador financeiro do Brasil.

Todos sabem a resposta há mais de 500 anos, menos os desenvolvimentistas que vocês entrevistam até dizer chega.

Será um furo jornalístico.

Há 500 anos ninguém noticiou algo igual.  Ou aguardem o próximo blog, e aí o furo será só meu.

(Lido por 208 pessoas até agora)

7 Comments on O Mito do Basta Reduzir os Juros

  1. Quanto se investe em Educação?
    Se não deixar o povo inteligente, não adianta.
    Todos os países que vc citou, produzem produtos de ponta com alto valor agregado.

  2. Não sou de comentar em Blogs, mas o mais interessante agora nesse artigo é que o Kanitz escreveu:
    “Aos 20%, ele cai não mais proporcionalmente, mas cai praticamente para zero. Digamos 0,5% como é hoje no Japão e nos Estados Unidos.
    A pergunta é: por que estes 20% são mágicos?
    Talvez no Brasil seja mais alto, tipo 25 a 30%. Mas o que acontece nestes níveis?”
    … e ninguém mandou a resposta que ele escreveu que virá no próximo artigo!!
    Por isso que não costumo comentar em Blogs. Ainda mais se não souber o que dizer! Como a maioria dos “hipócritas, imbecis …” como um dito Professor comentou aqui, todos aqui estão pois não são capazes de responder a pergunta, principalmente ele, o professor, que é o maior dos hipócritas e imbecis que aqui escreveu, inclusive eu em dar ênfase a isto!!

  3. O Brasil não acredita em si próprio. O mercado mede o risco Brasil em torno de 200 pontos (2%) acima dos títulos americanos, ou seja, nossa taxa de juros anuais era para ser só 2 pontos percentuais acima dos juros americanos. Sempre culparam o mercado pelos juros altos pagos pelo nosso governo, mas quando o mercado diz que está satisfeito em receber juros 2% acima dos juros americanos, não os atendemos.
    Mais tem também nossa cultura inflacionária, compramos hoje, mesmo sem está precisando, para não comprar amanhã, pois nossa herança inflacionária acha que amanha sempre estará mais caro. Mero engano. Vamos pesquisa nos lojas on-line internacionais e notamos que quase tudo no Brasil é mais caro que nos outros países.
    Para conter nossa inflação de demanda, por que ao invés de aumentamos os juros básicos da economia – a taxa SELIC – que aumenta em muito a nossa dívida interna, não imitamos a China e aumentamos somente os depósitos compulsórios dos nossos Bancos.
    É, parece que o Brasil não acredita em seu próprio sucesso e não quer agir como um país desenvolvido.

  4. Bom enquanto isto, nossa dívida interna, vai se transformando em impagável. Graças ao juros alto.
    Mas juros baixos nesta altura do campeonato, só varia a inflação crescer.
    Melhor deixar como tá, quando ficar impagável. É só imprimir um monte de dinheiro.

  5. Os juros reais mais altos do mundo levaram o real a se tornar uma grande bolha.
    Bolhas estouram não?
    Por outro lado as políticas desenvolvimentistas foram testadas no governo Geisel e levaram a duas décadas perdidas.
    Porque inventar?
    Porque queremos sempre testar outros caminhos?
    Porque não estudamos as políticas monetárias, fiscais e cambiais da Alemanha depois da guerra, do Japão nos anos 60 e 70, da Coréia , de Cingapura, de Taiwan, e da China que os levaram a serem um grande sucesso econômico?

  6. Ótimo Kanitz, é por aí mesmo. Sem a redução da dívida pública não tem como baixar os juros. Mas como isso vai acontecer, se este governo só a aumentou? E o próximo já dá sinais de novos aumentos? Na verdade o que precisa ser feito é incentivar a iniciativa privada e tornar o Estado forte e não grande, musculoso e não gorduroso, ágil e não lento, introduzir a meritocracia no governo em todos os escalões, com incentivos e medidas de desempenho. Vivemos uma época de crescimento, mas não de desenvolvimento, isso já vimos no passado. Oxalá que a Dilma tenha esta visão. Abraço,
    Leocir.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14