Intelectuais Que Odeiam Administradores

Iniciativa Sem Acbativa


“E quando os intelectuais não têm como reagir, quando o sistema está fechado, eles vão para o monastério.”

Um dos aspectos interessantes do sistema de Castas na Índia era a relação entre os Brâmanes, composto dos sacerdotes, filósofos e professores e os Xátrias que eram os administradores, generais e governantes.

Os Brâmanes eram a casta superior.

Eram os intelectuais, os iniciativos, apesar de todos os chamarem de sacerdotes.

Mas não tinham poder de executar.

Quem tem a ideia nunca deve executá-la.

São competências distintas, e poucos, muito poucos, tem os dois.

Na Índia quem executava as ideias dos Brâmanes eram os Administradores, os Xátrias, erroneamente chamados de Guerreiros .

Por que esta divisão?

Primeiro, porque intelectual odeia rotina, e não tem paciência para aguentar o tédio do dia a dia.

Segundo, porque não pensam no detalhe.

Criei a frase  “Não são os grandes planos que dão certo na vida, são os pequenos detalhes”, depois de passar pelo Governo, dominado por acadêmicos e intelectuais.

Depois de observar os intelectuais e acadêmicos que fizeram os Planos Cruzado, Bresser, Collor e Real.

Terceiro, porque se você implantar a sua própria ideia, você jamais confessará que ela não deu certo, e vai insistir no erro, a um enorme custo social.

Que intelectual admite que errou?  Muito poucos.

Jamais se apaixone pelo seu negócio“, diz Eike Batista, algo muito comum em empresas dirigidas por Empresários e Empreendedores, que inclui ele próprio.

Estes tendem a insistir em ideias furadas, não aceitar que estão errados.

No Brasil, permitimos que nossos Brâmanes sejam os seus próprios Xátrias. 

Aí perderam-se na falta dos detalhes, e levamos 20 anos a mais para acabar com a inflação do que deveríamos.

Até a Bolívia acabou com a inflação antes de nós.

Tivemos mais de 90 intelectuais Brâmanes como Ministros, (ad)ministrando dinheiro público sem a menor competência administrativa.

A separação que se faz na Índia, permite ao intelectual ser o supervisor de sua ideia e alertar a nação se o Xatria ou administrador está desvirtuando a ideia, ou se locupletando com ela.

O intelectual será o primeiro a botar a boca no trombone, algo que no Brasil não acontece.

Vide o “silêncio dos intelectuais” da Marilena Chauí, com relação ao mensalão.

Fica difícil um intelectual denunciar o seu colega no poder, porque seria visto como traição classista e daí surge o silêncio que piora a situação.

A separação de intelectuais de um lado, e administradores públicos de outro, permite uma auditoria salutar da democracia.

Concordo que nem toda empresa ou administrador faz isto.

O problema de empresas geridas por empresários é que o Brâmane e o Xátria viram a mesma pessoa, que muitas vezes se apaixona pela sua própria empresa.

(Lido por 221 pessoas até agora)

UA-1184690-14