Comunitarismo e o Tamanho do Estado

 

Tempo de leitura: 1 minuto

 

Todos devem estar perplexos com o que está acontecendo no mundo. Nunca estivemos tão avançados e tão atrasados ao mesmo tempo.

Vou tentar explicar em poucas linhas, algo que provavelmente será impossível.

  1. O QI médio dos tomadores de decisão está caindo, algo bem perceptível.
  2. Antigamente os reis contratavam os melhores cientistas e filósofos para a corte. Hoje a Dilma, Lula e Obama convidam os melhores marqueteiros para fazerem campanhas constantes, pensando na próxima eleição.
  3. O QI médio de quem opina está caindo. Hoje qualquer pessoa escreve um blog ou comentário.
  4. As universidades contratam aqueles que não conseguem emprego no setor privado, e lhes dão vitaliciedade de emprego, produzam ou não pesquisas relevantes.
  5. Nosso sistema de escolher quem irá de fato administrar este país é ridículo. Privilegia professores de Sociologia, Economia, etc, e não experientes administradores das 500 maiores, aposentados e loucos para voltar à cena.
  6. Tudo isto está tão institucionalizado em Brasília, o Estado Brasileiro se tornou tão grande, poderoso e incompetente, que tentar corrigir este paquiderme e seus erros é totalmente inútil é impossível.
  7. O Estado Brasileiro se tornou grande e ingovernável.
  8. E um estado grande enseja grandes corrupções, grandes lobistas, grandes empreiteiras, grandes decisões, grandes erros.
  9. A minha solução para o dilema do Governo Inchado e incompetente é o Comunitarismo.

Não é reduzir o tamanho do Estado, como querem a Direita e os Liberais, algo impossível, mas distribuir o mesmo poder já alcançado, para o nível da comunidade.

O que em administração de empresas se chamava empowerment, um movimento bem sucedido nos anos 80 do século passado.

O primeiro passo é distribuir a “renda” de Brasília para as comunidades, seja município, seja bairro,  de uma forma planejada.

As comunidades terão o poder exagerado que o Estado tem, hoje concentrado em Brasília e as Capitais.

Uma vez distribuída a renda e o poder de decisão,  se uma comunidade quiser devolver os impostos que o faça.

Se uma comunidade quiser reduzir o tamanho de seu “estado” que o faça.

Se uma comunidade quiser contratar administradores e não professores de economia para administrar as Finanças da comunidade, que o faça, e se for verdade o que prevejo, outras não vão seguir o mesmo caminho.

Se uma comunidade quiser despedir 30% dos seus funcionários públicos, primeiro terá de se preocupar com os novos empregos privados que eles terão de obter.

Senão a comunidade terá um problema social na mão.

E aí, talvez, estes funcionários não se oponham em perder um emprego público, como hoje.

Se a imprensa não procura as melhores notícias, as melhores ideias, os melhores protagonistas sociais, somente as piores notícias possíveis, criaremos os Jornais do Bairro, da Comunidade, sem as notícias nacionais e internacionais que são publicadas por serem mais baratas.

Se vocês continuarem a ver o mundo como Esquerda e Direita, a Esquerda irá ganhar cada vez mais poder porque ela é centralizadora, ávida por poder e totalmente sem caráter comunitário.

Se vocês pensarem Esquerda-Direita versus Comunitarismo, empoderamento da população, descentralização, gestão localizada, o mundo e o Brasil ainda terão uma chance de sucesso.

 

(Lido por 85 pessoas até agora)

UA-1184690-14