The Accidental President of Brazil


Todo jornalista, historiador e administrador que queira entender o Brasil, precisa ler a entrevista.

FHC nesta entrevista mostra bem o pensamento de muitos no Brasil, não somente de FHC.

A começar pelo título do livro de FHC no exterior. The Accidental President of Brazil.

Retrata bem porque este país é mal administrado, em todos sentidos.

Ninguém é presidente de uma empresa multinacional por acaso ou By Accident.

O Conselho de Administração escolhe aquele com a melhor competência administrativa, conhecimento técnico, habilidade, etc.

Os candidatos lutam pelo cargo, se preparam anos a fio como diretores de diversas áreas.

Não é por acaso, muito menos por acidente.

E se fosse, jamais diriam em público porque depõe contra a empresa, e neste caso o Brasil.

O título Accidental President depõe contra o Brasil, mostra que somos uma republiqueta.

Mostra que FHC foi pego de surpresa, e portanto despreparado.

Trabalhei no Governo Sarney com o Ministro João Sayad, que me convidou a ser o primeiro Secretário de Privatização do Brasil.

Éramos colegas da FEA, e eu teria sido escolhido por “acidente”, apesar de minha longa experiência em avaliar as 500 maiores empresas empresas do país, e ter criado o Termômetro de Insolvência.

Mas eu conhecia dezenas de pessoas mais experientes do que eu, em Bancos de Investimentos, M&A, que fariam um trabalho melhor do que eu.

Recusei, e sugeri outro.

Agora sei que errei, porque foi escolhida uma outra pessoa, por acidente, que nada entendia do assunto.

Mas segui meus princípios.

Divulgar para o mundo, como fez FHC, que somos um país que escolhe presidentes por acaso, que presidentes não se preparam para o cargo, que não lutam pelo cargo, é muito triste.

(Lido por 505 pessoas até agora)

21 Comments on The Accidental President of Brazil

  1. Apesar de ferir um pouco o nosso orgulho, eu acho totalmente coerente a reportagem. Na cúpula de nossa democracia, pode-se encontrar políticos com profissão políticos!!! Um administrador sabe como gerir um empresa (seu resultado é totalmente mensurável pelo resultado da empresa), um engenheiro de qualquer área, o resultado pode ser mensurado pelo produto final e como mensurar o resultado de um político (que não tem metas, não é exigido nenhum resultado, não se exige quase nada para poder se candidatar (nem experiência, resultados, conquistas), tem um cargo com estabilidade de quatro anos (só pode ser destituído, se fizer algo muito errado). O nosso próprio sistema, incentiva a ineficiência governamental e faz a roda girar sem nenhuma mudança.

  2. Mérito do Plano Real é do Itamar. FHC nem Ministro da Fazendo era na época, estava em campanha. Quem acabou com a Inflação liberando os portos foi COllor. Foram as importações que impediram os empresarios remarcarem os preços, fim do todos os planos. Foi Collor que iniciou a privatização. Foi Lula que contratou o Henrique Meirelles que aumentou as reservas que FHC deixou a zero. Zero. Não sou Lulista, sou somente observador da realisdade.

  3. Correção… quem acabou com a inflação foi o ITAMAR e a sua equipe. O FHC aproveitou a conquista do Itamar, e fez um péssimo trabalho em manter a situação econômica do final do governo Itamar. Lula, por outro lado, tirou o Brasil da situação fiscal e econômica catastrófica herdada da década (ou quase) FHC

  4. Respeito o Professor Fernando Henrique Cardoso, deu sua contribuição sim, mas o LULA foi o grande PRESIDENTE que o o BRASIL jamais teve, o estadista, o grande negociador e conciliador, nem só dentro do país, fora também. Vamos reconhecer o nosso GRANDE LULA. O professor Fernando Henrique bem que podia ser o ministro da fazenda da DILMA. Não basta sòmente o conhecimento, tem que saber aplica-lo, tem que ter jogo de cintura, tem que ter ingeligência emocional e saber respeitar todas as classes brasileiras, coisa que LULA soube muito bem fazer, tirou muita gente da miséria e colocou o BRASIL inteiro no caminho do desenvolvimento. O lema dele foi muito feliz UM PAIS DE TODOS, coisa que a oligarquia dominante nunca quiz, e ai temos as consequências, favelas e mais favelas, agiotagem dos BANCOS, poluição, desmatamento, inseticidades sem controle nas lavouras, domínio dos grandes grupos, as terras do litoral brasileiro, as de produção, estão caindo nas mãos das multinacionais, não temos masi quase nada. Para resfrescar a memória temos por volta de 37% da PETROBRAS, o BANCO DO BRASIL e a CEF, e mais o que? A VALE está na mão dos fundos de PENSÕES e alguns BANCOS, a minas estão sendo vendidas, e ai fica o que para nós brasileiros? Acorda brasileiros, vamos esquecer que entregou o país para os gringos e colocar na presidência uma pessoa que faz, que é lider e que é brasileira de verdade, uma pessoa corajosa como a DILMA. Tenho certesa que seremos muito mais BRASIL do que com essa corja do PSDB que todos já conhecemos.
    Adm. Célio M. Carneiro

  5. Professor Kanitz, alguém já disse por aí no blog, e de fato vc parece estar muito lulista, ou petista, ou anti-PSBD, ou algo do gênero.
    Se FHC foi presidente por acaso ou não, na verdade foi ele (e sua bem escolhida equipe) que deu um xeque-mate na inflação e preparou o Brasil para o desenvolvimento. E por isso não se deve desmerecê-lo.
    Naquela época, ouvi dizer que estava difícil achar alguem para ser candidato contra o Lula, ele teve a coragem de aceitar. Acabou fazendo um grande trabalho, que só não foi melhor porque na sua época a situação econômica mundial não era tão boa quanto a do governo Lula, até 2007.

  6. Na minha opinião o problema seria de como exercer o poder e seus caprichos, isto é, como conseguir administrar tantos interesses que se institucionalizam aqui e acolá somado ao fato indelével dos próprios interesses?

  7. FHC foi presidente por acaso pq é pouco provável que os cidadãos brasileiros coloquem para representá-los alguém, de fato, preparado para tirar proveito dos novos desafios sociais. Somos uma massa de despreparados e sem formação suficiente que nos dê segurança de fazer algo com competência e eficácia. Aceitamos serviços públicos sem propósito de oferecer um trabalho profissional de fato. Todos os méritos para FHC que fez o q precisava ser feito, dando a cara a tapa e aguardando o juízo fiel da história. Ele sempre esteve preparado para a função. Acaso positivo foi o fato de a grande maioria dos brasileiros terem apostado no seu comando.
    Quando terei a oportunidade de ver um presidente fazer o q precisa ser feito mais vezes, nem q seja por acaso? Espero q ainda haja tempo!!!

  8. Caro Mestre Kanitz:
    É triste, mas infelizmente essa é a realidade brasileira. FHC foi corajoso ao dizer a verdade.
    Se quisermos um dia deixar de ser uma “republiqueta”, temos que dizer as verdades que precisam ser ditas e trabalhar muito para mudar nossa realidade!!!

  9. Mario Thadeu, muito boa a sua colocação. Por mais que o cara se prepare, vai encontrar lá tudo aquilo que nós aqui não conhecemos mas sabemos que existe: o poder paralelo. De acordo com a sua particular forma de enfrentar, assim será o seu resultado.

  10. Na realidade se tratando de política quase no mundo todo os políticos são fruto do acaso e não da competência comprovada. O Setor Público não está na mão de administradores competentes.

  11. Valeu a dica… a entrevista é interessantíssima. E aparentemente o FHC aproveitou muito bem seus conhecimentos de sociólogo para analisar o funcionamento do poder no Brasil durante seu mandato.

  12. Não existe presidente por acaso, entendo que é uma força de expressão. FHC teve acertos e erros,( bem como Collor, Itamar e Lula ) mas com certeza a capaciddade intelectual dele permitiu uma melhor compreensão da situação e sua consciencia e dúvidas fizeram-no demorar nas decisões.
    Melhor assim, no meu entendimento do que o atual governo que além de mudar as falas da manhã p tarde, as ações nem se fale, elas não existem são virtuais.
    Suas únicas ações são no sentido de permanecer no poder, usam tecnicas arcaicas, misturam Maquiavel com Goebbels.
    Dividir para governar, recorrendo à luta de classes e á propaganda enganosa.

  13. À aqueles que enunciam a negatividade do governo FHC; ou tem memória curta ou leram o livro de história errado. FHC ajustou a economia do país, trouxe crédito do exterior para bancar a bagunça feita por governos anteriores. Ajustou a inflação e implantou confiança à moeda. Infelizmente seus planos de longo prazo caíram nas mãos de Lula, para sorte deste último.

  14. Ha mais de 20 anos atrás, conheci um fazendeiro muito rico e que tinha tres filhos. Dois deles, tinham formação no exterior, aliás, um destes, era formado em administração e com especialidade em uma universidade francesa.
    Após a morte do patriarca, as várias fazendas foram divididas entre os herdeiros.
    Muito bem, para não não perder muito tempo com detalhes, faço um resumo do HOJE:
    Um dos herdeiros sequer voltou a morar no Brasil. Não é rico mas tem um razoavel padrão de vida como professor universitário no Canadá.
    O Dr. administrador, está atolado em dividas e falido!
    O terceiro filho, que concluiu o curso de Economia em 10 anos (quase foi jubilado pela Universidade Federal da Bahia), comprou todas as fazendas dos irmãos, aumentou consideravelmente seu patrimônio e nunca fora preparado – era até desacreditado – para ser um gestor de qualquer que fosse o negócio.
    MORAL DA HISTÓRIA,
    Cada caso é um caso, não há preparação para se ser presidente eficaz de empresas ou de País !
    Quem dava alguma coisa por Ronald Regan????? Foi um dos melhores presidentes americanos!!!
    Quem diria que LULA se destacaria no governo brasileiro e no mundo mais do que o FHC ????
    O Abilio Diniz tirou todos os seus filhos da administração direta do Pão de Açúcar e – volta e meia – anda às turras com seus “presidentes” escolhidos à ponta de dedos!
    Portanto, a coisa não é tão simples assim!

  15. FHC, que já não foi um bom presidente, não consegue ser um bom ex-presidente.

  16. Relativamente ao FHC, ao Lula e ao Collor:
    o único dirigente de um país que achava orgulho em dizer que começou o governo do zero é um tal de Pol Pot, lá do Camboja. Esse cidadão tentou construir um certo “novo homem socialista”, destruindo o pouco que havia no país: escolas, finanças, laços familiares, prestadores de serviço, etc.
    Basta dizer que por lá, quem sabia ler e escrever ou usava óculos já era suspeito e por isto merecia ser destruído.
    O regime deste maluco durou menos de 5 anos, e caiu porque o Camboja foi invadido pelo Vietnã e, como o terror do Pol Pot era mais forte do que o patriotismo, ele foi rapidamente varrido do poder.
    Digo isso, porque um sucessor, qualquer que seja ele, ou independente da orientação do partido, sempre começa seu governo onde o outro termina.
    Com Lula não podia ser diferente.
    Quanto ao FHC, difusor da viralatice do Brasil no exterior, esse cidadão também gosta de dar um torcicolo na verdade (como diria o grande personagem Odorico Paraguaçu), pois quem realmente se empenhou na implantação do Plano Real foi seu chefe da época, o Itamar.
    Quando o plano finalmente foi ativado, o FHC já estava fora do governo. E foi Itamar quem também se empenhou para fazer seu sucessor. Isto é, não foi por acaso. Daí, o tal FHC já anda perdendo crédito, ou com neurônios já muito bambos.
    Quanto ao Collor, este cidadão nada mais é do que um fujão, pois fugiu de todas as responsabilidades:
    Salvo engano, ele não cumpriu integralmente nenhum, repito, nenhum mandato eletivo, ou seja fugiu de seus eleitores.
    Fugiu também de seus auxiliares mais próximos, como o PC Farias, e da sua base de apoio no Congresso. Fugiu ainda das próprias esposas, quando lhe foi conveniente. Possivelmente atrás disto se esconde uma personalidade altamente instável.
    E a maior parte de seus erros na Presidência teve que ser corrigida.

  17. FHC preparou toda a base para a Fase Seguinte, que por acaso foi Lula, o gestor político. Qualquer um teria que fazer o que Lula fez. Seguir a onda. Aliás, Lula é o maior surfista brasileiro. Nunca ninguém surfou como ele está onda da presidência. Se Lula não fizesse o que fez, aconteceria com ele o que aconteceu com Collor, um meio alemão, auto-suficiente, soberbo e finalmente UM BURRO.
    Para o bem da democracia, é hora de mudança no comando e no partido. Portanto, não vamos de Dilma, apesar de sua competência.
    Para o bem do Brasil.
    Luiz Fernando Piazzeta Hartmann

  18. Além de competência tem que ter sorte.
    Sorte de não ter crise dos Tigres Asiáticos, crise no México, crise na Russia e etc.
    E quando houver uma unica crise bancária, o ex-presidente ter feito o PROER e ao contrário do resto do mundo, ter regulamentado as atividades bancárias.

  19. Não acho que foi a intenção de FHC denegrir a imagem do Brasil com este título. Existem certas doses de “humor” que possuem um contexto completamente diferente no EUA e no Brasil. “Accidental president” pode ser considerada uma destas sutis diferenças. Acho que o título é para chamar a atenção do público americano e mostrar exatamente o contrário: que não somos uma república de banana.
    Quanto ao rapaz que diz que FHC foi um “triste acaso”… claro… não gosto do presidente FHC… mas tb não gosto de Lula. E acho que não vou gostar de Dilma ou de Serra ou de Marina (quem dera)… mas você pode me citar um presidente melhor que FHC na história do país? Valeu!

  20. =P Obama, Arnold Swannegger (coisa assim)… Não estão muito longe da gente não.
    Quem é preparado, ganha milhões por mês. Vai querer seu nome associado a corrupção? Ser honesto e receber apenas uns 15 k por mês.
    No máximo teremos um cara teórico e com pouca prática. Um tanto ingênuo, sem tato para manobrar as raposas velhas.

  21. Pois é. Mas FHC realmente foi um acaso. Foi um triste acaso. Felizmente hoje estamos livres dele e não corremos risco desse “acidente” acontecer novamente. Hoje ele não passa de um sujeito ressentido que escreve bobagens nos jornais que poucos lêem e, portanto, não atrapalha mais.

Comente

Seu email nao sera publicado.




UA-1184690-14