Capitalismo Responsável

 

Precisamos achar meios para aprimorar o capitalismo em vez de passarmos por uma revolução para substituí-lo.

Mas como mudar o capitalismo como o conhecemos?

De que forma?

O capitalismo se provou muito competente para produzir bens e serviços que os consumidores querem.

Se houver um desejo insatisfeito no mercado, algum empreendedor irá se mexer para provê-lo.

O que o capitalismo não sabe fazer ainda é produzir bens e serviços que as pessoas precisam.

Não há segredo em vender frangos barato entupindo-os com Deus sabe o quê ou vender morangos saborosos, com mil e um agrotóxicos.

A indústria automobilística colocou airbags nos carros por determinação do governo americano, porque há dez anos o consumidor não queria.

As TVs e os anunciantes se digladiam para mostrar o grotesco e o pornográfico, assuntos que o povo quer mas que não necessariamente precisa.

Alguns administradores, porém, estão lentamente mudando esta situação.

Estão gastando tempo, recursos organizacionais e dinheiro em atividades beneficentes e filantrópicas simplesmente porque acreditam que as empresas precisam produzir também bens que a sociedade quer.

Surge uma nova geração de administradores, os administradores socialmente responsáveis como Guilherme Leal, Fabio Barbosa, Sérgio Amoroso, Luís Norberto Pascoal, entre outros, que estão gastando mais do que 5% do seu tempo, lucro e recursos organizacionais para oferecer o que eles acreditam que a sociedade precisa.

Fazem parte de uma nova geração de administradores e empresários que está transformando um capitalismo de resultados em um capitalismo de benefícios.

Um outro grupo de empreendimento vai além, devota 100% de suas energias, dinheiro e organização para produzir o que a sociedade precisa.

São as entidades beneficentes, que ao longo destes anos adquiriram competência e técnicas organizacionais que seriam de muita valia para as empresas.

Quão mais fácil seria, por exemplo, para os Alcoólatras Anônimos vender pinga a seus associados, do que a abstinência?

Quão mais fácil seria colocar um outdoor vendendo bebida com mulheres sensuais do que angariar fundos filantrópicos?

Quão mais fácil seria para a Igreja Católica ceder às pressões de mudança, oferecendo o que os fiéis querem, do que se manter leal aos seus dogmas e insistir em oferecer o que ela acha que os fiéis precisam, custe o que custar?

Conseguirão os empresários obter lucro ofertando o que o consumidor precisa?

Conseguirão obter lucro vendendo frangos humanamente criados, sorvetes sem aditivos químicos e morangos sem agrotóxicos?

Várias experiências mostram que sim.

A Superbom, empresa dirigida pela Igreja Adventista consegue ser rentável apesar de produzir sucos dentro de processos naturalistas.

Tornar o capitalismo mais responsável já não parece uma tarefa impossível e existem vários grupos agindo neste sentido sem ter que passar pelo traumático processo de derrubar o sistema vigente.

Todo ano 50 entidades beneficentes receberam, merecidamente, o Prêmio Bem Eficiente pela sua competência, liderança e exemplo, provando que existem soluções para os problemas sociais.

Essas e as demais entidades são a semente para um novo tipo de capitalismo voltado para suprir a sociedade com o que ela precisa e não necessariamente com o que ela quer.

 

(Lido por 24 pessoas até agora)

UA-1184690-14