Por que o Partido da Situação Precisa Corromper a Oposição?

 

Tempo de leitura: 2 minutos

 

Não são os empresários que mais corrompem nossos políticos. Isto é uma ideia contagiante que pega, é uma lenda urbana que acreditam.
Quem mais corrompeu no passado político foi o próprio partido da situação.

Até a Ditadura Militar preferiu corromper a classe política mantendo seus salários e privilégios, do que fechar o congresso como fazem a maioria das Ditaduras.

Por que o PT teve que comprar, via mensalão, políticos para votarem em leis necessárias para o país?

Por que o Governo Sarney teve de sair dando dezenas de concessões de TV?

Por que o Governo PSDB teve de lotear 80% do seu Ministério para políticos da oposição, e não para Ministros competentes, apartidários, mas que irão obedecer ao Presidente e não ao seu partido?

Por que temos 42 partidos de Oposição e um só de Situação?

Isto porque, como já escrevi aqui, nossos líderes nunca estudaram liderança, não sabem liderar.

Nossos políticos são incapazes de liderar seus correligionários, muito menos de outros partidos.

Nossos políticos são incapazes de agregar pessoas com ideias conflitantes em torno de um único partido, o seu partido.

Na primeira dificuldade de um político em agregar, liderar, unir, negociar, o seu partido ele sai do partido puto da vida e começa a criar um novo partido, vide Kassab, Marina Silva, o PSOL, o próprio PSDB.
Saem com outros colegas putos da vida porque não conseguem se impor no seu partido atual. Agora imagine um Brasil com somente dois partidos políticos.
Você acha que nos Estados Unidos Republicanos compram Democratas e vice-versa? Ou, Trabalhistas Ingleses compraram Conservadores na Inglaterra e vice-versa?

Claro que não, eles se odeiam. Sabem que se aceitarem propina será uma cilada para demarcá-los.

Além do mais seria uma traição, e neste caso não existiriam 41 outros partidos ávidos para acolhê-los.

Imagine se somente existisse o PT e o PSDB. Eles se odeiam.

Ou o PT e o DEM, idem. Ou o PT e o Partido Bem Eficiente, composto de Administradores e Executivos da Ambev, Natura, Fleury, Pague Menos, já aposentados, com reputações a perder, e que não são mais motivados por dinheiro porque já possuem o suficiente para viver.

Você realmente acha que estes aceitariam um mensalão, para fazerem nada, estes que fizeram tanto nas suas vidas profissionais?

Se você quer acabar com Políticos Corruptos, pare de votar nos 42 Partidos Nanicos criados por políticos que não souberam liderar o partido anterior a qual pertenciam.

E crie o Partido Bem Eficiente, para ter gente em quem vale a pena votar.

 

(Lido por 259 pessoas até agora)

17 Comments on Por que o Partido da Situação Precisa Corromper a Oposição?

  1. Uma das metas de minha vida é ser vereador voluntário (sem remuneração) da minha querida Florianópolis. Estou acreditando no nosso PBE. Vamos à luta!

  2. Eu ja estou participando.
    Mas antes de arrumar 490.000 votos precisamos criar um site, escolher nossos Secretarios e Ministros em prontidão, criar o Voto Distrital Virtual para indicar nossos candidatos a Vereador Distrital Voluntario.

    Vamos precisar mais do que um Sergio Fran animado.

    Quer se candidatar Vereador Voluntario da sua cidade e bairro. Aquele que ira doar seu salário para a maior entidade beneficente da sua cidade, com acordo prévio entre voces dois. Já que vereador faz quase nada, que receba quase nada.

  3. Sr. Kanitz, ainda estou interessado em criar o PBE. O sr está disposto a participar?

  4. Parece-me um ótima idéia! Também quero filiar-me ao Partido Bem Eficiente e representá-lo em Campinas-SP. Dos 44 partidos nanicos – Isso mesmo! STE acaba de aprovar mais 2 nano-partidos – NINGUÉM me representa ou inspira honestidade e confiança. Isto posto, agir pode ser melhor do que simplesmente reclamar! Sr. Kanitz, o senhor tem meu email. Já é um começo!

  5. Eu aceito me filiar e ser um dos representantes do PBE no Rio de Janeiro.
    Sou formado em finanças e concordo com a tese que o diálogo é a melhor saída, mas esse diálogo precisa ser adulto, eficiente e com propostas que realmete façam a diferença para o país. Não é o que tenho visto nos ultimos tempos.
    Tenho 33 anos e sempre escutei que somos o país do futuro. Esta na hora de mudar o presente…

  6. Na democracia aceitá-se qualquer coisa inclusive vosso artigo, sou vosso admirador e acompanho vossos artigos, mas não posso concordar com tudo sobre este artigo, cito por exemplo O PSDC Partido Social Democrata cristão, que através de José Maria Eymael tem buscado a ética na política. Forte abraço, Névio Tesser

  7. Sou cidadão paulistano, publicitário com muita vontade de fazer algo que possa ter apoio da sociedade em prol dela mesma. Mas não consigo fazer isso sozinho. Proponho um encontro onde podemos conversar a respeito.

  8. Sr. Stephen Kanitz, topo criar o Partido Bem Eficiente e convido o sr a fazer parte não só como um dos fundadores, mas também como agente de boas idéias eficientes para melhorarmos a classe política deste pais. O sr. aceita?

  9. O brasileiro ainda não aprendeu que o imediatismo é um mal que deixa cicatrizes eternas. Qualquer político que não usufruir dos recursos do fundo partidário e das benesses desse governo de coalizão sabe que ficará fora do páreo como um pangaré desmontado. A partir de então gera-se esses transtornos de votações absurdamente sem compromissos com a realidade social do país mas afinadas com os interesses financeiros do poder político. Nas eleições, aquilo que deveria ser lei vai sendo procrastinado tal qual a ficha limpa e a regulamentação de verbas de campanhas, ferramentas que podem ser de grande importância para uma boa escolha em futuras eleições. Infelizmente o sonho de termos um executivo e legislativo competentes está muito distante das bancadas de instituições partidárias. Precisamos escolher as pessoas e depois avaliar as instituições porque diante dessa crise sistemática de corrupção, todas estão falidas no Brasil.

  10. O brasileiro ainda não aprendeu que o imediatismo é um mal que deixa cicatrizes eternas. Qualquer político que não usufruir dos recursos do fundo partidário e das benesses desse governo de coalizão sabe que ficará fora do páreo como um pangaré desmontado. A partir de então gera-se esses transtornos de votações absurdamente sem compromissos com a realidade social do país mas afinadas com os interesses financeiros do poder político. Nas eleições, aquilo que deveria ser lei vai sendo procrastinado como a ficha limpa e a regulamentação de verbas de campanhas ferramenta que pode ser

  11. no Brasil ja tivemos apenas 2 partidos `a saber: arena e mdb, contudo creio que nesta epoca ja existiam propinas e negociatas. vejo que o maior problema estah na cultura remanescente do “levar vantagem em tudo” (desde a colonizacao) !

  12. Aqui esse pluralismo, posa de moderno e diz isso é ser liberal.
    No país do pode tudo,é mais uma que engolimos.
    Como escolher alguem decente nessa país seja no partido 1 ou no 42°.
    dificil tarefa,alguem sugere algo?

  13. A criação do Partido Bem Eficiente com certeza ajudaria, mas ainda estou cético quanto ao sistema bipartidário. Como a maior referência para esse sistema ainda é os Estados Unidos, como podemos dizer que isso tem funcionado de fato, sem que um corrompa o outro? Um partido ocupa a Casa Branca por dois mandatos consecutivos desde que Carter passou o cargo para Reagan no início de 1981. E a situação se tornou ainda mais “curiosa” desde que Bill Clinton se reelegeu. Dois mandatos dele, dois de Bush Filho, dois de Obama e, quem duvida de dois mandatos Republicanos a partir de 2017?

    Se analisarmos o histórico de políticas externas (Israel, Oriente Médio, intervenções militares), não houve grandes mudanças de um partido para outro. Idem para submissão ao lobby de grandes empresas, manutenção de subsídios e impostos, políticas de geração de emprego…

    E o que dizer do auto-sabotamento do Partido Republicano nas primárias de 2012? Foi como eles se eles soubessem que ainda era a vez dos Democratas… Os democratas agiram da mesma forma durante o “aftermath” do 11 de setembro, com o Ato Patriótico (reencenado hoje em dia pelo próprio Obama) e a reeleição de Bush, repleta de controvérsias, mas que não foi questionada pelo comitê de John Kerry.

    E a questão da saúde, com o ultrademocrata Michael Moore comentando que as políticas de saúde pública dos democratas não eram diferentes das dos republicanos, graças ao lobby da indústria farmacêutica (“Sicko”, de 2007)? Bem, vimos no que deu a reforma do sistema de saúde feita pelo Obama. Já em 2009, Jonathan Cohn (editor do The New Republic) disse: “In effect, conservative Democrats now occupy the political space that moderate Republicans once did, years ago–a place on the ideological spectrum that tends to look upon government more skeptically, perhaps, but still recognizes its place as a protector of economic security”.

    Sinceramente, o sistema bipartidário americano me lembra a política do Café-com-Leite no Brasil. Temos que ser muito saudosistas para trazer de volta algo assim para nosso país…

  14. Congratulações pelo texto. Mais que reforma política, precisamos de ética e comprometimento. Indo além, necessitamos de eficiência, mérito e objetivos claros.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14